Cultura

SEMANA DE ARTE MODERNA – 100 ANOS – 1922-2022 | Hugo Pontes

Muito se fala e se estuda sobre a Semana de Arte Moderna realizada em São Paulo de 11 a 18 de fevereiro de 1922. Tal movimento assumiu importância fundamental para o futuro da Literatura, da Música e das Artes Plásticas no Brasil. 

Wlademir Dias-Pino, Rio de Janeiro-RJ

 

Era o fim e o início de períodos históricos no contexto da cultura brasileira no século XX. 

Visualizada há 100 anos, fica difícil imaginar o impacto causado pelo Movimento Modernista sem que se leve em conta o cenário conservador que era vivido no Brasil. 

 

Ana Aly, São Paulo-SP

 

Os modernistas eram vistos como um grupo de jovens inconsequentes e, no entanto, hoje são os poetas, escritores, músicos e artistas plásticos considerados avançados para a época e que abriram portas para a liberdade de expressão no universo das artes brasileiras. 

 

Paulo Bruscky, Recife-PE

 

Da Semana de Arte Moderna constavam da programação os nomes de Guiomar Novaes, Lucila Villa-Lobos, Frutuoso Villa-Lobos, Heitor Villa-Lobos e Alfredo Gom – ligados à música; na Literatura: Agenor Barbosa, Cândido Mota Filho, Guilherme de Almeida, Luís Aranha, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Renato Almeida, Ribeiro Couto, Ronald de Carvalho e Sérgio Milliet; e na pintura: o grande mentor intelectual da semana Di Cavalcanti; e Anita Malfatti,Ferrignac, Martins Ribeiro, John Graz, Martins Ribeiro, Oswaldo Goeld e Zita Aita; nas Artes Plásticas com Victor Brecheret e na Arquitetura com Antônio Garcia Moya.

 

Carmen Salazar, Porto Alegre-RS

 

Modernos também foram no Recife, Pernambuco: o poeta Manuel Bandeira; João Cabral de Melo Neto; o poeta e pintor Vicente do Rego Monteiro e o pintor Cícero Dias. Alberto da Veiga Guignard, pintor, em Belo Horizonte, MG.

 

Joaquim Branco, Cataguases-MG

 

No Rio de Janeiro, metrópole cultural e centro das decisões políticas, as manifestações aconteciam e eram vários os nomes que despontavam no cenário dos anos de 1920: Lima Barreto, Cecília Meireles, Gilka Machado, Bidu Sayão, Roquette Pinto, Pixinguinha e outros. 

 

Márcio Almeida, Oliveira-MG

 

Se nos remetermos aos estudiosos da Semana de Arte Moderna e perguntarmos o que o movimento representou, especificamente para a Literatura Brasileira, vamos encontrar a seguinte resposta:

 

“O movimento representou uma grande renovação na linguagem, na busca pelo experimentalismo e na ideia de um novo momento da criação seja nas letras como nas artes em geral. E, em relação ao contexto da época, o momento brasileiro era pleno de problemas de caráter social, político, econômico e cultural.

 

Avelino Araújo, Natal-RN

 

Abandonando os antigos dogmas estéticos, os modernistas projetaram naqueles anos de 1920 até os anos de 1950 novos rumos para as artes no Brasil. 

 

Marcelo Dolabela, Belo Horizonte-MG

 

Em Minas Gerais surgiram poetas como: Carlos Drummond de Andrade, Emílio Moura, Pedro Nava, Martins de Almeida, Abgar Renault, Milton Campos, Gustavo Capanema e João Alphonsus Guimaraens. Em Cataguases tivemos: Ascânio Lopes, Rosário Fusco, Gilhermino César, Oswaldo Abritta e outros; em Poços de Caldas Jurandir Ferreira.

 

A partir do Modernismo conseguimos presenciar  a partir dos anos de 1950, chegando ao ano 2000 e neste início do século XXI – a ousadia do Movimento Concretista na literatura; o Tropicalismo na música e as artes plásticas e arquitetura.  Na poesia encontramos o Poema/Processo no final dos anos de 1960; o Poema Visual no início dos anos de 1970 até os dias atuais, englobando a Arte Postal, a Poesia Digital, a Poesia Sonora e tudo o mais que a arte e a tecnologia proporcionaram e proporcionam para consolidar a criatividade e a imaginação dos nossos escritores/criadores. 

Hugo Pontes: Professor, poeta e jornalista brasileiro.

 

Qual é a sua reação?

Gostei
0
Adorei
0
Sem certezas
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Próximo Artigo:

0 %