ANO 9 Edição 96 - Setembro 2020 INÍCIO contactos

Clécio Branco


Os devires na literatura: Kafka e a máquina de guerra literária    

Kafka mostra, através da literatura, aquilo que Deleuze/Guattari dizem quanto à segmentação, o fato de sermos “segmentados por todos os lados e em todas as direções”.

O isolamento e a culpa de seus personagens dizem o tempo todo: “O homem é um animal segmentado.”[1] Mostra que a autoridade tomada como padrão subjuga qualquer discurso, condena todos à clandestinidade, esmaga qualquer produção de enunciado. Mostra, com isso, que a autoridade é que faz ser como. Por outro lado, sua obra afronta o poder quando o expõe em seu funcionamento.

Em O processo, Joseph K se vê apelando a uma autoridade suprema de onde produz o próprio discurso de defesa e que não permite recurso algum. Algo semelhante ocorre quanto à autoridade do pai, que, sendo ele mesmo o que autoriza a fala, controla os fluxos e os recursos de apelação dentro da família. 

É o pai que dá o nome, a fala e, conseqüentemente, o fálus. É a autoridade do pai que subjuga e distribui os papéis da defesa e da apelação. O pai dá o veredicto. “Em lugar do nome da história, o nome do pai: aquele que é a lei, a primeira experiência de justiça, aquele que, ao dizer não, interrompe qualquer fluxo, barra qualquer fuga, dá estabilidade.”[2]
 
É da autoridade do pai que vem o significado da vida do filho. Para Deleuze, o pai deveria ter a função de entrada no mundo; apenas a entrada como meio para que o filho atinja seus próprios fins. Mas o Estado confere ao pai uma autoridade e funções que não são suas. Kafka demonstra o abalo dessa realidade quando amplia a autoridade paterna à dimensão do mapa-múndi. A história em seu fluxo louco desterritorializa esse lugar privilegiado de identidade fixa que era o nome do pai. Daí, a família em (des)ordem, mas não é o caso da desordem da família mesma, mas sim, de um modelo patriarcal da família idealista e cristã.

A paranóia da sociedade burguesa, antes no anonimato, agora capitalista, faz esses nomes se perderem como pólo referencial das identidades masculinas. Ao ampliar a figura do pai na proporção-mundo, Kafka prenuncia que outras instâncias passam a ter importância central na produção e na distribuição de sentido e modelos para a produção de subjetividade masculina. Conforme Roudinesco, a antiga família se encontra em desordem.[3] O Estado, a empresa, a instituição pública e os aparelhos de mídia passaram a assumir esse papel central, desde que a economia política e as leis de mercado submeteram e subverteram a família, ou seja, a família vive um processo de desfamiliarização. O pai ficou pequeno e não percebeu. A autoridade do pai sai do espaço familiar/privado e se pulveriza nos espaços públicos.

A segmentação começava em casa, com a produção de subjetividade edipiana: “Habitar, circular, trabalhar, brincar: o vivido é segmentado espacial e socialmente. A casa é segmentada conforme a destinação de seus cômodos; as ruas, conforme a ordem da cidade; a fábrica, conforme a natureza dos trabalhos e das operações.”[4]

Foucault “já havia percebido que a sociedade fragmenta os processos de subjetivação em espaços parciais: do espaço em família ao espaço do exército”. Diz ele, de outra maneira, que você não está mais naquele espaço, está neste: “Você já não está mais na escola... Os diferentes segmentos remetem a diferentes indivíduos ou grupos, ora é o mesmo indivíduo ou o mesmo grupo que passa de um segmento a outro.”[5] Da casa à escola, da escola à igreja, da igreja à fábrica, da fábrica à caserna, da caserna ao tribunal. Todo espaço social se vê recoberto por instâncias que julgam, ainda que não tenha havido o crime. Somos todos culpados num juízo subjetivo. O sentimento de culpa subjaz desde os primeiros desejos manifestos na infância.

As portas da casa, assim como, as portas da justiça e da igreja se confundem propositalmente em Kafka, todas elas vão dar no mesmo lugar. Deleuze/Guattari dizem de outra maneira:
                                           
O sistema político moderno é um todo global, unificado e unificante, mas porque implica um conjunto de subsistemas justapostos, imbricados, ordenados, de modo que a análise das decisões revela toda espécie de compartimentações e de processos parciais...[6]

Toda ordem de fragmentação esconde um segredo sujo que visa ao enfraquecimento: na igreja, valem-se das fases de desenvolvimento psicológico. Uma fantástica máquina de catequese. Departamento infantil, departamento juvenil, de adolescência, juventude, maturidade, seguindo ao infinito até o pós-morte. Depois de tudo, o Juízo de Deus nos aguarda.

A escola está toda fundada em uma taxinomia que se enraíza na árvore do conhecimento. Os tribunais, com suas instâncias e entrâncias, seus departamentos e subdepartamentos. Não é diferente nas fábricas e nas repartições. Uma máquina paranoica de apossamento do mundo, do eu, do isso e da libido. Uma obra monumental, a mais extravagante e de maior sucesso, a interiorização da lei que faz do homem um culpado de dívidas infinitas.

Os “segmentos parciais” territorializam e, simultaneamente, desterritorializam. Tal movimento lança os indivíduos na dúvida relativa ao pertencimento a um lugar e em outra dúvida, sobre a competência de exercer seu ofício. 

Uma vida marcada por processos sem-fim gera a falsa promessa teológica do galardão final. Conseqüentemente, autoacumulação de culpa de uma consciência que anda em círculos – o que Günter Anders denomina de “Carrossel de Suplícios”. Como diz Anders, “quem não sabe a que lugar pertence também não sabe com quem tem obrigações” [7]

O que leva o homem à “fome moral (isto é, à necessidade que ele tem de um espaço limitado de seus deveres)” faz dele um buscador de segurança condizente com seus traços. 

Fatalmente, busca-se um rebanho guiado com um pastor que dê orientações sobre o caminho a ser seguido. São as condições que definem os traços identitários do processo de subjetivação, suas cristalizações inconscientes e sua cultura, construída numa trama de relações com o outro que já não é mais exclusivamente o nome do pai, mas trabalho ao qual o sujeito se submete, a religiosidade, a educação que o determina como trabalhador da repartição, a família etc. 

De forma ampla, tudo que envolve o ambiente em que vive, e as tecnologias com as quais convive, seu cotidiano, suas preferências.

Estamos em um plano político, mas propriamente em uma micropolítica do desejo. Entramos em Kafka pela porta de Deleuze/Guattari. Por essas lentes, veem-se os personagens de Kafka incomunicáveis em seu isolamento e culpados por não sei o quê.

A consciência insegura da competência de seus deveres chega, através da insegurança, a um pânico de consciência que se acumula automaticamente e, por fim, precisa convencer o atormentado de que ele, de alguma forma, deve ter pecado.

Tanto na realidade familiar quanto no mundo do trabalho, é o desejo que se encontra submetido e comunica sua submissão na culpa e no castigo, temas recorrentes em Kafka: culpa, isolamento e incomunicabilidade. A culpa é o comércio da neurose, que leva o culpado à submissão e à vergonha.

O que se prenuncia nessa breve reflexão é uma civilização que subsume uma doença chamada culpabilidade para, depois, se ofertar um remédio no mercado das crenças religiosas e/ou nas prateleiras de auto-ajuda. 

 

Notas

 

[1] DELEUZE, G. e GUATTARI, F., Mille Plateaux,  pp. 255.

 

[2] ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz., Os nomes do pai: a edipianização dos sujeitos e a produção histórica das masculinidades – o diálogo entre três homens (Graciliano, Foucault e Deleuze) In_ História a arte de inventar o passado, pp. 221.

 

[3] ROUDINESCO, E. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

 

[4] RAGO, M. et al. Imagens de Foucault e Deleuzeressonâncias nietzschianas, p. 113.

 

[5] DELEUZE, G. e GUATARRI, F., Mille Plateaux,  p. 254.

 

[6] DELEUZE, G. e GUATTARI, F., Mille Plateaux, p. 255.

[7] Op. Cit.

 

 

Psicólogo, teólogo e mestre em filosofia. Clécio Branco é professor de pós-graduação em Psicologia Clínica e professor da Escola de Administração Judiciária do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, onde também coordena de Projeto de Saúde e Qualidade de Vida da Mútua dos Magistrados. 

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Setembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Setembro de 2020:

Henrique Dória, Adelto Gonçalves, Alejandra Correa ; Rolando Revagliatti, entrevista, Álvaro Alves de Faria, Antônio Torres, Bárbara Lia, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Pessoa Rosa, Cecília Barreira, Clécio Branco, Danyel Guerra, Edna Bueno, Faysal Rouchdi, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Fiori Esaú Ferrari, Guilherme Preger, Henrique Dória, Jaime Munguambe, José Eduardo Degrazia, Lau Siqueira, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luís Correia Mendes, Mabanza Xavier Esteves Kambaca, Marinho Lopes, Miguel Ângelo, Milton Lourenço, Myrian Naves, Myrian Naves, org.; arrudA, Nilma Lacerda, Rafael Flores Montenegro, Rafael Rocca dos Santos, Ricardo Ramos Filho, Ronaldo Cagiano, Ronaldo Werneck


Foto de capa:

HIERONYMUS BOSCH, 'Cutting the stone' (circa 1494)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR