ANO 8 Edição 90 - Março 2020 INÍCIO contactos

Elke Lubitz


Sete poemas de "Um quase agora"    

1.
O GRITO DE MUNCH

 

Eu não sou Munch
Meu desespero
Não é um grito
Sou cometa perdido
Com dois olhos
Viajando atrasados
Sou segredos anulados
Em tintas busco teu nome
Em assombro tangendo a tela
Toda angústia se revela
No meu cosmo nu e ambíguo
Separado do coração que me falta
Sou tua obra inesperada
Que tudo vê e tudo cala.

 

 

 

 

 

 

2.
DO TERRENO SAGRADO

 

Antes de tirar as sandálias
Olhou o mundo
Ardeu nas sarças
Antes de ungir as pálpebras
Deixou cair o óleo
Nos dias secos
Antes do suor das flores
Sorriu entre as cores
E desenhou bem-te-vis
Fazia lama no mundo
A chuva de todos os povos
Tingiu um rio profundo
E a dor abriu as covas
Antes de ungir as pálpebras
De todos os anjos pequenos
Subiu em sinuosidade
E elevou nossas súplicas
Banhadas na mesma saudade.

 

 

 

 

 

 

3.
VERTIGENS

 

Os olhos
Daquele espelho
Examinador
Escondem-se
Na moldura
Criei arabescos ao seu redor
Me reflito inteira
Danço
Na frente
Da minha figura
Até ficar
Tonta
Tonta
E verdadeira.

 

 

 

 

 

 

4
SUSPENSÃO

 

Se o instante desafiasse
As leis naturais
E ficasse suspenso
No fio do tempo
Eu lavaria meus olhos com água de rosas brancas
Tantas vezes, tantas vezes!...
Para ter o dom
De descrever
A eternidade
Encheria a terra
Com sons de estrelas
Tantas vezes, tantas vezes
Quantas fossem
Imagináveis
Para perpetuar a imagem pura
Deste giro vazio
Coberto de Sol.

 

 

 

 

 

 

5
ACÍCLICA

 

Sou cachoeira
Bruma rendada
Margem de rio
O mar em mim
Afoga os meus olhos
– Abrolhos –
Afluente sem fim
E choro todos os dias
Antes de nascer.

 

 

 

 

 

 

6
AZUL

 

Sigo como
Quem carrega
Nas costas
Uma mochila
De plumas
Palavras itinerantes
Etéreas
Ou diamantes
Tiaras bordadas
De azul lilás.

 

 

 

 

 

 

7
ETERNO

 

Te alcanço, verso
Nesse devir em letras
Fresta do eterno
A deitar na sombra
Do pequeno instante
Que em nós habita.

 

 

Elke Lubitz Lautert é brasileira, catarinense de Rio do Sul. Radicada há 35 anos em Jacareí ( SP) Pedagoga pós graduada, sempre acreditou no poder da Literatura como fator primordial no processo de humanização do ser humano . Atuou na área educacional por cinco anos e depois dedicou- se a difundir literatura por meio da comercialização . Atualmente escreve em várias Revistas Eletrônicas e blogues. Fez parte de dezenas de antologias no Brasil e participou de coletâneas no intercâmbio literário luso brasileiro. Lançou seu livro solo em dezembro de 2019 com a obra “ UM QUASE AGORA”  pela editora Penalux .

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Março de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Março de 2020:

Adriana Versiani, Alberto Murillo, Antônio Torres, Atanasius Prius, Caio Junqueira Maciel, Camila Olmedo, Carla Carbatti, Carlos Matos Gomes, Carlos Orfeu, Cássio Amaral, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Clécio Branco, Deema Mahmood, Elisa Scarpa, Elke Lubitz, Ender Rodríguez, Fernando Andrade, Gustavo Cerqueira Guimarães, José Arrabal, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luciana Tonelli | Seleção de poemas: Ana Caetano Depoimentos: Adriana Versiani, Carlos Augusto Novais, Gláucia Machado, Hugo Pontes, Luciano Cortez, Marcus Vinícius de Faria, Ricardo Aleixo, Vera Casa Nova., Luiz Eduardo de Carvalho, Marinho Lopes, Moisés Cárdneas, Myrian Naves, Nagat Ali, Omar Castillo, Orlando van Bredam ; Rolando Revagliatti, entrevista, Prisca Agustoni, Ricardo Alfaya, Ricardo Ramos Filho, Taciana Oliveira, Wanda Monteiro, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

EDVARD MUNCH, 'Der Schrei der Natur', 1893 | EDVARD MUNCH, 'Det Syke Barn', 1885-1886.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR