ANO 9 Edição 94 - Julho 2020 INÍCIO contactos

Myrian Naves, Heitor Schmidt, André Nigri e Sérgio Sant’Anna


Sérgio Sant’Anna, em homenagem.    

"De certa forma parei de viver expontaneamente. Por que encaro as minhas vivências de forma utilitária, ou seja: material para escrever. “Às vezes até seleciono aquilo que vou viver em função do que desejo escrever.”

(Sant’Anna, Sérgio, 2014 em O Concerto de João Gilberto no Rio de Janeiro. Companhia das Letras.2014.)

 

Sérgio Sant’Anna

 

Myrian Naves,
pelo Conselho Editorial.

 

O escritor brasileiro Sérgio Sant’Anna faleceu na cidade do Rio de Janeiro em dez de maio/10.05.2020 aos 78 anos, em decorrência da covid-19.  Contista, romancista, poeta e professor nascido em 1941 no Rio de Janeiro, em 1941. Venceu quatro vezes o prêmio Jabuti, três vezes o APCA e uma vez o prêmio da Biblioteca Nacional. Sua obra foi traduzida para o alemão, o italiano, o francês e o tcheco, além de ter sido adaptada para o cinema.

 

Dedicado ao ofício da escrita e da leitura, considerado um dos maiores escritores brasileiros, em plena atividade, e, através das redes sociais veio mais perto, se manteve próximo a amigos, a leitores fieis; conquistou novos leitores, até o momento em que foi acometido pela covid-19. Ali expunha em tempo real suas reações, seu pensamento sobre a realidade que atingia e ainda atinge em cheio o cotidiano brasileiro.

 

Ficcionista que compunha suas narrativas mergulhado em diálogo interno e textual com as Artes, em ambiente urbano e historicamente referenciado, com o pensamento fincado na realidade brasileira e universal contemporânea. 

E em 52 anos de carreira, nos ofereceu em sua produção, poesia, contos, novelas, romances, declarações dadas em entrevistas, a demonstração de coerência, do pleno domínio e entrega a seu ofício. Mesmo que se dissesse preguiçoso e que por isso preferia as narrativas curtas, quem o lê em cada obra sabe, seu texto flui em completude e incompletude, seus leitores reconhecem, a obra completa flui num contínuo/descontínuo, construindo-se, assim, como um todo.

Optamos por citar biobibliografia competente, ao final, e nos concentramos nessa pequena homenagem ao Sérgio Sant’Anna.
 
A edição 86 da Revista InComunidade trouxe dois dos contos do autor, “Escrito num guardanapo” e “Eterno”, pelo que agradecemos, pela delicadeza.

Já a edição 87 de InComunidade trouxe: “Reflexões sobre um guardanapo”, de André Nigri, que resenhou o conto “Escrito num guardanapo”, de Sérgio Sant’Anna, como dissemos acima, publicado na edição 86. Nigri, jornalista e autor do romance “Paralisia” (Reformatório, 2018), assina o posfácio da reedição de “Amazona”, uma das obras do autor.

Na página, em diálogo com o conto e a resenha de Nigri, nosso leitor tem a opção de fazer sua leitura ao som de “Por una cabeza”, de Carlos Gardel, que é como um tema desse “Escrito num guardanapo”, ou de ouvir o tango a ressoar o conto ao final da leitura. Não apenas, há também a transcrição da letra da canção, em Espanhol, em Português. Tradução, traduções. Como Nigri nos diz, em sua resenha:

“Em uma dessas mesas, três homens e uma mulher falam alto, contam piadas sujas e atrapalham o tango de Gardel ouvido pelo narrador. Como nada é gratuito numa narrativa de Sérgio, creio valer a pena transcrever a letra da canção: (...)”

Nesta edição, em homenagem a Sérgio Sant’Anna, trazemos ao leitor seu conto “A dama de Branco”, em que o escritor, em texto inédito, descreve a contemplação de uma mulher por um homem durante uma madrugada insone e vivida em tempos de isolamento social, isso, ao som de “Gnossiennes” 1-6, de Erik Satie. O conto foi publicado em 01/05/2020 – na revista ÉPOCA.

Modificando um pouco a nossa experiência de leitura, também trazemos o Exercício Narrativo de Heitor Schmidt, com o mesmo Conto – “A Dama de Branco”, de Sérgio Sant'Anna, com a Trilha: Gnossienne 1-6 (Erik Satie), Pianist: Klára Kömmendi. Ator brasileiro, locutor e dublador profissional, Schmidt atua nos palcos e microfones há mais de 40 anos e traz ao nosso leitor de InComunidade, falante dessa Língua Portuguesa em sua diversidade característica, uma experiência auditiva refinada, brasileira, realizada à altura do texto de Sérgio Sant”Anna.  O mesmo a falantes nativos de outras línguas, leitores de InComunidade que conhecem os sabores de nossa língua.

 

(Nuno, publicar o vídeo)

[Exercício narrativo. Voz de Heitor Schmidt.
Conto - A Dama de Branco, de Sérgio Sant'Anna.
Trilha: Gnossienne 1-6 (Erik Satie), Pianist: Klára Kömmendi.]

 

A Dama de Branco

 

      Sérgio Sant'Anna

 

Temos a sorte dos apartamentos em nosso edifício serem providos de sacadas. Embora pequenas, as sacadas são uma abertura para o universo. Agora, com a diminuição do monóxido de carbono na atmosfera, com muito menos carros circulando no Rio, várias estrelas se tornaram visíveis. Estou pensando em comprar um telescópio pela internet. Enquanto isso, contemplo o céu a olho nu mesmo. Me embriaga não passar de um ser ínfimo no cosmos.

Mas o que me leva a vir para a sacada de madrugada, mais do que as estrelas, é contemplar a dama de branco, que circula pelo estacionamento a céu aberto do edifício, sempre às três da manhã. Todos estão dormindo e fico contente com isso, pois, com ninguém mais a contemplá-la, é como se a dama de branco me pertencesse exclusivamente.

Entendi por que ela sempre vem a essa hora. É porque não há ninguém a importuná-la, reclamar que ela não está usando máscara, como se tornou obrigatório fora de casa. Imagino ver as suas feições, reparar como é bonita. Uma beleza singular, que não consigo descrever. É compreensível que ela queira caminhar a céu aberto, e ao mesmo tempo protegida pelos porteiros, que permanecem em seus abrigos nos portões do condomínio. As ruas de noite são sempre perigosas e confrangeria meu coração se algum mal acontecesse com a dama de branco.

Com minha imaginação solta, penso na dama de branco como uma sílfide, que parece levitar acima do solo, com o seu vestido comprido, esvoaçante. Penso nela como uma mulher pura, inclusive porque nestes tempos de isolamento até os namorados não dormem mais juntos, nem se encontram. Não consigo imaginá-la na cama com homens, esses seres brutos. Com outra mulher, talvez, mas agora deve dormir sozinha, quero crer.

Para mim ela está em outra dimensão. Não tenho propriamente uma religião, mas como guardo dois bons livros de astronomia, que volta e meia releio, penso na grandeza para mim incalculável do universo. Trilhões de astros, bilhões de anos-luz. Mas penso que, se houver um Deus, Ele não é bom, como dizem, mas indiferente à sorte humana, isso se houver um pensamento de Deus.

No entanto, como imaginá-Lo? Não deixo de usar para Ele as maiúsculas de praxe. Cheguei a refletir, sem nenhuma certeza, só dúvidas, se por acaso Ele ainda não estará sendo criado, muito aos poucos, pela mente humana?

Mas o nada também não me angustia. Penso nele como uma espécie de barato como o produzido pelo ópio, que experimentei duas vezes na Meca que é Nova York, onde, com as informações certas, pode se experimentar um pouco de tudo. Mas para conseguir o ópio tinha de digitar uma senha no celular, ora vejam só. Nem sei o que aconteceria comigo se continuasse naquela cidade. Experimentava a droga com uma mulher que eu não amava nem desejava, como ela também não a mim, mas, depois que eu a pagava, gostava de se deitar comigo, drogada, ambos silenciosos.

Não consigo deixar de pensar na dama de branco deitada comigo, quem sabe nua, com seu corpo esguio, mas isso me parece um sacrilégio. A dama vem à minha mente como uma pessoa solitária como eu, não imaginando que a possam observar em sua caminhada, nesta hora tão deserta. Nem transaríamos, pois já estou com setenta e nove anos.

Crio para a dama de branco uma história. Ela me conta sobre sua infância. De como gostava de passear em sua rua de Botafogo de mãos dadas com uma amiga muito especial. De como ela amava essa amiga que morreu muito jovem, de uma doença misteriosa. Mas antes teve tempo de falar que a esperaria. Não foi egoísta a ponto de pedir que a dama de branco também a esperasse ou partisse logo para se juntar a ela. Então a dama de branco teria experimentado várias relações, sempre com um sentido de incompletude, até que chegou este tempo da peste e ela está em isolamento como eu. Às vezes, penso que a dama de branco é a própria morte. Sei que isso é um modo de prendê-la e logo me penitencio e sei que em outro momento pensarei outra coisa. A morte não passa de uma obsessão minha.

Pelo menos é isso que imagino neste momento. Noutra hora posso pensar que ela fora casada com um pianista, um jovem amável e sensível. Depois apago, por ciúmes, esse pianista. Então é ela a pianista e eu a escuto embevecido. Não, sou eu o pianista e toco para ela. Tento compor no pensamento uma melodia, mas logo me vem à cabeça as Gnossiennes, de Satie, que eu escutava compulsivamente na sala, antes de vir para a varanda para acompanhar a dama de branco indo e voltando na área do estacionamento, com a leveza de uma bailarina. Será ela uma bailarina? Satie anotou que as Gnossiennes deviam ser tocadas com convicção e uma tristeza rigorosa. Eu tenho essa tristeza rigorosa, que me faz feliz. Os títulos de Satie são tão interessantes quanto suas obras: Três peças em forma de pera, Prelúdios flácidos, Desespero agradável.

Satie compondo em seu confinamento, só saindo, sempre de terno negro, para encontrar seus amigos dadaístas. Como eu gostaria de estar entre eles. Não, quero viver este momento mesmo. Quero ser eu próprio. Mas quem sabe a dama de branco tocando as Gnossiennes para mim a seus pés? Satie e eu amamos essa tristeza lírica. E a dama de branco, será? Não, penso mesmo que ela é etérea, a caminhar quase sem tocar o solo. Será que não pressente o meu olhar? Poderá ela me amar como eu a amo?

Satie fundou uma religião denominada “Igreja Metropolitana da Arte de Jesus Condutor” e excomungava quem não aderisse a ela. Eu adiro a ela e quem sabe poderia me casar com a dama de branco segundo os seus rituais, ao som da Gnossienne 1. Eu teria prazer em cozinhar para ela, ser seu escravo. Não, não, porque aí haveria os perigos inerentes ao hábito. Prefiro vê-la como que levitando lá embaixo.

Ah, mas como eu gostaria de deitar com a dama de branco numa cama, consumindo ópio. Como não tenho ópio, vai este baseado mesmo. Seria como se nos beijássemos, misturando nossas salivas em sua seda.

Heitor Schmidt

André Nigri

 

André Nigri é jornalista e autor do romance “Paralisia” (Reformatório, 2018). Assina, com João Pombo Barile,  “Sérgio Sant”Anna, um panorama de meio século de literatura”, publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais, no link: https://issuu.com/suplementoliterariodeminasgerais/docs/suplementoss_9735eb995ada3e
Assina o posfácio da reedição de “Amazona”, de Sérgio Sant’Anna (Companhia das Letras, 2019), romance de 1986.

Myrian Naves, poeta brasileira, escritora e professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.  

Heitor Schmidt nasceu em Santa Maria (RS). Ator, com Licenciatura em Teatro (UERGS), locutor e dublador profissional, atua nos palcos e microfones há mais de 40 anos. www.heitorschmidt.com

Sérgio Sant’Anna: Referências biobibliográficas:
Contista, romancista, poeta e professor nascido em 1941 no Rio de Janeiro, em 1941. Venceu quatro vezes o prêmio Jabuti, três vezes o APCA e uma vez o prêmio da Biblioteca Nacional. Sua obra foi traduzida para o alemão, o italiano, o francês e o tcheco, além de ter sido adaptada para o cinema. O escritor brasileiro Sérgio Sant’Anna faleceu na cidade do Rio de Janeiro em dez de maio/10.05.2020 aos 78 anos, em decorrência da covid-19. 
https://www.facebook.com/escritorsergiosantanna/
https://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa16805/sergio-santanna?fbclid=IwAR2UL4d9A8C3OYJU8lkxcSEdJIKbArubkpRDqHD04al4dfXqf1a-VBLIm5o
https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-sobrevivente/
https://issuu.com/suplementoliterariodeminasgerais/docs/suplementoss_9735eb995ada3e

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Julho de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Julho de 2020:

Henrique Dória, Adelto Gonçalves, Alberto A. Arias ; Rolando Revagliatti, entr., Álvaro Alves de Faria, André Giusti, Antonio Manoel Bandeira Cardoso, Antônio Torres, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Cecília Barreira, Chris Herrmann, Clécio Branco, Danyel Guerra, Deusa d’África, Edimilson De Almeida Pereira, Fernando Andrade, Fernando Huaroto, Godofredo de Oliveira Neto; Maria Eugênia Boaventura, Myrian Naves, Hélder Simbad, João Rasteiro, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Leonardo Morais, Lia Sena, Luciana Siebert, Ludwig Saavedra, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas ; trad. Sayanbha Das, Myrian Naves, Myrian Naves, Heitor Schmidt, André Nigri e Sérgio Sant’Anna, Nagat Ali, Nilo da Silva Lima, Ricardo Ramos Filho, Silas Correa Leite, Waldo Contreras López


Foto de capa:

HENRI MATISSE, 'Le desserte, Harmonie rouge', 1908.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR