ANO 9 Edição 98 - Novembro 2020 INÍCIO contactos

Henrique Dória


EDITORIAL: A PANDEMIA DERROTOU TRUMP    

Estas eleições presidenciais nos Estados Unidos da América não foram eleições apenas para a América. Foram eleições para o mundo.


Donald Trump não mudou apenas a política interna americana, mudou o modo de estar no mundo do poder americano que ele usava, essencialmente, tendo em vista o seu interesse próprio e o interesse da sua família e dos que o apoiavam ou beneficiavam a nível mundial.


Na verdade, a retórica de Trump  de tornar a América de novo grande não conseguiu esconder o que lhe estava subjacente. Chegou à presidência com a evidente ajuda da Rússia de Putin  que viu nele um excelente instrumento para acelerar o declínio da América pela insistência na defesa do cinturão da ferrugem que, num sentido lato, era a indústria da terceira revolução industrial, altamente poluente e baseada no uso da energia do carvão e do petróleo, negando o que, para todos, é evidente, que são as alterações climáticas e a urgência da passagem para a quarta revolução industrial.  E, mais do que isso, viu em Trump e nos seus apoiantes protofascistas um instrumento para provocar a desintegração europeia que é a grande ambição da Rússia para tornar a Europa um apêndice seu.


A retórica de apontar a China como o seu grande adversário não disfarçava a realidade de que a China continua a ser, de longe, a maior investidora na dívida pública americana. O seu boicote às empresas chinesas através do aumento de taxas alfandegárias, de proibições de exportação de componentes eletrónicos e de ameaça de nacionalização de plataformas chinesas na internet como o Tic-Toc, não escondeu a realidade do crescimento do défice comercial dos EUA com a China, que nunca teve um valor tão elevado como na governação de Trump.


Algum sucesso da governação de Trump na economia durante os seus três primeiros anos de mandato, não disfarçou o facto de esse sucesso ter acontecido através do colossal aumento da dívida pública americana quer por via da enorme diminuição das receitas fiscais quer por via do lançamento de biliões de dólares para apoio à economia e, em particular, à banca.


Finalmente, mas não menos importante, o racismo e a xenofobia constituíram as grandes marcas da sua administração, aumentando a marginalização dos já marginalizados da América.
Tudo isso levaria a uma derrota esmagadora de Trump, não fossem as suas mentiras paranoicamente repetidas, a religiosidade doentia, o individualismo extremo e a ignorância trágica de uma grande parte do povo americano, em particular dos estados de baixa densidade populacional do interior americano.


E não fosse também a incompetência absoluta do modo como enfrentou a pandemia da covid-19, a sua negação da realidade evidente da tragédia que era para a América o número de contaminados e o número de mortos, ele não seria derrotado porque o Partido Democrata apostou num candidato sem brilho e com manifestações claras de senilidade.


O seu comportamento público, à margem de toda a dignidade que o alto cargo exigia, coroava a sua ignorância, a sua incapacidade e o seu fracasso. Mesmo assim, teve de seu lado o fanatismo e a crudelidade de setenta e um milhões de americanos.


Mas aqueles americanos que melhor o conhecem expressaram no voto a sua apreciação da personalidade de Trump e do desempenho da sua administração: os eleitores de Washington D C,  a cidade capital da América que rodeia a Casa Branca, em número de cerca de quinhentos mil eleitores inscritos, teve uma votação de 93,3 por cento em  Joe Biden e 5,2% Trump. Não foi apenas uma derrota, foi uma humilhação.

 

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Novembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Novembro de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Anaximandro Amorim, André Giusti, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Torres, Autor Vários autores ; Carvalho Júnior, org., Beatriz Aquino, Carlos Barroso, Carlos Eduardo Matos, Djami Sezostre ; Antônio Cunha, Edmira Cariango Manuel, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Fernando Ferro Brandão, Francisco Marcelino, Ganhanguane Masseve, Geraldo Lima, Henrique Dória, Hermínio Prates, Job Sipitali, Leila Míccolis, Marcus Groza, Marinho Lopes, Mário Baggio, Myrian Naves, Myrian Naves, pelo Conselho Editorial, Nilma Lacerda, Paula Winkler ; Rolando Revagliatti, entrevista, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Sônia Peçanha, Suely Bispo, Waldo Contreras López, Wil Prado


Foto de capa:

WALTER MOLINO, 'Cartoon publicado no jornal Domenica del Corriere', 16 de Dezembro de 1962.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR