ANO 9 Edição 95 - Agosto 2020 INÍCIO contactos

Deusa d’África


Poemas VI    

Camião

Desvia-se à direita
asfalto tem o hálito da manhã
onde gotículas da saliva do céu
encontram o paraíso em superfícies terrestres.
Ele buzina fortemente
ao sono que acomete as trémulas mãos
quando uma criança corre aos braços da morte.
Ah, ela morre devagar aos lençóis da terra
sucumbindo dá o seu último suspiro
incrível a pressa com que o espírito sacode o corpo
com tantas histórias que tem a boca para contar
tudo sintetiza-se ao som duma buzina
que grita pela alma que perece
um peão com uma pá cava a sepultura na autoestrada
a terra que sobrepõe-se ao asfalto
flores secas queimam o alcatrão
lágrimas de gente que se ri da morte
enchem a nova madrugada de dó
sonhos de quem não viveu
fecham-se ao que se vê
mercadorias transportadas pelo camião
condescendem à dor do que agoniza
e prostram-se na área da colisão
cobranças soltas de quem espera
cobranças de quem se desespera
uma sepultura às conversas dos que contam o conto
e aumentam os factos, vira uma nova lomba
porque todos sabem que,
- o povo pediu;
- o povo exigiu;
- e o governo obedeceu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reminiscências

Afinal, o tiro que tirou não era dele
as honrarias ganhas não foram justas
os dias de glória foram ingloriosos
contas pagas injustamente
reconhecimentos desconhecidos
sorrisos desatados sem móbil
oh, móbil algum?
Quem não quer que lhe sorriam?
Quem não quer que lhe glorifiquem?
Mas, a justiça todos almejam.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Montras

Tudo é lindo
armas finas
balas lindas
bolas vitoriosas
fardas limpas
carros novos
águas puras
é tudo uma quimera
mortes embrulhadas
mortes encomendadas
golos não declarados
uniformes manchados
acidentes encomendados
águas venenosas
uma historia não contada.

 

 

 

 

 

 

  Azul                      (Ao Imperador Luís Cezerilo)

O azul é macio
feito de seda pura
tem uma alma alva
todos os seus risos desaguam num rio
tem unhas de favos que constroem a colmeia
alumiando as cidades assombradas pelos Homens.
Azul fala a língua da terra, tem o olhar do céu e do mar 
sabe a néctar e tem o aroma do jardim sombrio que tem a humanidade.

 

 

Deusa d’África nasceu aos 05 de Julho de 1988 em Moçambique, é mestre em Contabilidade e Auditoria e actualmente é professora na Universidade Pedagógica e na Universidade Politécnica. É Gestora Financeira do Projecto Global Fund – Malária. Começou a escrever poesia em 1999. A autora é representada pela agência literária “Capítulo Oriental”. Possui várias obras (prosa e poesia) publicadas na imprensa como é o caso de "Jornal Notícias”, “O País”, “Pirâmide”, “Diário de Moçambique”, em revistas tais como “Xitende” e “Varal do Brasil”, foi antologiada pela “Colectânea Veríssimos” editada em 2012 por Alpas XXI, Antologia Brasileira “Mil Poemas para Gonçalves Dias” em 2013, pela Academia de Letras e Artes Luso – Suíça “Caravelas em Viagem” em 2016.

Viu alguns dos seus trabalhos traduzidos para sueco. É Coordenadora Geral da Associação Cultural Xitende, é palestrante, activista cultural, promotora do direito à leitura e mentora do projecto Círculo de leitores. É colunista do Jornal “Correio da Palavra”.

 
É autora de obras como “A Voz das Minhas Entranhas” (poesia) editado pelo Fundac em 2014, o romance “Equidade no Reino Celestial” e “Ao Encontro da Vida ou da Morte” (poesia) pela Editora de letras de Angola em 2016. Coordenou a Antologia poética “Vozes do Hiterland” publicando escritores de Gaza e Niassa, editada pela Editora de Letras de Angola em 2016. Em 2016 foi Coordenadora para Moçambique da Antologia editada em Galiza “Galiza-Moçambique: Numa Linguagem e Numa Sinfonia” sob coordenação geral do escritor José Estevez publicando escritores de Moçambique e Galiza.

Foi distinguida pelo Governo Provincial de Gaza como Personalidade do ano 2016 em reconhecimento do seu patriotismo e pela sua contribuição no desenvolvimento e promoção das artes e cultura. Foi premiada como vencedora absoluta na modalidade de poesia e foi vencedora do segundo lugar em contos nos Concursos Literários Internacionais lançados na República Federativa do Brasil por Alpas XXI em 2012. Em Março de 2017 representou Moçambique no Festival Literário de Macau. Em 2018 foi antologiada pelo Festival Literário de Macau “Seis em ponto, contos e outros escritos VI”, traduzido em inglês “Six on the dot, short stories and other writings VI” e depois traduzido em chinês. Ainda em 2017 foi antologiada em “À Margem da Literatura” pela UCCLA. Foi antologiada em Macau no “Rio das Pérolas” livro de poesia em 2019.

Em Julho de 2019 participou no Festival Internacional Poetas d´Alma em Maputo.

 

Participou no primeiro encontro realizado em África e em Moçambique, de Poetas del Mundo em Outubro de 2019, como Embaixadora do Movimento Poetas del Mundo para Gaza.

Foi antologiada em Macau no “Rio das Pérolas” livro de poesia em 2020.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Agosto de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Agosto de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Adriano B. Espíndola Santos, Antônio Torres, Artista Moçambicano Qualquer, Audemaro Taranto Goulart, Caio Junqueira Maciel, Calí Boreaz, Carina Sedevich; Rolando Revagliatti, entrevista, Carlos Alberto Gramoza, Carlos Barbarito, Carlos Barroso, Carlos Eduardo Matos, Cecília Barreira, Claudio Parreira, Deusa d’África, Eunice Boreal, Fabiano Silmes, Fernando Andrade, Flávio Sant’Anna Xavier, G Morantt, Godofredo de Oliveira Neto, Henrique Dória, Hermínio Prates, Hirondina Joshua, Juan Manuel Terenzi, Katia Bandeira de Mello-Gerlach, Leandro Rodrigues, Leila Míccolis, Maria Azenha, Marinho Lopes, Miguel Ángel Gómez Cortez ; Moisés Cárdenas, entrevista, Milton Lourenço, Nelson Urt, Nuno Rau, Reynaldo Damazio, Ricardo Ramos Filho, Waldo Contreras López


Foto de capa:

SALVADOR DALÍ, 'Sueño causado por el vuelo de una abeja alrededor de una granada un segundo antes de despertar', 1944


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR