ANO 9 Edição 97 - Outubro 2020 INÍCIO contactos

Álvaro Alves de Faria


A palavra presente de Vasco Graça Moura    

No prefácio que escreveu para sua “Antologia dos sessenta anos” (2002), o poeta Vasco Graça Moura observou que o poema pode ser a expressão do terrível lugar onde solidão e paixão, alegria e desalento, amor e morte, cheio e vazio se entrechocam através da experiência fulgurante da palavra.

         -Essa luz verbal ilumina violentamente a opacidade da existência, abala os fundamentos do ser, devassa os liminares da razão e da loucura, rasga horizontes de ansiedade como se fosse ainda e sempre susceptível de reconciliar o ser humano e uma tão pressentida quanto inatingida harmonia e plenitude do mundo. Esse o seu risco temerário e incessante, no confronto do espanto inaugural do Verbo com a amargura, o silêncio e o emudecimento para que tendem os seres e as coisas. 

         Para ele, as palavras estão presas no real. Dizia: “Não há praticamente nenhuma poesia, nenhuma literatura, que sobreviva se não houver uma especial coerência entre elas e a realidade. Talvez o mesmo se possa dizer em relação a todas as outras artes, sendo certo que, na música, estas coisas põem em termos qualitativamente diferentes. Estas coisas para mim põem-me em termos de uma extrema simplicidade, sem altos voos filosóficos, nem plano prático e corrente dos significados. É claro que a espessura do real é múltipla: tanto inclui o onírico como o pensamento abstrato. Eppure... é sempre o real”.

         -O escritor é um ser humano que utiliza as palavras com um certo nível de exigência qualitativa. Capturar o real, mesmo que seja para fazê-lo “inflectir”, é um dos seus objetivos. É provável que o cinema e a fotografia tenham contribuído para acentuar essa necessidade. Não penso que se trate de um vício, mas de uma condição inelutável. A literatura é uma forma de criação artística pela palavra, mesmo quando tenta convocar outras áreas. Veja-se, por exemplo, a ekphrasis. Sua relação com o real decorre desta condição verbal.

         Em entrevista à Poesia & Ltda, blogue em Portugal de João Luis Barreto Guimarães, perguntou-se a Vasco Graça Moura se era certo inferir que tudo ou quase tudo pode ser matéria de um poema. Vasco respondeu que “o ideal seria que o poeta tivesse uma tal oficina que pudesse escrever um poema sobre o que quer que lhe apetecesse. Na prática, est modus in rebus...” Esclareceu que na sua atividade, é frequente achar  que uma ideia pode converter-se em poema, ensaio, ficção ou crônica. Aí, entra em funcionamento uma espécie de “sentido estratégico” relativamente ao texto: O que é que eu quero dizer? Como é que posso dizê-lo melhor ou mais eficazmente?
        
         Explicou:

         -Também acontece que certas virtualidades só surjam in actu, no próprio momento da escrita, e aí  podem obrigar a uma inflexão de um gênero para o outro. De qualquer maneira, eu não me programo para escrever isto ou aquilo. Funciono mais ao sabor do que me apetece fazer e o texto que resulta é um desenvolvimento desse apetite. Se, a partir de dois ou três decassílabos, pode acontecer que não se saiba ainda se aquilo vai dar um soneto ou não, a verdade é que o virtuosismo pode suscitar uma opção específica: Por exemplo, se eu resolver escrever uma sextina, ou um labirinto à boa maneira maneirista, ou um soneto em espelho, que possa ser lido indiferentemente do princípio para o fim ou do fim para o princípio, ou umas “voltas a mote”, ou uma canção de estrutura canônica, normalmente tenho de começar pela escolha da forma e ir acertando o tratamento da matéria com as exigências do espartilho escolhido. Mas, enfim, em nada disso há regras absolutas.
            
                                               ***

                                         ENTREVISTA

Esta entrevista com o poeta Vasco Graça Moura foi-me concedida exatamente no dia 22 de maio de 2005, durante as comemorações dos 800 anos de Idanha-A-Nova, oportunidade em que foi realizada uma leitura de poemas no Teatro Raiano, do qual participei juntamente com Vasco Graça Moura, Nuno Júdice, Ana Luísa Amaral e Fernando Aguiar. Quinze anos depois, as palavras do poeta estão atuais para a poesia que hoje se produz em Portugal e estendo isso para o Brasil. A reprodução dessa entrevista não sofreu qualquer alteração. É publicada como está no meu livro de entrevistas literárias “Pastores de Virgílio” (SP-2009).  Os poemas apresentados no recital em Idanha-A-Nova foram depois reunidos no livro “As pedras dos templários” (Quasi), organizado pela ensaísta Graça Capinha, da Universidade de Coimbra.

                                                           ***

 

         AAF-Sempre que chego a Portugal vem-me à cabeça a idéia de que estou chegando mais perto da Poesia. Claro que há nisso, creio, uma imagem, digamos, romântica das coisas. Para mim, particularmente, Portugal é uma terra de poetas e também uma terra de poesia. Vejo aqui como os poetas são respeitados. É um alento.

         VGM-Penso que há qualquer coisa de cliché em dizer-se que Portugal é um país de poetas. Considerando as figuras verdadeiramente grandes, uma língua que tem prosadores como Fernão Lopes, Bernardim Ribeiro, João de Barros, Francisco Manuel de Melo, Bernardes, Vieira, Matias Aires, Garrett, Herculano, Camilo, Eça e Aquilino, talvez não tenha assim tantos poetas mais de gabarito correspondente: D. Dinis, Sá de Miranda, Ferreira, Camões, Garrett, Cesário Verde, Antero, Nobre, Pessanha, Pessoa, Nemésio, Jorge de Sena... Só fiz as contas depois de ter escrito estes nomes que me iam ocorrendo e a proporção é semelhante. É certo que podemos acrescentar Tolentino e Bocage, mas serão eles verdadeiramente grandes? E a poesia em língua portuguesa, sem alguns brasileiros como Bandeira, Drummond (tão grande quanto Pessoa) ou João Cabral, não ficará privada de uma dimensão essencial? Resumindo: Portugal, como país de poetas, é, em minha opinião, um conceito muito discutível se considerarmos os níveis de qualidade, pelo menos até à primeira metade do século XX.

 

         P-Fala-se muito em poesia, bem ou mal, mas fala-se. Afinal, qual é o papel da poesia e do poeta neste mundo conturbado em que estamos todos metidos?

         VGM-Não acredito muito na vocação da poesia para transformar o mundo. Acredito na poesia como exercício pessoal e transmissível, como qualquer outra forma de arte, que exprime e problematiza a condição humana por meios que relevam da estética (e não propriamente da filosofia, da ciência ou de outra qualquer disciplina semelhante) e que implica uma oficina específica por parte do autor (tal como as restantes artes). Acredito também que cada um segue o caminho que entender, mesmo que completamente diverso deste. O juízo relativo à qualidade, que só a filtragem do tempo e das práticas sociais sedimentadas acaba por fixar, é um momento posterior ao da produção.

         P-Você é poeta, romancista, tradutor, ensaísta, enfim, você percorre praticamente todos os gêneros possíveis na literatura. O que melhor lhe cabe, o que mais explica sua arte de escrever e lidar com as palavras ?

         VGM-Aí, e sem qualquer espécie de ironia, direi que é aquilo que estou a fazer em determinado momento. Se tudo quanto fiz até aí possivelmente está também presente, de uma maneira ou de outra, aquilo em que eu estiver concentrado é o que, nessa fase concreta, me explica melhor e se me adequa mais...

         P-Você tem um poema que se tornou bastante conhecido também no Brasil.  Refiro-me ao poema "Lamento para a língua portuguesa", no qual, no primeiro verso, você afirma: "Não é mais do que as outras, mas és nossa, e crescemos em ti". Partindo desse primeiro verso de seu poema, peço ao poeta Vasco Graça Moura que discorra sobre a Língua Portuguesa que para muitos poetas significa a Pátria.
 
         VGM-A língua tem uma grande associação àquilo que designamos por identidade colectiva. Essa associação não pode resultar numa entidade ou instrumento estanque, mas, entidade ou instrumento, aí se reflecte, como diria o George Steiner, uma visão do mundo, uma Weltanschauung, sem a qual cada um de nós não pode pensar o mundo que o rodeia nem reagir quanto a ele. Do léxico à gramática e à fonética, há assim aspectos essenciais a preservar numa língua, sedimentados por uma prática multisecular e testemunhados principalmente pelos grandes autores que escreveram nela. De resto, não pode haver nestas coisas qualquer espécie de "chauvinisme": a identidade brasileira também se forjou na língua portuguesa e tem especifidades que nela se foram refletindo e ainda bem! Uma das razões por que sou a favor da novela brasileira na televisão portuguesa é a de ela nos pôr diariamente em contacto com valores fonéticos que nós estamos a perder. O português de Portugal está num proceso de ensurdecimento das vogais e de autofagia das sílabas. O do Brasil não conhece essas perversões, embora possivelmente conheça outras... O meu poema reagia explicitamente contra o abastardamento a que, pelo menos em Portugal, vemos a língua ser submetida a cada dia que passa. Uma vez, em Moçambique, há mais de vinte anos, durante uma visita presidencial de cuja comitiva eu fazia parte, e já depois da independência, vi um alto responsável mandar para trás um folheto que ia ser distribuído numa das cerimônias, porque tinha "erros de português". Achei isto extraordinário, por revelar um cuidado com a língua (que ainda por cima, em Moçambique, é uma língua veicular) que é pouco habitual entre nós... Dizer que a língua é a pátria, para mim, como escritor, é uma afirmação desprovida de sentido político estrito. Seria antes a mátria, aquilo que nos "dá à luz" e nos permite a expressão. Mas não hierarquizo essa expressão, nem a língua em que se processa em termos do gênero "a minha língua é superior à tua". O que, no tocante aos sentimentos de pátria e mesmo às próprias pátrias, também seria um absurdo...

         P-O que são esses valores fonéticos que nós estamos a perder, como você diz?
Você acredita mesmo que o Português do Brasil não conhece as perversões a que você se refere ?

         VGM-Em Portugal, as consoantes estão a ensurdecer e, além disso, comemos parte das sílabas de cada palavra... A Sophia de Mello Breyner Andresen disse-me um dia que as pessoas bem educadas não comem as sílabas. É verdade em princípio. Mas o pior é que toda a gente o faz... Repare, num verso como este, de Camões: "Que me quereis perpétuas saüdades". Lido à maneira de cá, sai qualquer coisa como: "Que me qu'reis perpétuas saudades", isto é, o décassílabo torna-se um octossílabo. Lido à maneira brasileira, todas as sílabas são devidamente pronunciadas. Todos os estrangeiros que conheço e se interessam pela nossa língua me dizem a mesma coisa: que conseguem perceber o português do Brasil muito melhor do que o de Portugal. A explicação é essa, a meu ver: vogais abertas, sílabas completamente pronunciadas, o que dá uma clareza muito maior ao que se diz. Acredito que no Brasil haja outras perversões na maneira de falar. Mas estas, pelo menos, creio que não...

         P-Ainda dentro desse assunto e quanto às novelas brasileiras, você não vê nisso uma espécie de invasão, levando a Portugal maneirismos que na verdade não refletem, de fato, a vida brasileira? A vida brasileira não é exatamente aquilo que está nas novelas.

         VGM-Sim, há uma invasão, até uma verdadeira saturação, e acredito que, nem de perto nem de longe, as novelas espelhem a vida brasileira. Mas põem-nos em contacto com uma maneira diferente e importante de pronunciar a nossa língua e com aspectos lexicais muito variados. É só esse aspecto que me interessa salientar. Em Portugal, de resto, a voga das novelas brasileiras, que remonta aí a 1977, teve outros efeitos: levou vários ficcionistas a procurarem contar histórias com princípio, meio e fim, coisa de que estava insuportavelmente "esquecida" devido às influências francesas mais em moda (école du regard, estruturalismo, etc.) e estimulou a produção portuguesa de novelas (creio que bastante más, de resto, mas isso representou um esforço importante para a indústria televisiva), o que, por sua vez, provavelmente revelou novos atores com certa qualidade.
        
         P-Vasco Graça Moura: o que de fato se sabe da poesia brasileira em Portugal ? Quais são os poetas brasileiros mais comentados em Portugal ? A poesia brasileira é respeitada em Portugal?

         VGM-Sabe-se pouquíssimo, mesmo a respeito de poetas que devia ser "pecado" desconhecer. Nos meios literários, é claro que se conhecem autores como Bandeira, Drummond, Cecília, João Cabral, Ferreira Gullar. Mas pouco mais. Isto, apesar de, em princípios dos anos 60, o meu amigo Alberto da Costa e Silva ter publicado uma importantíssima antologia, de distribuição gratuita, divulgando a nova poesia brasileira. Também reconheço que quase todos os grandes poetas brasileiros que eu admiro já morreram. Mas, dos mais recentes, quase não conheço ninguém. Mea culpa...

         P- Há pouco falávamos sobre poesia brasileira e eu particularizei Carlos Drummond de Andrade. Você me disse que em relação a Drummond até já escreveu sobre ele. Li esse texto e gostaria de utilizá-lo em parte, até para dar a ideia do que pensa particularmente sobre Drummond. O que acha ?

         VGM-Sim, pode usar. No meu texto sobre Drummond eu destaco este trecho, que me parece apropriado:.

         “Penso que Drummond aproximou da poesia o "lado prático" da língua. Começa logo onde Manuel Bandeira tinha chegado depois de um percurso longamente pós-romântico e simbolista. A sua musa de alguma maneira também toma banho no sabonete Orixá (note-se que, aqui em Bruxelas, não posso verificar a data do poema de Bandeira...). Drummond não fez isso em termos de sacudidela modernista, de desarticulação violenta de retóricas e de prosódias, mas sim discretamente, quase timidamente, através do dia a dia e do que, nesse dia a dia, reverberava no vaivém entre a linguagem e a existência. Tratava-se de surpreender essa reverberação aparentando uma certa ingenuidade, em que a ironia e a subtileza não podiam deixar de ter um papel, em que havendo tanta coisa importante e decisiva a passar-se no mundo, ainda valia a pena ousar o solilóquio e alguém afirmar-se na sua individualidade e comunicar a partir dele. E para este servia o que estivesse à mão, desde que a mão fosse destra e insistente e espontânea, conhecesse o tecido da escrita em que se inseria, da técnica da redondilha e do soneto à substância da visão cosmogónica e agónica da máquina do mundo, desde que interiorizasse os processos disponíveis, desde os mecanismos do cinema e do universo das imagens visuais ao mundo dos pequenos anúncios e dos pequenos dramas da vida quotidiana. Drummond não tem muito a ver com a cerebralidade exacerbada que encontramos em Campos, em Reis, em Caeiro, no Pessoa ele mesmo a quem, de resto, prestou desportivamente homenagem, nem com a angústia visceralmente simbolista de um Rilke ou de um Nemésio. O seu exercício da razão é menos sistemático, o seu domínio da língua é pelo menos igual, se não for superior, ao de Pessoa, embora não seja tão modulado como o de Nemésio; o seu sentido da vida é mais existencial do que ontológico; a sua atenção ao potencial que pode ser explorado a partir do quase anedóctico, do pequeno absurdo e da pequena história anódina, autobiográfica ou não, é exemplar; a sua descontracção poética, prosódica, lexical - tudo isto é permanentemente inovador, na escrita e na sensibilidade poética, talvez pela razão singela de que Drummond, afinal, não pretendeu mais, ao longo da vida, do que indagar das razões por que havia uma pedra de lhe surgir no meio do caminho...”

 

         P-Como é a crítica literária em Portugal ? Os suplementos literários ? Há democracia nesse setor do jornalismo cultural ?

         VGM-Há uma crítica universitária competente e, em alguns jornais (Público, Expresso, Diário de Notícias, Jornal de Letras...), também temos boas páginas de crítica. Por vezes são polêmicas, mas isso é saudável. Quanto à democracia, depende do que entendermos: as páginas a que me refiro têm uma certa exigência qualitativa, de maneira que a escolha dos críticos, para quem não seja contemplado, talvez seja considerada menos democrática... Em todo o caso, eu acho que é melhor assim.

         P-Saindo um pouco da literatura, da poesia, vamos à vida prática dos mortais... Você é um deputado europeu pelo PSD. Como é sua atividade parlamentar e o que representa o PSD em Portugal ?  Como é essa sua atividade dentro da política ?

         VGM-Sou deputado europeu há sete anos, estando a meio do segundo mandato, que se prolongará até meados de 2009. Por isso todas as semanas estou fora de Portugal de segunda a quinta-feira. Pertenço à Comissão da Cultura, Educação, Juventude, Comunicação Social e Desporto, como membro efetivo, e à Comissão do Ambiente e Saúde Pública, como suplente. A minha atividade consiste fundamentalmente no trabalho parlamentar, mais, regra geral, na escrita de artigos de opinião que publico todas as quartas-feiras no Diário de Notícias, desde 1993, sem nunca ter falhado uma semana... O PSD (Partido Social-Democrata) é um partido reformista, que investe na transformação gradual da sociedade em termos de justiça social e de solidariedade, sem nunca esquecer a consideração dos direitos da pessoa humana. É por isso um partido personalista e como tal se tem mantido, desde a sua fundação, em maio de 1974.

         P-Você observou  não conhecer o que de novo se produz no Brasil no que diz respeito à poesia. Mas também no Brasil quase nada se conhece do que de novo se produz de poesia em Portugal. O que existe de novo em Portugal em relação à poesia ?

         FGM-Sou naturalmente suspeito… Mas penso que em Portugal há algumas vozes muito interessantes das novas gerações. Hoje, creio que não há, ou quase não há, entre nós, vanguardas concretistas, afins ou semelhantes, pois os nomes mais importantes nessas áreas, como Ana Hatherly, Alberto Pimenta e Melo e Castro, pertencem a uma geração anterior. Diria antes que o investimento da nova poesia que eu considero mais interessante procura novas modalidades de uma relação da palavra poética com o real, quer por uma espécie de perseguição metafísica em que as relações postas a nu entre o verbo e a ontologia são fascinantes, como em José Tolentino de Mendonça, quer por uma escrita que se quer inteiramente despojada de efeitos “poéticos” tradicionais, como em Manuel de Freitas. São vozes que vêm a afirmar-se com grande segurança.

         P-Vasco Graça Moura: já vi em Portugal alguns poemas construídos como uma espécie de jogo de palavras, algo mais gráfico do que propriamente um poema, digamos, convencional.  O que você me diz sobre isso ?

         FGM-Eu respeito todas as formas de expressão, mesmo quando não adira a algumas delas. Não tenho acompanhado os desenvolvimentos mais recentes do tipo a que alude a sua pergunta. Na verdade, acho que não sei responder…

         P-No Brasil, de alguns anos para cá, decretou-se que um poema não pode ter qualquer emoção, a começar por João Cabral de Melo Neto. O poema há de ser frio. É proibido sentir.  Existe isso em Portugal ?

         VGM-Conheci pessoalmente João Cabral que é um dos poetas de língua portuguesa que mais admiro. Creio que ele, como eu, de resto, atribuía grande importância à técnica. O poema não é feito com inspiração, mas com transpiração, com oficina. Isto não o impede de exprimir uma gama emotiva, ou de se abrir a que a vejam nele, e muito menos de ter uma “estratégia” para chegar a isso. Mas ela foi pensada, mais do que vivida no ato de “saltar” para dentro do poema… Não creio que seja proibido sentir. O que é recomendável é que não se faça poesia a partir do simples sentimento, sem mais… Não é propriamente por exprimir sentimentos que o poema é bom. O poema é bom se permite que, ao lê-lo, encontremos nele o efeito correspondente à expressão dos sentimentos e a uma qualquer identificação nossa com eles. Os bons poetas portugueses, mesmo que não partilhem desta concepção, atingiram um bom nível de conseguimento técnico, ou não seriam bons poetas… Claro que tudo isto é muito esquemático e dificilmente haverá situações “puras”.

         P-O que exatamente você escreve no Diário de Notícias de Lisboa todas as semanas há tanto tempo ?

         FGM-Tenho uma grande liberdade de escolha de temas. mas, regra geral, faço comentários de incidência política, nacional ou internacional.

         P-Gostaria que você falasse sobre seu trabalho de tradutor. No Brasil, a maior parte da tradução de poesia é bastante falha. Há bons tradutores, é justo dizer, mas alguns fazem outro poema que nada tem a ver com o poema original. Maiakovski, por exemplo, já foi transformado em poeta concreto. No Brasil, em quase tudo, tem a história oficial e a história verdadeira. Isso também vale para a Literatura.

         VGM-Só me dedico à tradução de poesia. Traduzi as Cartas a um jovem poeta, de Rilke, mas essa foi uma exceção. Concebo a tradução como uma espécie de fotografia a preto e branco de um texto poético noutra língua. O resultado, na língua de chegada, deve ser o mais “reconhecível” que for possível, embora não possa nunca ser igual ao original. Por isso, tento manter todas as características formais do texto a traduzir (ritmo, metro, rima, estrutura estrófica, etc., etc.).

         P-O que representou o Prêmio Nobel de Literatura a José Saramago para a Língua Portuguesa e para a literatura de Portugal ?

         VGM-Foi certamente muito importante, quer como consagração do próprio Saramago, quer como chamada de atenção para a nossa língua e a nossa literatura.

         P-Eu costumo dizer, por exemplo, que Jorge Amado poderia ter sido agraciado com Nobel. Bastava escrever em espanhol, por exemplo. Isso serve também para o Carlos Drummond de Andrade...

         FGM-Os tempos deles eram outros. Um ficcionista tem mais facilidade em se impor do que um poeta. Penso, no entanto, que Drummond teria sido uma designação óbvia para a Academia Nobel. Não se percebe porque não recebeu o prêmio. Mas há outros casos. Veja, por exemplo, o de Jorge de Sena, o de João Cabral, ou o do argentino Jorge Luis Borges…

         P-Os poetas brasileiros da Geração 60, especialmente de São Paulo, tinham alguns nomes sagrados na poesia. Um deles, talvez o maior, era Fernando Pessoa, ao lado de Rilke. Como é que os poetas mais jovens portugueses veem a poesia de Pessoa hoje ?

         FGM-Eu não tenho nenhum interesse especial por Pessoa. Considero-o um grande poeta que não me diz quase nada, embora me tenha influenciado, como a toda a gente… No meu caso, foi sobretudo Álvaro de Campos. Quanto aos jovens poetas, confesso que não faço a mínima ideia…

         P-E um Eugênio de Andrade, por exemplo, para citar apenas um nome ?

         VGM-Eugênio teve dois aspectos fundamentais, que ainda hoje são valorizados: o da expressão sensorial e sensual trazida à poesia com uma grande franqueza através de uma gama de metáforas de grande qualidade e o do trabalho incessante sobre os poemas, que foi revendo, emendando e retocando ao longo de toda a vida.

         P-A esta altura de sua vida talvez esta pergunta possa parecer desnecessária. Mas como foi o começo de sua vida na poesia ?

VGM- Comecei muito cedo. Publiquei o primeiro livro, Modo mudando, em 1963. Durante anos, praticamente só publiquei poesia. Depois passei à crítica e ao ensaio. Depois à ficção. E por fim à tradução de poesia. Nunca tive grande pressa em publicar e, sobretudo nos primeiros livros, revi e rasurei, revi e rasurei, revi e rasurei… e fui reescrevendo.

         P-Vejo grande relação entre a música e a poesia em Portugal, especialmente no que diz respeito ao fado, com letras que são verdadeiros poemas assinadas por poetas, pelo menos nos fados mais antigos. Aliás, existem muitos fados com letras suas. Há aquele “Fado da Adica”, de Rodrigo de Melo e Armandinho, cantado pela Amália, que diz: “Não é fadista quem quer, só é fadista quem calha”. E ainda: “Como se nasce poeta, também se nasce fadista”. É assim mesmo?

         VGM-Escrevi algumas dezenas de letras de fado, das quais há uma série que se encontram cantadas e gravadas: Carlos do Carmo, António Pinto Basto, Mísia, Cristina Branco, Mariza, Ana Sofia Varela, têm cantado letras minhas. Sem que isto signifique menosprezar o grande fado popular anterior a Amália Rodrigues, acho que o fado ganhou muito, desde que ela começou a cantar Camões e outros poetas, em princípios dos anos 60. E hoje, a nova geração de fadistas tem uma informação muito completa e “em tempo real” sobre o que se faz em todo o mundo na área da música. Por outro lado, tem uma educação muito mais sofisticada do que os fadistas de antigamente. Admito que mesmo não “nascendo” fadista, alguém se venha a tornar fadista. O problema é menos genético do que cultural, em minha opinião. Mas há um aspecto que, hoje, é cada vez mais decisivo: o da voz. Enquanto, antigamente, a voz podia não ser um fator essencial em certos casos, por exemplo o de Alfredo Marceneiro, hoje em dia uma boa voz é um fator absolutamente determinante. E por muito que a voz possa ser educada, há certamente alguns aspectos dela que nascem com o seu possuidor…

         -Por fim: é possível ao poeta Vasco Graça Moura traçar um perfil do poeta Vasco Graça Moura ?

         -Faço minha divisa a caracterização que, em finais do século XVI, Diogo de Sousa fez de Sá de Miranda nas suas Cortes do Parnaso: “Poeta até o umbigo; os baixos, prosa”.

 

 

Álvaro Alves de Faria, jornalista, poeta e escritor – São Paulo / Brasil

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Outubo de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Outubo de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Adriano B. Espíndola Santos, Adrian’dos Delima, Álvaro Alves de Faria, Álvaro José Silva, Ana Mafalda Leite, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Roberto Gerin, Antônio Torres, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos M. Luis, Carlos Eduardo Matos, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte, org., Dalila d’Alte, Danyel Guerra, Dario Silva, Dennis Ávila Vargas, Deusa d’África, Elisa Scarpa, Fernando Andrade, Francisco Aurelio Ribeiro, Hang Ferrero, Hermínio Prates, João Almino, Lahissane, Lalau Simões, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Lino Mukurruza, Marco Antonio, Maria de Lurdes da Fonseca Marques, Marinho Lopes, Moisés Cárdneas, NILMA LACERDA, Osvaldo Spoltore; Rolando Revagliatti, entrevista, Otildo Justino Guido, Ricardo Ramos Filho, Robson Deon, Sebastián Rivero, Textos, Tiago Rabelo, Tony Marcelo Gomes de Oliveira, Vítor Burity da Silva, Waldo Contreras López, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

EDVARD MUNCH, 'Perto do leito da morte (febre)', 1915.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR