ANO 9 Edição 97 - Outubro 2020 INÍCIO contactos

Adelto Gonçalves


Amir Or: tradição e modernidade na poesia de Israel    

 

 

I

         Uma poesia que traz à tona ideias cabalistas tradicionais que desestabilizam lógicas tradicionais e contemporâneas e, portanto, constitui uma poesia do movimento que retorna e se renova na perspectiva do laço sem fim nem começo. É assim que o tradutor Moacir Amâncio define, no prefácio, o labor poético do poeta israelense Amir Or que chega pela primeira vez ao Brasil com o livro A paisagem correta (Belo Horizonte, Relicário, 2020), traduzido diretamente do hebraico.

         É uma poesia que alinha várias tendências, o que a torna difícil de ser explicitada, mas que sobretudo é marcada pela sensação de incompletude, de coisas que não se completam e não chegam ao final. Tradutor do grego clássico e conhecedor de religiões, inclusive aquelas de cunho budista, Or coloca-se numa posição superior diante do mundo, à imitação do Deus criador do Gênesis, mas não pense o leitor que estará diante de um poeta indecifrável porque em sua poesia pode-se encontrar temas tratados sob uma ótica muito pessoal que, de certo modo, como observa o tradutor, ecoa a literatura da beat generation, em meio a elementos orientais, cristãos e judaicos.

         Aliás, Or é autor de uma obra intitulada On the Road (2018), espécie de homenagem ao livro de 1957 com o mesmo título traduzido como Pé na Estrada, no Brasil, e Pela Estrada Fora, em Portugal, do norte-americano Jack Kerouac (1922-1969), um dos líderes do movimento literário da geração beat, que no Brasil teve como principal representante o poeta Cláudio Willer (1940).

II

         A filiação à literatura beat fez de Or um divisor de águas na poesia praticada em Israel porque, até pouco antes do aparecimento de sua geração, os poetas e os escritores israelenses de um modo geral estavam ainda vinculados ao sionismo tradicional que procurava fazer com que a construção da nação fosse pautada por ideais coletivistas, com oportunidades para todos aqueles que deixavam seus países de origem, imigrando para a parte que idealmente lhes caberia naquela faixa do Oriente Médio.

         Segundo o seu tradutor, “Or já se formou num ambiente menos submetido ao peso da sociedade ideológica”. O que não significa, porém, que tenha deixado de lado o tom majestoso e mesmo religioso que caracteriza a poesia épica porque a tradição ainda marca lugar em sua produção. Só que, em vez contar façanhas de um herói que pudesse simbolizar as grandezas de sua pátria, o que o poeta faz é realçar as vivências de anti-heróis, a partir da contemplação do novo mundo que nasce naquela faixa que, de certa maneira, marca o surgimento do mundo judeu e, depois, do cristão, na raiz também da cultura muçulmana.

III

         Um exemplo dessa perspectiva pessoal que Or passa ao leitor é o poema “Não longe” que pode ser classificado mais como prosa poética: “Não longe da agitação da rua, da hábil colmeia e do barulho do pensamento, além das torres do enxame, além da margem pavimentada, o jorro dos rios de asfalto, / estirada aos olhos do dia e se bronzeando, a nudez animal da cidade das gentes; / escancarada como uma fossa, miqvê de lágrimas e pecados, Tel Aviv de fora / mas dentro, delicia-se consigo mesma no jogo de fluxo e refluxo no baldio da areia e do mar, no rito de mergulho e adoração ao sol, / um burburinho sem sentido faz com que esqueçamos toda vítima / humana, todo esforço, todo heroísmo e toda oração respondida em ato (...). Como observa o tradutor, miqvê é aqui uma referência ao mar de Tel Aviv, comparado com um reservatório de água, em que é feito o banho ritual judaico de purificação.

         Pela amostra acima, o leitor já pode ter uma ideia do que vai encontrar neste livro: alguns poemas de Or constituem epigramas, que às vezes são reflexões ou digressões, embora, em outras ocasiões, sejam textos breves. Seja como for, o importante é que, como diz o escritor e professor universitário João Anzanello Carrascoza, que assina o texto de apresentação do livro, a beleza da poesia de Or “está acima das explicações”. E que pode ser resumida na frase inicial do poema “Lembrança. O fora é rasgado de dentro dele” em que ele diz: “(...) o poema é memória, como sol/ que fica no olho  após a olhadela no sol; assim / é o poema, verso após verso (...).

IV

         O poeta Amir Or (1956), nascido em Tel Aviv, estudou religião comparada na Universidade Hebraica de Jerusalém, onde, mais tarde, foi professor de grego e religião. É também romancista, tradutor de poesia erótica grega, ensaísta e editor, além de ativista cultural, tendo organizado vários festivais. Criou a publicação Helicon, da qual surgiu a Escola de Poesia Árabe-Hebraica.

         Coordenou o programa Poetas pela Paz, patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que reuniu escritores árabes e israelenses. Recebeu os mais importantes prêmios literários de seu país e tem sido convidado a fazer conferências sobre escrita criativa em universidades de Israel, Europa, Estados Unidos e Japão. Viveu alguns anos no Japão e atualmente reside em Tel Aviv.

         É autor de treze livros de poesia em hebraico, dois romances e onze livros de traduções para o idioma hebreu. Um de seus livros mais conhecidos é A Canção de Tahira (2001), ficção épica em prosa métrica. Também atua como ensaísta e tem sido reconhecido como uma das principais vozes da nova geração. Suas obras foram publicadas em mais de 50 idiomas. É autor de The Madman's Prophecy (2012), Loot (poemas), Child (2018) e Discourse, ensaios (2018), entre outrosEm 2015, publicou o romance The Kingdom sobre a vida do rei Davi e a sociedade contemporânea.

         Já o tradutor Moacir Amâncio (1949), nascido em Espírito Santo do Pinhal-SP, poeta e professor de Literatura Hebraica na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), estreou na literatura com a novela O Saco Plástico (1974), que foi seguida pela prosa fragmentária de Estação dos Confundidos (1977). Jornalista, passou a maior parte de sua vida profissional nas redações dos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, Gazeta Mercantil e O Globo e das revistas Visão e Shalom. Foi correspondente do Estadão em Israel.

         Publicou os livros de contos O Riso do Dragão (1981) e Súcia de Mafagafos (1982). Mas, a partir de 1993, rendeu-se de vez à poesia com o livro Do objeto útil, que lhe valeu o Prêmio Jabuti. Em Figuras na Sala (1996), fez uma homenagem à melhor tradição modernista brasileira, assumindo-se como herdeiro do impulso poético de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e João Cabral de Melo Neto (1920-1999).

         Em 1997, publicou um livro de reportagens e artigos, Os Bons Samaritanos e Outros Filhos de Israel. Logo voltou à poesia com O Olho do Canário (1998). Em 1999, deu à luz Colores Siguientes em que reuniu poemas escritos em castelhano. É o livro que marca o início de uma série de peregrinações poliglotas, que vão atingir o seu auge com Abrolhos (2007) em que várias composições estão escritas em hebraico. Publicou ainda o livro de poemas Kelipat Batsal (Book Link, 2005), que também foi impresso em ousada edição da antiga e histórica revista de literatura e arte Et Cetera, nº 5, de Curitiba.

         Em Ata (Record, 2007), reuniu seis livros de poemas publicados até então e outros inéditos. Publicou também Yona e o Andrógino — Notas Sobre Poesia e Cabala (Nankin/Edusp, 2010), que aborda a obra da poeta israelense Yona Wollach (1944-1985), além de uma antologia de poemas do israelense Ronny Someck (1951), intitulada Carta a Fernando Pessoa (Annablume, 2015).

         Depois, em Contar a Romã prestou homenagem ao idioma de Cervantes (1547-1616). Em 2001, publicou sua tese de doutoramento, Dois Palhaços e uma Alcachofra — Uma Leitura do Romance ‘A Ressurreição de Adam Stein’ de Yoram Kaniuk (Nankin), na qual discute as diferentes formas de se ver o Holocausto em estudo sobre a obra do escritor israelense Yoram Kaniuk (1930-2013). Sua tradução anterior é o volume de poemas Terra e Paz, do poeta israelense Yehuda Amichai (1924-2010), publicada pela Bazar do Tempo em 2018.

         Também traduziu Badenheim 1939 (2012), livro de Aharon Appelfeld (1932-2018), e participou da tradução dos poemas da poeta israelense Tal Nitzán (1960), incluídos no livro O Ponto da Ternura (2013). É autor ainda de O Talmud, tradução de trechos e estudos (1995), e organizador de Ato de Presença: Hineni (2005), coletânea de ensaios em homenagem à professora Rifka Berezin, da FFLCH/USP. Em 2016, publicou Matula (Annablume), seu sétimo livro de poesia.

         Uma série de poemas hebraicos medievais e contemporâneos, traduzidos por Moacir Amâncio, saíram neste ano na monumental antologia Pelo Tejo vai-se para o mundo, sob coordenação geral da professora Helena Buescu, da Universidade de Lisboa, publicada pela editora Tinta da China, em Portugal. 
______________________________

A paisagem correta, de Amir Or, com tradução, prefácio e organização de Moacir Amâncio. Belo Horizonte, Relicário, 76 páginas, R$ 38,00, 2020.

 

 

 

 

Adelto Gonçalves é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/Academia Brasileira de Letras, 2012),  Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015), Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1981; Taubaté-SP, Letra Selvagem, 2015) e O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2019), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Outubo de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Outubo de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Adriano B. Espíndola Santos, Adrian’dos Delima, Álvaro Alves de Faria, Álvaro José Silva, Ana Mafalda Leite, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Roberto Gerin, Antônio Torres, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos M. Luis, Carlos Eduardo Matos, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte, org., Dalila d’Alte, Danyel Guerra, Dario Silva, Dennis Ávila Vargas, Deusa d’África, Elisa Scarpa, Fernando Andrade, Francisco Aurelio Ribeiro, Hang Ferrero, Hermínio Prates, João Almino, Lahissane, Lalau Simões, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Lino Mukurruza, Marco Antonio, Maria de Lurdes da Fonseca Marques, Marinho Lopes, Moisés Cárdneas, NILMA LACERDA, Osvaldo Spoltore; Rolando Revagliatti, entrevista, Otildo Justino Guido, Ricardo Ramos Filho, Robson Deon, Sebastián Rivero, Textos, Tiago Rabelo, Tony Marcelo Gomes de Oliveira, Vítor Burity da Silva, Waldo Contreras López, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

EDVARD MUNCH, 'Perto do leito da morte (febre)', 1915.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR