ANO 9 Edição 98 - Novembro 2020 INÍCIO contactos

Adelto Gonçalves


"O marceneiro", um romance do Apocalipse    

 

I

Depois de publicar, em 2018, Ele está no meio de nós (Curitiba, Kotter Editorial), que pode ser definido como um romance místico, religioso ou ecumênico, Silas Corrêa Leite lançou, em 2019, O Marceneiro: a última tentativa de Cristo (Maringá-PR, Editora Viseu), que faz parte de uma trilogia que haverá de ser completada com obra que já está concluída, mas ainda inédita. Tendo sido iniciado em 1995, como ponto de partida para uma carreira literária, este romance, tal como o anteriormente publicado, pode ser definido como místico, ecumênico e religioso – e, por isso, mesmo polêmico –, além de profético, pois, ao anunciar um caos apocalíptico, antecipa os momentos de angústia que vive hoje a população da Terra com a chegada da pandemia de coronavírus (Covid-19).

 Sua leitura assusta, incomoda, registra e desnuda uma verdade que a maioria da população, especialmente a brasileira, recusa-se a ver com olhos realistas, deixando-se levar pela boa fé, ao acreditar na palavra de “salvadores” da pátria. Mas chega uma hora em que o cidadão se conscientiza de que tem sido vítima de muitos logros e repete, como diz o autor, ainda que inconscientemente, uma frase do filósofo alemão Friederich Nietzche (1844-1900): “A verdadeira questão é: quanta verdade consigo suportar?”

Depois de ficar na gaveta por quase cinco anos, o manuscrito foi retomado pelo romancista no ano de 2000, quando havia muita expectativa pelo que seria o novo século, pois estava sendo anunciado aos quatro ventos o chamado “bug do milênio”, ou o Bug Y2K, que poderia provocar um pane nos sistemas informatizados, levando o mundo à completa desorganização e destruição, inclusive do sistema financeiro. Inspirado em Memorial de Maria Moura (1992), de Raquel de Queiroz (1910-2003), imenso painel de relações sociais, culturais, morais e afetivas entre personagens bem caracterizadas, Silas Corrêa Leite escreveu um romance anárquico e utópico, partindo do tumulto ou caos apocalíptico que poderia ocorrer no planeta se Jesus Cristo, numa última tentativa antes da prometida volta para levar para os céus os escolhidos, aparecesse no Brasil.

Lembrando que Jesus Cristo rompeu com leis injustas, investiu contra fariseus, varreu os vendilhões do templo e colocou-se contra uma casta que subsistia da exploração dos pobres e de um sistema econômico tirânico que especula “com a fome em favor dos chamados neoliberais nunca éticos” (p. 297), o autor conclui que, provavelmente, o Messias seria tachado de terrorista ou comunista, sofreria atentados e poderia vir a ser até vítima de “novos tipos de vírus concebidos em laboratórios (para acabar com os pobres?)” que haveriam de colocar em suas comidas. “Ou teria cólera por comer peixe de países sem infraestrutura ou saneamento básico (p. 299).

Como se pode deduzir com facilidade, trata-se de um romance profético, que, de certa maneira, segue na mesma linha de Não Verás País Nenhum (1981), de Ignácio de Loyola Brandão (1936), que previu um tempo em que o aquecimento global e a proliferação de doenças estranhas haveriam de colocar em risco todo o planeta. Eis um trecho que parece escrito nestes dias de pandemia de coronavírus em que o Brasil é governado por mãos insensíveis:
“Bendita seja a loucura que choca o homem para que ele reviva de sua mudez lucrativa. De sua total insanidade exploradora, de sua insensibilidade ética, de sua falta de lisura no trato com os pequeninos. De sua insensibilidade em achar a fome e a miséria dos excluídos socialmente normal. De não se chocarem mais com o abandono dos fracos e oprimidos. Bendita seja a “loucura” que fere, mexe, assoma-se contra a mediocridade comum dos fariseus insensíveis” (p. 300).

 

 

II

Dono de um estilo criativo, Silas procurou se inspirar na Bíblia que, como se sabe, em várias de suas passagens, sempre alerta os leitores para o fato de que o fim do mundo está próximo, o que até aqui invariavelmente tem sido interpretado como se esse final estivesse perto apenas para cada um de nós. Mas, quando ocorrem catástrofes mundiais, nem sempre esta última interpretação é a que mais se afirma. Eis outro trecho desse texto em que o seu autor se mostra visionário:
“Os menores abandonados do Brasil serão as gangues do futuro. As tropas paisanas violentas. Que não terão nada a perder. De uma irracionalidade medonha, dantesca. Os ricos e suas famílias, esposas, filhas e descendentes, serão alvos delas. As grades, guaritas, os seguranças, os belos carros, os grandes shoppings não os defenderão... Exploraram a terra e as gerações dos filhos da terra. E os filhos da terra como praga se insurgirão como única saída-sobrevivência possível. Não haverá clemência ou regras claras. Não há clemência na fome absoluta, irracional. Como não houve clemência na distribuição de rendas e lucros e terras. Que não foi cerceada, mancomunada, desviada, montada. Não haverá perdão. O lucro torpe tocou a alma humana. E o rancor da pisada alma pobre violará muros, invadirá cidades, violentará condomínios reservados inteiros, praias particulares, ilhas com torres de vigias inúteis. Nada deterá a cobrança do homem-animal embrutecido em horror dantesco...” (p. 287).

 

 

III

Nascido na mítica cidade de Itararé, localizada na divisa entre os Estados de São Paulo e Paraná, que entrou para a História como local de um episódio pitoresco ocorrido à época do movimento civil-militar de 1932 em que a burguesia paulista, desalojada do poder em 1930, tentou derrubar o regime ditatorial de Getúlio Vargas (1882-1954) , Silas Corrêa Leite (1952) é poeta, romancista, letrista, professor, desenhista, jornalista, resenhista, ensaísta, conselheiro diplomado em Direitos Humanos e membro da União Brasileira de Escritores (UBE), além de blogueiro e ciberpoeta.

Tendo começado a escrever aos 16 anos de idade, migrou em 1970 para São Paulo, onde se formou em Direito e Geografia, sendo especialista em Educação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de ter cursado extensões e pós-graduações nas áreas de Educação, Filosofia, Inteligência Emocional, Jornalismo Comunitário e Literatura na Comunicação, curso este que fez na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Nos últimos tempos, o romancista lançou também Goto, a lenda do reino encantado do barqueiro noturno do Rio Itararé (Florianópolis: Clube de Autores Editora, 2013), romance pós-moderno, considerado a melhor obra do escritor, e Gute-Gute, barriga experimental de repertório (Rio de Janeiro: Editora Autografia, 2015). Tem mais de 20 livros publicados, entre os quais Porta-Lapsos (poemas) e Campo de Trigo Com Corvos (contos). É autor ainda do primeiro livro interativo da Internet, o e-book O rinoceronte de Clarice, que virou tema de tese de mestrado na Universidade de Brasília (UnB) e de doutorado na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Foi finalista do Prêmio Telecom, em Portugal, em 2007.
 
Seus textos fazem parte de mais de cem antologias literárias de renome, inclusive na Itália e nos Estados Unidos, e estão espalhados por mais de 800 sites, inclusive na América Latina, Europa, Ásia e África. Seu texto “O estatuto do poeta” foi vertido para o espanhol, inglês, francês e russo.
_________________________________

O Marceneiro: a última tentativa de Cristo, de Silas Corrêa Leite. Maringá-PR: Editora Viseu, 380 páginas, 2019, R$ 52,90. E-mail da editora: falecom@eviseu.com.br  E-mail do autor: poesilas@terra.com.br

 

 

Adelto Gonçalves é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/Academia Brasileira de Letras, 2012),  Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015), Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1981; Taubaté-SP, Letra Selvagem, 2015) e O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2019), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Novembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Novembro de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Anaximandro Amorim, André Giusti, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Torres, Autor Vários autores ; Carvalho Júnior, org., Beatriz Aquino, Carlos Barroso, Carlos Eduardo Matos, Djami Sezostre ; Antônio Cunha, Edmira Cariango Manuel, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Fernando Ferro Brandão, Francisco Marcelino, Ganhanguane Masseve, Geraldo Lima, Henrique Dória, Hermínio Prates, Job Sipitali, Leila Míccolis, Marcus Groza, Marinho Lopes, Mário Baggio, Myrian Naves, Myrian Naves, pelo Conselho Editorial, Nilma Lacerda, Paula Winkler ; Rolando Revagliatti, entrevista, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Sônia Peçanha, Suely Bispo, Waldo Contreras López, Wil Prado


Foto de capa:

WALTER MOLINO, 'Cartoon publicado no jornal Domenica del Corriere', 16 de Dezembro de 1962.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR