ANO 9 Edição 99 - Dezembro 2020 INÍCIO contactos

Luís Filipe Sarmento


O mito é um conforto intelectual primitivo    

O mito é um conforto intelectual primitivo. As causas longínquas diabolizam, por vezes, o continente efémero do presente. Negá-las é uma prova de existência no plano futuro, o que é, a olho nu, uma contradição. O que resta depois da usurpação das vozes? Viajar no presente em contramão, ironizando passado e destino. Tudo para chegar ao minuto seguinte. E esperar que o próximo atomize a subconsciência imagética e navegue um texto imponderável, por vezes insultuoso à leitura de quem segue a continuidade do previsto. Sem qualquer intenção no seu horizonte, apenas surpreendente no seu contrassenso datado e provável exemplo detonante de um impraticável futuro aos sentidos de quem nega a imprevisibilidade do que irá suceder num potencial equilíbrio instável da dinâmica existencial. Por temor à febre a que são propensos. O desigual provoca sempre calafrios e isso não é nada aconselhável para o conforto dos netos dos proxenetas sociais que a história registou com a grandeza da insuficiência, com a conspurcação da simplicidade, com a usurpação criminosa de bens alheios. Estes accionistas do mundo, na infâmia do seu silêncio organizado, lançam para o mercado da traficância de sonhos produtos de denominador comum, enganadores, insultuosos, pornográficos a que não escapam bebés, mágicos, traficantes, pequenos heróis da inexistência, padeiros, negociantes de gás, vampes, tatuadores, pais e rapazes, bibliotecárias, gémeas e gémeos, cartas perdidas, sonatas, voluntários, carteiros, bailarinas, canções, estações terminais, fotógrafos, instrumentos musicais, plagiadores. Já ninguém mora em Auschwitz. Os que lá moraram não escaparam à destruição do crime nazi. Os seus espíritos que por lá deambulariam não escapam, hoje, ao despejo assediados pelo ditirambo narrativo de uma moda perversa que explora despudoradamente a memória horrenda do holocausto através de ficções criminais em série de gosto dúbio para gáudio de repetidores, plagiadores, transferidores, publicistas ao serviço da sinistra rede de comunicação controlada pelos accionistas do mal. O grau zero da autenticidade criativa na sua plenitude diabólica ao serviço da espoliação dos incautos à vil propaganda do proxenetismo.

 

 

Luís Filipe Sarmento nasceu em Lisboa, a 12 de Outubro de 1956.
Estudou Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Jornalista, Escritor, Tradutor e Realizador de Televisão.
Alguns dos seus livros e textos encontram-se traduzidos em inglês, espanhol, francês, italiano, grego, árabe, mandarim, japonês, romeno, macedónio, croata, turco e russo.
Produziu e realizou a primeira experiência de Videolivro feita em Portugal no programa Acontece para a RTP (Radiotelevisão Portuguesa).
Coordenador Internacional da Organization Mondial de Poétes (1994-1995)
Membro do International Comite of World Congress of Poets
Presidente da Associação Ibero-Americana de Escritores (1999-2000)
Coordenador para Portugal da World Poetry Movement.
Participou em mais de 100 festivais, congressos e feiras internacionais.

Do Autor:

A Idade do Fogo, 1975; Trilogia da Noite, 1978; Nuvens, 1979; Orquestras & Coreografias, 1987; Galeria de um Sonho Intranquilo, 1988; Fim de Paisagem, 1988; Fragmentos de Uma Conversa de Quarto, 1989; Ex posições, 1989; Boca barroca, 1990; Matinas Laudas Vésperas Completas, 1994; Tinturas Alquímicas, 1995; A Ocultação de Fernando Pessoa, a Desocultação de Pepe Dámaso, ensaio, versão portuguesa e castelhana, Las Palmas, 1997; A Intimidade do Sono, 1998; Crónica da Vida Social dos Ocultistas, narrativa, 2000, 2007, 2015; Gramática das Constelações, 2012; Ser tudo de todas as Maneiras, ensaio e antologia da obra de Fernando Pessoa no Livro/Cd «Mensageiros», Lisboa, 2012; Como Um Mau Filme Americano, narrativa, 2013; 40 Poemas 40 Pinturas (c/Luís Vieira Baptista), 2015; Efeitos de Captura,2015; Repetição da Diferença seguidode Casa dos Mundos Irrepetíveis, 2016; Gabinete de Curiosidades, 2017, 2018; KNK, 2019; Operação Ulisses, 2019, narrativa; Ao Rubro(reúne toda a sua obra poética de 1975 a 2020), 2020.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Dezembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Dezembro de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adel José Silva, Álvaro Alves de Faria, Antônio Torres, Artur Alonso Novelhe, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte Rodrigues, Dalila d’Alte Rodrigues, Décio Torres Cruz, Denise Emmer, Edson Cruz, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Flávio Sant’Anna Xavier, Grupo Estilingues, Helena Barbagelata, Henrique Dória, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Leila Míccolis, Lindevania Martins, Luís Filipe Sarmento, Marcelo Frota, Marco Antonio, Marcos Pamplona ; Helena Barbagelata, ilustração, Marinho Lopes, Mário Baggio, Mônica de Aquino, Myrian Naves, Nilma Lacerda, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Rogelio Pizzi ; Rolando Revagliatti, entrevista, Waldo Contreras López, Wil Prado, William Vanders, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

SALVADOR DALÍ, 'La persistencia de la memoria', 1931.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR