ANO 9 Edição 99 - Dezembro 2020 INÍCIO contactos

Beatriz Aquino


De quando as noites são de chumbo    

Estou cansada de escrever.

De dar ouvidos a essas mãos que pesam e me tiram o sono.

Que querem de todo modo arrancar da superfície plana e desonesta do mundo alguma resposta.

Que arrogância é essa que possuo? Por que não sossego com o café e o leite que me são servidos na mesa casta e sóbria dessa calma manhã?

Por que arranhar a pele das coisas que deveriam se manter intactas e incompreendidas?

Uma vez tive paz.  Quando tinha sete anos, eu tive paz.

Foi em um momento onde na cozinha de casa eu observava a mãe cozinhar o almoço.

Lembro até hoje do seu semblante sereno.

Da mãe eu sorvia toda a nutrição do mundo. E ali não havia mistério algum.

Foi só quando descobri que eu era apenas um pedaço dela e ela um pedaço de mim que a angústia começou.

Enquanto crescemos, o vazio do abraço materno que se esvai aos poucos de nós sem que nos demos conta, também cresce.

E o grande e gélido manto da existência vem nos cobrar o pedágio pelos anos passados entre fraldas, mamadeiras e sono profundo.

E veja que a ingenuidade é só um modo grosseiro da vida te dizer para esperar.

Lembro bem desse dia da minha paz completa, pois foi ao me dar conta dela que ela se destacou de mim.

Desde então esse gosto amargo na boca.

Um zumbido constante no ouvido que diz;
'Sou só.'

Sou.

Assim como minha mãe também é. Também ela se agarrava a mim como um náufrago em choque. Matamos e damos luz aos seres apenas para que eles nos digam.

'Você existe.'

É grande o medo do ser humano diante do vazio.

É...

Eu lembro.

Uma vez, quando eu tinha sete anos,
eu tive paz...

 

 

 

Beatriz Aquino é formada em Publicidade e Propaganda e é atriz de teatro. Tem publicados os livros:  Apneia (romance), A Savana e Eu (crônicas), Anne B.  - Sobre a Delicadeza da forma (romance) e Caligrafia Selvagem, lançado em Julho deste ano. Vive atualmente em Portugal.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Dezembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Dezembro de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adel José Silva, Álvaro Alves de Faria, Antônio Torres, Artur Alonso Novelhe, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte Rodrigues, Dalila d’Alte Rodrigues, Décio Torres Cruz, Denise Emmer, Edson Cruz, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Flávio Sant’Anna Xavier, Grupo Estilingues, Helena Barbagelata, Henrique Dória, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Leila Míccolis, Lindevania Martins, Luís Filipe Sarmento, Marcelo Frota, Marco Antonio, Marcos Pamplona ; Helena Barbagelata, ilustração, Marinho Lopes, Mário Baggio, Mônica de Aquino, Myrian Naves, Nilma Lacerda, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Rogelio Pizzi ; Rolando Revagliatti, entrevista, Waldo Contreras López, Wil Prado, William Vanders, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

SALVADOR DALÍ, 'La persistencia de la memoria', 1931.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR