ANO 9 Edição 96 - Setembro 2020 INÍCIO contactos

Danyel Guerra


Tem português/a no plateau    

“Silvino Santos não foi mais um nome para os empoeirados arquivos de cineastas primitivos. Sua vida foi de constante revelação. Soube colocar sua consciência profissional acima de qualquer especulação esteticista”
                                                             Alex Viany

Em Portugal, está ainda por inventariar e historiar, de modo sistemático, abrangente e rigoroso, a nada desprezável contribuição dos imigrantes lusos para o fomento, incremento e desenvolvimento do cinema brasileiro.

A crônica dos feitos lusitanos nas latitudes tupiniquins remonta mesmo às épocas primevas da arte sétima. E o prócere Aurélio da Paz dos Reis desempenha papel de protagonista. Em janeiro de 1897, o pioneiro, nascido no Porto, filmou um documentário no Rio de Janeiro, captando imagens da realidade surpreendida na Avenida Rio Novo. Nem dois meses se tinham passado sobre o dia 12 de novembro de 1896, data em que o cinematografista desvelou, na sua cidade, na tela do Teatro do Príncipe Real, os seminais experimentos concebidos com o Kinematógrafo Portuguez, com destaque para ‘Saida do Pessoal Operário da Fábrica Confiança’, um minuto de maravilhamento.  KP, assim, designava ele o mirabolante mecanismo engendrado pelos irmãos Lumière, o Cinématographe.

O Leal pioneiro

Após este prólogo, a aventura cinematográfica dos descendentes de Seu Cabral se iniciaria no dealbar do século XX, tendo como primeiro agente o minhoto António Leal. Nascido em 1877, em Alvarães, município de Viana do Castelo, Leal aportou às Terras de Santa Cruz com 21 anos, trazendo na bagagem o diploma do Magistério Primário, obtido em Braga. Antes de se dedicar ao cinematógrafo, foi professor do ensino primário, montou um ateliê de fotografia e trabalhou como fotojornalista na revista ‘O Malho’. Tendo apre(e)ndido o essencial da técnica fotocinegráfica, encetou uma prolífera carreira nos plateaux.

A 5 de novembro de 1905, Leal exibiu uma série de filmes de atualidades, curtas naturalmente imberbes e elementares. Um dos mais significativos registros testemunha a inauguração da carioca Avenida Rio Branco, a 7 de Setembro de 1904, por Rodrigues Alves, então presidente da República do Brasil.

Três anos depois, na sequência da abertura de inúmeras salas de projeção, ele fundou a Photo Cinematographica Brasileira e a Labanca, Leal & Cia., ao lado do italiano Giuseppe  Labanca. Em sucessão, Leal colocou no cartaz as fitas ‘Duelo de Cozinheiras’, ‘A Mala Sinistra’, ‘Nas Entranhas do Morro do Castelo’, ‘Os Capadócios da Cidade Nova’, ‘Os Guaranis’ –codireção com Labanca-  e produziu  ‘Os Estranguladores’(1908).

Este último, dirigido pelo italiano Francesco  Marzullo, com cerca de 40’ de duração, seria a primeira fita a explorar  o filão dos enredos de crimes, sucessos noticiados com estrépito pela Imprensa, que apaixonavam a opinião pública. Além dessa proeza, ‘Os Estranguladores’ está catalogado como a primeira obra de ficção do cinema nacional.

Destaque-se, também, na safra do cineasta vianense, a direção de fotografia em ‘Noivado de Sangue’ (1909), igualmente suscitada por ocorrências do foro criminal, decalcada de reportagens dadas à estampa na Imprensa sensacionalista. Em 1915, Leal assinou ‘A Moreninha’, adaptação da novela homônima de Joaquim Manuel de Macedo. No ano seguinte, o hiperativo produtor/diretor correu as cortinas para ‘Lucíola’, um estimulante êxito de público, adaptando o quinto romance de José de Alencar. Pujante e dinâmico, este precursor manteria ativo seu labor fílmico até 1947, ano de seu falecimento.  Atividade que se estendeu à representação. Nesse capítulo, viajou para a “terrinha”, tendo sido escalado para o cast de ‘Os Crimes de Diogo Alves’, 1911, de João Tavares, segundo filme de ficção português, onde interpreta o papel de um médico.

O vovô Francisco

Pertencem, outrossim, a um cineasta vindo de terras d’além mar os louros de ser o autor do mais antigo filme de ficção brasileiro preservado nos arquivos da Cinemateca Nacional. Seu nome é Francisco Santos. Antes de capitular ao fascínio da novel arte, ele foi empresário teatral e ator em Pelotas (Rio Grande do Sul).

Uma cópia sobrevivente, com pouco mais de 4’, foi descoberta e recuperada no curso de uma pesquisa do historiador Antônio Jesus Pfeil. A comédia ‘Os Óculos do Vovô’ (1913), onde Seu Chico desempenha a personagem principal (vídeo em anexo), salienta-se da safra da Guarany Fábrica de Fitas Cinematográficas. Entretanto, ele dirigiu também os documentários ‘A Mulher do Chiqueiro’ e ‘Marido Fera’, baseados em fatos verídicos, relatados, de modo exagerado, nos tabloides coevos.

A Santos é também creditada  a direção de ‘O Crime de Banhados’, 1914, alegadamente a primeira longa-metragem –projetada em quatro capítulos-, do cinema nacional. Um drama policial, que reconstitui uma chacina ocorrida em abril de 1912, na Fazenda do Passo da Estiva, no município de Rio Grande, Rio Grande do Sul.   

Selvino Santos

Os arquivos históricos do nosso cinema creditam igualmente o nome de Silvino Santos, nascido em Cernache do Bonjardim, Sertã, em 1886. Emigrando para o Brasil, com 13 anos adolescentes, passou a residir em Belém do Pará, onde se dedicou a atividades comerciais, tal como a maioria de seus compatriotas. Mudando-se, em 1908, para a cidade de Manaus –na época a faustosa e reluzente capital da borracha-, Santos orientou seus talentos para a fotografia e sem demora partiu no “rastro do El-Dorado” cinematográfico. É da sua autoria o documentário ‘Amazonas, o Maior Rio do Mundo’, de 1918. E dirigiu o cultuado ‘No Paiz das Amazonas’ (1921), cumulado de aplausos, quando exibido no Cinema Pathé, ao Boulevard des Italiens, em Paris, e em outras cidades europeias. Um filme de culto, com lugar obrigatório na memória da sétima arte (vídeo em anexo).

Cineasta da selva! Eis o cognome com que Selvino, perdão, Silvino se viu crismado por críticos e historiadores. À maneira de um Glauber Rocha avant la lettre (uma ideia na cabeça, uma câmera na mão, os pés na realidade), ele ousou ser o primeiro a irromper Amazônia misteriosa adentro, atravessando hirsutas florestas e caudalosos rios, contatando com tribos indígenas. Inusitadas revelações memorizadas no celulóide numa década de epopeias.       

Chianca e De Barros

E a saga lusíada continuou, nos anos 40, tendo como herói um dos realizadores em maior destaque em Portugal na década de 30. Na senda do êxito de ‘Aldeia da Roupa Branca’, 1938, repercutido nos écrãs brasileiros, Eduardo Chianca de Garcia foi contratado pelo seu confrade, o prestigiado Adhemar Gonzaga. O mentor da Cinédia confiou ao diretor português a adaptação do romance ‘Pureza’, de José Lins do Rego. No ano seguinte, 1941, ele realizaria ’24 Horas de Sonho’ para a mesma companhia, protagonizado por Dulcina de Moraes, uma das grandes referências do teatro brasileiro. 

Seria a sua despedida dos sets e das telas. Chianca viria a dedicar-se a direção de shows no Casino da Urca, no Rio de Janeiro, e a crônica jornalística em periódicos brasileiros e portugueses (’Diário Popular’).  E igualmente a concepção e encenação de cortejos e desfiles alegóricos e históricos. É da sua lavra o desfile comemorativo do quarto centenário da fundação, a 26 de março de 1549, de Salvador da Bahia, saudado com elogios.

O derradeiro contato de Chianca com o cinema ocorreria em 1952, assinando o argumento de ‘Appassionata’, de Fernando de Barros, naquele que assoma como  o registro mais logrado deste seu pupilo, tendo merecido uma positiva nota crítica do ‘Le Monde’.

O lisboeta de Barros viajara com Chianca para ser seu assistente direcção em ‘Pureza’. Um diligente braço direito. Quando viajou para o Rio, Fernando previa regressar a Portugal no final da edição. Todavia, acabou se “appassionando” pelo país e nele se radicou até a morte, em 2002, festejado como o mais notável crítico e consultor de moda do Brasil (1).   

Ousando pôr em prática seus dotes na direção, Fernando assinaria ‘Inocência’, em 1949, ao lado de Luiz de Barros, uma produção da compatriota Carmen Santos. Contratado nos inícios dos anos 50 para o cargo de produtor-geral da Companhia Cinematográfica Vera Cruz, com sede em S.Bernardo do Campo ( S.Paulo), de Barros coabitaria ainda alguns meses com o diretor-geral, o lendário cineasta Alberto Cavalcanti.

Duas linhas apenas para evocar os nomes de Armando de Miranda e de Manuel Gama. Após assinar o rumoroso ‘Capas Negras’, 1947, estrelado por Amália Rodrigues e Alberto Ribeiro, Miranda emigraria para o Brasil, em 1951. Nos 20 anos seguintes, rubricou seis filmes que, sublinhe-se, se inscrevem no segmento do cinema comercial sem  grandes veleidades artísticas.  Quanto a Gama estreou em ecrãs brasileiros, no ano de 1981, o popular ‘Verde Vinho’, protagonizado por Paulo Alexandre, intérprete da canção homônima, um estrepitoso êxito comercial no seio da colônia lusitana.

Julgo que me será perdoado o convencimento de ter logrado, com este breve resumo histórico, lançar alguns lampejos de luz sobre os cometimentos de cidadãos portugueses nos estúdios e ecrãs da pátria irmã.

E as cidadãs portuguesas, quando é que adentram o set deste filme? Ou será que elas ficaram nos camarins? Reconheço que tem pleno cabimento que as/os leitoras/es expressem essas indagações. Garanto, porém, que elas não foram esquecidas no quadro desta memória. O resgate do contributo das imigrantes lusas se evidenciará no próximo número da ‘InComunidade’. E acendendo os spotlights para uma atriz que tinha o prenome Maria do Carmo na certidão de nascimento.
                                                                 (continua)

Mais detalhadas informações sobre a vida e a obra de Fernando de Barros estão disponíveis na cronibiografia ‘O Português do Cinemoda’, de Danyel Guerra, editada em 2015, pela Douro Editorial.

 

 

Danyel Guerra (aka Danni Guerra) nasceu em São Sebastião do Rio de Janeiro, no Brasil, num dia de Vênus  do mês de novembro, sob o signo de Escorpião. No ano em que Agustina Bessa-Luís publicava ‘A Sibila’. Guerra tem uma licenciatura em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

São de sua autoria os livros ‘Em Busca da Musa Clio’ (2004), ‘Amor, Città Aperta’ (2008), ‘O Céu sobre Berlin’ (2009), ‘Excitações Klimtorianas’ (2012), ‘O Apojo das Ninfas’ (2014), ‘Oito e demy’ (2014), ‘O Português do Cinemoda’ (2015) e ‘Os Homens da Minha Vida’ (2017).

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Setembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Setembro de 2020:

Henrique Dória, Adelto Gonçalves, Alejandra Correa ; Rolando Revagliatti, entrevista, Álvaro Alves de Faria, Antônio Torres, Bárbara Lia, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Pessoa Rosa, Cecília Barreira, Clécio Branco, Danyel Guerra, Edna Bueno, Faysal Rouchdi, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Fiori Esaú Ferrari, Guilherme Preger, Henrique Dória, Jaime Munguambe, José Eduardo Degrazia, Lau Siqueira, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luís Correia Mendes, Mabanza Xavier Esteves Kambaca, Marinho Lopes, Miguel Ângelo, Milton Lourenço, Myrian Naves, Myrian Naves, org.; arrudA, Nilma Lacerda, Rafael Flores Montenegro, Rafael Rocca dos Santos, Ricardo Ramos Filho, Ronaldo Cagiano, Ronaldo Werneck


Foto de capa:

HIERONYMUS BOSCH, 'Cutting the stone' (circa 1494)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR