ANO 8 Edição 93 - Junho 2020 INÍCIO contactos

Henrique Dória


EDITORIAL: TEMPOS DE INCLEMÊNCIA    

Vivemos tempos de inclemência, tempos em que a angústia parece não deixar lugar à poesia. Quando a humanidade está ameaçada por uma pandemia que põe em guarda todos os homens, embora ceife muito mais os mais pobres, deveriam todos, sobretudo depois dos trabalhos de Levi Strauss e Margaret Mead,  perceber que só há uma raça, a raça humana, e que somos todos pertença dessa raça triunfante sobre a terra, apesar das ameaças constantes que sobre ela lança a natureza. Porém, aquilo a que assistimos é ao ressurgir frequente do preconceito, da ignorância e do erro. Odiar, segregar, considerar inferior o outro apenas pela cor da pele é o exemplo da mais repugnante ignorância que, como uma pandemia, afeta ainda largos setores da humanidade em todas as nações. Assassinar alguém porque tem a pele negra é duplamente criminoso, por aliar a malvadez à ignorância. Há duas sociedades em que esse duplo crime é repetitivo: a americana e a brasileira. Mas se na sociedade americana o crime faz nascer a revolta, a sociedade brasileira parece anestesiada e os crimes racistas que vão acontecendo diariamente não trazem para a rua multidões em protesto, como nos EUA. Talvez porque o Brasil sempre se considerou uma nação multirracial, onde  os negros não eram segregados pelos brancos através da imposição de escolas diferentes, de transportes  públicos diferentes, de espaços de convívio diferentes. Porém, a segregação era (é) bem patente no nível de rendimentos, na escolaridade, na saúde, no preenchimento dos quadros da política, da justiça e da economia. Em tudo isto, e muito mais, os negros são altamente desfavorecidos e segregados, embora, em número, constituírem cerca de 60% da sociedade. E, no entanto, as manifestações de protesto não atingem a força nem a frequência  das que acontecem nos EUA, apesar da sociedade americana possibilitar uma ascensão social dos negros que a brasileira está longe de possibilitar.


Infelizmente, os negros e mestiços brasileiros não tiveram, até hoje, um líder que se parecesse sequer com Martin Luther King. O medo e a submissão são explicações para isso, aliadas à impunidade geral dos que cometem crimes contra negros ou mestiços.


É tempo dessa maioria de brasileiros tomar o seu destino nas suas mãos. Se o não fizer, a injustiça e o crime continuarão a criar a desigualdade e a miséria, e, com elas, fazer do Brasil o país do futuro sempre adiado.

 

 


                                   REESCREVENDO A HISTÓRIA


Entre as manifestações que têm acontecido por todo o mundo contra o racismo e a violência policial, vão surgindo atos de vandalismo sobre personagens históricas que manifestam a enorme ignorância de quem os pratica. No caso português, a vandalização da estátua do Padre António Vieira, em Lisboa, com o pretexto de que defendeu a escravidão dos negros, é a manifestação de uma caso grave de ignorância, não só da personalidade ímpar que foi esse grande homem da cultura portuguesa e brasileira, como do contexto histórico em que viveu. Julgar os factos e os homens do século XVII à luz do pensamento do século XXI é uma estultícia. Mas acusar Vieira de racismo é uma demonstração de lamentável ignorância, quando se sabe bem quanto ele combateu a escravatura dos indígenas e o tratamento cruel dos escravos negros. Nunca Vieira defendeu a escravatura. Defenderam-na Platão e Aristóteles, e não é por isso que vamos queimar as suas obras geniais.


Há atos que descredibilizam justas manifestações e revoltas. A vandalização da estátua de António Vieira é um deles.

 

 

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Junho de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Junho de 2020:

Henrique Dória, Adán Echeverria, Adelto Gonçalves, Adriano B. Espíndola Santos, Alexandra Vieira de Almeida, Ana Maria Costa, Antônio Torres, Diego Mendes Sousa, Beatriz Aquino, Bruno Brum, Caio Junqueira Maciel, Carlos Matos Gomes, Carmen Moreno, Cecília Barreira, Chris Herrmann, Cláudio Daniel, Danyel Guerra, Deusa d’África, Eduardo Madeira, Elisa Scarpa, Ester Abreu Vieira de Oliveira, Fábio Pessanha, Fernando Andrade, Fernando Huaroto, Hermínio Prates, José Manuel Simões, Julio Inverso, Leila Míccolis, Liliana Ponce ; Rolando Revagliatti, entrev., Luís Giffoni, Marinho Lopes, Moisés Cárdneas, Myrian Naves, Ana Carol Diniz Hassui e Audemaro Taranto Goulart, Ricardo Ramos Filho, Tanussi Cardoso, Vitor Eduardo Simon


Foto de capa:

FRANCISCO DE GOYA, 'Saturno devorando a su hijo', 1819-1823


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR