ANO 9 Edição 98 - Novembro 2020 INÍCIO contactos

Angela Maria Zanirato Salomão


Poemas    

Iniciática

 

atravessei meu mar
morto
pra renascer ancoradouro de mim
meus barcos naufragados
submergiram à fúria de minhas ondas internas
cicatrizei ferida do casco
fechei vãos
preenchi vazios
- já entendo de tormentas e tsunamis
sou anfíbia
na noite plena de peixes.

 

 

 

 

 

 

Rosa da resistência

 

planto uma rosa vermelha
que resista à maçã da bruxa
deixada na calçada
planto uma rosa vermelha
que resista à clorofila dos cabelos platinados
que floresça no cano das botas
estoure a boca do fuzil
planto uma rosa vermelha
que vá à luta
armada de seiva
que não esqueça seus motivos
assim como a roda viva não esquece sua engenharia
planto uma rosa vermelha
e que o jardineiro jamais seja acusado
de decepar as próprias mãos na poda
rosa vermelha
que enfeite celas
peito de prostitutas
bancos de sangue
de sêmen
de leite
acampamentos
e feiras da lua
planto uma rosa vermelha
e não me preocupo com o ângulo
da fotografia
só com sua rota
de colisão com os fascistas
planto uma rosa vermelha à prova de balas
de tropas de elite
de canhões
uma rosa chumbo liberta
onde as mãos que a busquem
pela ânsia do encontro
nunca estejam satisfeitas.

 

 

 

 

 

 

Vigília

 

meus olhos em estado de alerta
uma aflição congênita no peito
sofro em conta gotas
a minha cara, minha cara
de guerreira vencida
em labirínticas noites

há formatação no silêncio

coração arritimico: 120/140
- toma meu pulso
- confere a ansiedade
confirma!

há uma plasticidade viva na insônia

me recuso a dormir
preciso vigiar-me
ouvir-me
acomodar meus fantasmas
lançar pedidos de socorro
em vãos

logo vai amanhecer
comme d'habitué
o pássaro vai cantar

penso nas Marias e Rosas
que também sofrem
solitárias

o arco do dia se abre em cinzas

o dia também tem seus estatutos.

 

 

 

 

 

 

Achados e perdidos

 

na casa que me habita
rugem assoalhos
as paredes gotejam solidão
a fome tem caras e bocas amarelas
peitos esgotados enfeitam a sala
meninas menstruam azuis

a casa que me habita
não tem capacho de boas vindas
a porta nunca é aberta
aranhas constroem suas teias
redes que dão colo às crianças
sobreviventes de mim

há um relógio secular na casa
a gritar as horas
e devolve-las secas
como a foto de Kevin Karter

o vazio da casa preenche todos os espaços
a toalha guarda as lágrimas chorada por todos
rotos vestidos rosas
questionam a inútil existência

 

 

 

 

 

 

Curtos circuitos

 

como eram sagrados aqueles tempos
em que o dia não gastava nunca
e o sol nos olhos dava claras ideias
uma casa redonda pra brincar de ciranda

como eram sagrados todos aqueles dias
da perua combi que voava
ou do opala amarelo encantado
tudo filmado no relógio parado
entorpecimento de neons nos olhos
a música, um imã colado no peito
e a gente quase morria como cigarra

mas também chovemos por dentro e nos molhamos
e a metamemória não ensina calçar sapatos
é um caminhar em silêncio com meias trocadas
e recolher os olhos
já que o sono não vem
lamber os tarjas pretas como beijos demorados

o tempo não responde
só pergunta
e o sagrado se profana
o longo dia engana
com sua voz rouca /trovões no peito
oferece delírios
fios desencapados nos chapéus
curtos circuitos
e dedo na tomada.

 

 

 

 

 

 

Segunda

 

o não-lugar do domingo
a realidade estapeia a cara
não me ajeito com essa máscara de oxigênio
não me ajeito com esses corredores assépticos
as brancas paredes
a segunda feira tinge meus olhos da ressaca do domingo
sofro de excesso de lucidez na segunda
as manchetes entopem meu nariz
quero voltar ao domingo
ao sábado
quero voltar no tempo das cegonhas e seus bicos
aos bicos do peito materno
ao cordão umbilical
ao ventre
quero ser concebida
no domingo
esse dia inútil
o começo do fim em mim

 

 

 

 

 

 

Meu canto não tem canto

 

de que servem asas
se o voo está interdito?
liberdade eu canto
mesmo que não seja livre

tente voar na cela solitária
tente fixar a flor no teto

há perímetros que não comportam
delicadezas

meu canto é áspero, grave e bruto
moe o osso
abre as grades
dá voz ao monstro

há tempos sombrios
de cantos internos
- coloque o ouvido em meu peito
e ouça o canto da desistência.

 

 

 

 

 

 

Grafite

 

escreverei nos muros a palavra dor
a minha dor
calçarei luvas
para não ferir mais as mãos

ferirei o muro
que ferirá a rua
o bairro
e a cidade toda irá sangrar
em cortes abertos

a minha dor vai machucar o mundo

eu não doerei sozinha.

-eu sempre soube:
-a dor é coletiva.

 

 

 

 

 

 

Re(verso)

 

sobre o poema dormem virgens
véus de noivas
rios de leite
peitos
partos agendados
buquê de flores
sobre o poema não há revoluções
sobre o poema reaças vociferam
sobre o poema livros de Olavo de Carvalho
e dândis desfilam
sobre o poema propagandas de margarinas
bebês rosados
sobre o poema arroz integral
dentes de porcelana
aveia
salmão

sob o poema
cintos de castidade
burcas e hábitos
sob o poema dorme a gestante na marquise
e alguém declama um poema de Sérgio Vaz
sob o poema a gambiarra na energia elétrica
bigodes de gatos
fetos
sangue
corpos
carbono
fotos
epitáfios
ossos
pele
varejeiras
vermes
grafites hip hop
bichos noturnos
sob o poema a lavagem
de porcos de fraque e cartola

sob o poema discurso enterrado e protesto
em branco.

 

 

 

 

 

 

Eu vejo o movimento
Do movimento
E todos se movem para o nada
A mão estática segura o verso
Rasga a palavra pensada
Roda viva que prensa
Pensares de dentro
Pesares de fora
Trituro o momento
(tudo tem um centro)
E a gente converge para fora
Todos correm de todos
De tudo
E essa geografia desumana
Me comove

 

 

Angela Maria Zanirato Salomão
Professora de História, Pós-Graduada pela UNESP de Assis e pela UEM, Maringá.
Participou do Mapa Cultural Paulista versão 2015/ 2016, onde foi classificada para a fase final na modalidade conto. Participa da Associação de Escritores e Poetas de Paraguaçu Paulista- APEP. Tem poemas publicados em três Antologias: “Um olhar Sobre” coletânea da APEP em 2014, “Filhas de Maria e Valentim”, 2015 e “Um Olhar Sobre”, coletânea da APEP 2017. Possui poemas publicados nos sites Blocos Online, Parol, Movimiento Poetas del Mundo, Antologia do Mapa Cultural Paulista edição 2015/2016, versão ebook, Revista de Ouro, Revista Ver-O-Poema,  InComunidade e Revista Mallamargens.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Novembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Novembro de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Anaximandro Amorim, André Giusti, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Torres, Autor Vários autores ; Carvalho Júnior, org., Beatriz Aquino, Carlos Barroso, Carlos Eduardo Matos, Djami Sezostre ; Antônio Cunha, Edmira Cariango Manuel, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Fernando Ferro Brandão, Francisco Marcelino, Ganhanguane Masseve, Geraldo Lima, Henrique Dória, Hermínio Prates, Job Sipitali, Leila Míccolis, Marcus Groza, Marinho Lopes, Mário Baggio, Myrian Naves, Myrian Naves, pelo Conselho Editorial, Nilma Lacerda, Paula Winkler ; Rolando Revagliatti, entrevista, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Sônia Peçanha, Suely Bispo, Waldo Contreras López, Wil Prado


Foto de capa:

WALTER MOLINO, 'Cartoon publicado no jornal Domenica del Corriere', 16 de Dezembro de 1962.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR