ANO 9 Edição 97 - Outubro 2020 INÍCIO contactos

Marco Antonio


Saliva    

Emanuele sempre soube que beijava bem. Benício soube disso também, no primeiro encontro, depois de convidar enfim a colega de laboratório para um cinema mais tarde. A pesquisadora bebeu um pouquinho, Benício a levou pra casa, colocou pra dormir, e não saiu mais. Tempos depois, durante uma pandemia, todos no laboratório se contaminaram, menos o casal. Um cientista não deixa de notar essas coincidências. Demorou quase nada pra descobrir: teve uma luz. Ao combinar amostras das salivas do casal, descobriu que os elementos ali presentes imunizavam contra o vírus, durante um certo tempo. É verdade, enquanto praticassem seus beijos, Emanuele e Benício estariam a salvo do vírus mortal. A humanidade agradece, a cura praticamente certa, bastaria agora criar no laboratório a vacina a partir das duas salivas.

Infelizmente, a tarefa provou ser mais difícil que se esperava. Passou um mês, passaram dois meses, seis meses e nada da grande descoberta. Nesse tempo, entre Emanuele e Benício as coisas mudaram. Houve uma discussão. Aconteceu depois de uma entrevista para um programa de televisão, em que Emanuele não pôde comparecer. Benício e a apresentadora saíram para jantar e se apaixonaram. Mas e agora?, Benício, sai da minha casa! Vão achar a cura, com certeza. Não foi o que aconteceu. Em uma dessas esquinas, em que tirou a máscara para respirar melhor, Benício se contaminou com o vírus. Preciso de Emanuele, vai lá beijar aquela boca, e não volta mais!

Testemunhas disseram, Emanuele fora vista na garagem, entrando no carro com bolsa e mochila. Benício piorou, foi internado. Deu comoção, cadê Emanuele? Cadê a cura? Sozinho na UTI do hospital, Benício faleceu no início de uma manhã de primavera. Naquela mesma tarde, alguém teve uma ideia e a vacina ficou pronta em dois dias. Emanuele não foi mais vista, ninguém soube mais dela, procuraram inclusive em hospital. Não postou nem mesmo nas redes sociais, esclarecendo se queria desaparecer.

 

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Outubo de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Outubo de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Adriano B. Espíndola Santos, Adrian’dos Delima, Álvaro Alves de Faria, Álvaro José Silva, Ana Mafalda Leite, Angela Maria Zanirato Salomão, Antônio Roberto Gerin, Antônio Torres, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos M. Luis, Carlos Eduardo Matos, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte, org., Dalila d’Alte, Danyel Guerra, Dario Silva, Dennis Ávila Vargas, Deusa d’África, Elisa Scarpa, Fernando Andrade, Francisco Aurelio Ribeiro, Hang Ferrero, Hermínio Prates, João Almino, Lahissane, Lalau Simões, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Lino Mukurruza, Marco Antonio, Maria de Lurdes da Fonseca Marques, Marinho Lopes, Moisés Cárdneas, NILMA LACERDA, Osvaldo Spoltore; Rolando Revagliatti, entrevista, Otildo Justino Guido, Ricardo Ramos Filho, Robson Deon, Sebastián Rivero, Textos, Tiago Rabelo, Tony Marcelo Gomes de Oliveira, Vítor Burity da Silva, Waldo Contreras López, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

EDVARD MUNCH, 'Perto do leito da morte (febre)', 1915.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR