Cultura

Poemas | Hera de Jesus

Resfriar

 

Não mais

fui a mesma, 

regada de suspiros.

Apaixonada

Tomada por ardentes delírios

Coisas da mocidade.

 

Se é amor

ou costume,

Não fervemos mais.

Não mais temo te perder,

não me necessitas para viver.

Somos um déjà-vu

de memórias

esquecidas num baú.

 

É tão estranho

Um dia, tudo se conhece

Noutro, tudo torna-se desconhecido.

***

Partida

 

Vou partir.

Como o sol

que se extingue

na linha ténue

do horizonte,

sem sequer se despedir.

 

Vou partir.

Talvez escreva 

alguma carta

dizendo: adeus!

Ou escreva um poema

aos meus.

 

Enfadonham-me

as despedidas,

É tudo lúgrube. 

 

Vou partir.

Temo ficar,

temo não me achar.

Preciso ir,

Necessito um

novo nascer.

 

HERA DE JESUS 

[Maputo, Moçambique,1989]

Começou a escrever desde tenra idade. De 2013 a 2017, participou e foi distinguida em alguns concursos internacionais de poesia. Tem textos publicados nas antologias “Soletras Esse Verso” (2018); “Fique em Casa” (2020); “Linguagens e suas Tecnologias, Manual do professor” (2020); E ” No Cais do Amor” (2022). 

Tem contribuído para as revistas Lidilisha, Soletras, Ómnira, Contioutras, Por Dentro de África, Escamandro, Avenida Sul, Mallamargens , Folhinha Poética, Cultural Traços/ Alta Cultura, Germinaliteratura, e Incomunidade.  É membro da Confraria Brasil/Portugal.

 

Qual é a sua reação?

Gostei
0
Adorei
0
Sem certezas
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Próximo Artigo:

0 %