ANO 8 Edição 87 - Dezembro 2019 INÍCIO contactos

Elísio Miambo


O discurso pós-colonial em Ualalapi e Choriro através de Ngungunhane e Nhabezi    

Admitindo que o conceito de função da personagem refere-se à trajetória (sequência de eventos singulares e interdependentes) de um determinado agente no seio de uma narrativa e que esta só pode ser restituída a partir da soma das informações facultadas sobre a sua identidade e as suas atitudes (na narrativa e não fora dela), percebe-se que em “Ualalapi” e “Choriro” estamos perante um recorte histórico dos contactos entre povos por via da invasão.

 

Este recorte histórico que não se quer questionador dos factos históricos em si, mas sim, do discurso histórico que foi sendo construído em torno da colonização, como um fenómeno histórico-humano e as construções ideológicas que daí advieram, tanto do ponto de vista do colonizador assim como do colonizado, principalmente, e que muitas vezes norteiam a postura que se tem, não para com a história, e sim, com as relações entre os descendentes de “ex-colonizados” e “ex-colonizadores”.

 

Ngungunhane e Nhabezi (personagens principais de Ualalapi e Choriro, respectivamente) estabelecem o fio condutor que norteia estas narrativas, tornando possível aceder ao exercício crítico que o autor empreende no discurso pós-colonial1 que está nas entrelinhas destas obras.

 

Se por um lado temos um invasor Nguni, africano, negro, opressor e esclavagista que entra em contacto com o povo Tsonga e empreende sobre ele todos os males de que a espécie humana é capaz, por outro lado temos um invasor português, branco, avesso a qualquer prática de opressão e esclavagismo que entra em contacto com o povo do vale do Zambeze que já era dotado de uma civilização bem estabelecida e com uma cosmovisão que ele próprio assimilara e desejara não se desvincular dela mesmo após a morte.

 

Independentemente da verdade ou falsidade histórica dos factos aqui descritos (que é um dilema que está aquém da ficcionalidade literária que em si não está avessa da verosimilhança) há neste discurso uma postura crítica caracterizada por um ecletismo típico do pensamento pós-colonial e atípico na literatura actual tal como ilustra Derek Walcott (1995: 371) apud LEITE (2003: 16) ao afirmar que

 

“no Novo Mundo o servilismo à musa da história produziu uma literatura de recriminação e de desespero, uma literatura de revolta escrita pelos descendentes dos escravos ou uma literatura de remorso escrita pelos descendentes dos senhores”.

 

Esta primeira postura descrita por Walcott não se esgota no âmbito literário, perpassa todos os contextos que intervêm na sociedade e é dominada por discursos que tencionam legitimar uma falsa superioridade moral por parte dos descendentes de escravos abraçando um pensamento conservador que se quer aliar a uma suposta verdade histórica e interpreta a colonização e, sobretudo, a violência que dela advém como uma característica histórica que não existia antes da penetração mercantil europeia, como se a colonização e a violência fossem heranças dos europeus nos povos indígenas que viviam em perfeita harmonia e passividade.

 

É nesta linha de ideias que Leandro Karnal em “O ódio no Brasil” afirma que
“é verdade que a presença portuguesa é de uma violência e um genocídio impressionantes (…) mas não se deve construir em oposição a esta violência a ideia de aqui habitavam indígenas que cantavam poemas árcades e andavam para lá e para cá em felicidade absoluta”.2

 

Segundo o autor, esta é uma fantasia construída por Montaigne quando escreve o seu ensaio sobre os canibais e também por alguns pensadores contemporâneos e antropólogos, especialmente os não críticos.

 

É esta a visão que norteia vários discursos na actualidade e que está por detrás da concessão do grau de herói nacional a invasores que por serem negros e pela sua oposição à penetração mercantil (seja por que razões for) negligencia-se o carácter cruel antes desta penetração.

 

Por outro lado, existe uma postura não só de remorso como postula Walcott, mas também de contentamento por uma suposta solidariedade prestada pelos invasores europeus, no sentido em que, historicamente, os ex-colonizados devem a civilização que têm aos ex-colonizadores, como se antes da invasão europeia não existisse no seio dos indígenas qualquer tipo de estruturação orgânica dos modus vivendi e como se estes povos não tivessem até esta invasão uma cosmovisão própria.

 

Este é um discurso luso-tropicalista de julgamento do Outro com base num Eu que, também, vai construindo a sua cosmovisão com base na sua forma de interpretar a realidade que não pode ser tida como única e totalmente válida por se considerar que a percepção sobre o mundo não é um dado conseguido e acabado. Contudo, é esta cosmovisão ocidental que se quer impor como universalmente válida, fazendo com que os ex-colonizados/descendentes de escravos sejam eternos devedores da “civilização” que têm na actualidade.

 

São estas posturas para com a história que Ualalapi e Choriro procuram contrapor rumo a uma renovação ideológica do mundo actual. Esta renovação, portanto, deve ter carácter bipolar, ou seja, tem que envolver os dois intervenientes do processo de colonização (colonizado e colonizador) porque:

 

• Se é verdade que a invasão europeia foi duma violência extrema, é também verdade que a colonização e a violência são fenómenos meta-históricos impregnados na espécie humana independentemente do tempo e do espaço em que estiver;

• Se é verdade que antes da invasão europeia não havia uma tradição escrita massificada3 entre outros aspectos, é também verdade que antes desta invasão havia uma vivência socialmente organizada em termos administrativos, económicos, morais, éticos, etc.

 

Deste modo, em Ualalapi e Choriro procura-se gerar um pensamento crítico situado na fronteira4 entre estas duas posturas descritas acima, pois, além de se inscrever neste debate ideológico numa atitude de revolta, como normalmente se observa em narrativas africanas, estas obras procuram empreender um posicionamento crítico que questiona duas práticas discursivas que encontram na história alguma fundamentação que nelas (nas obras em análise) é posta em causa com o relato de acções que embora sejam fictícias, a sua significação no plano da realidade viabiliza a necessidade de se traçar um “meio-termo”, em termos ideológicos, por parte dos povos em contacto ao longo da colonização europeia em África.

 

Notas

 

1 Pós-colonial não designa um conceito histórico ou diacrónico, mas antes um conceito analítico que reenvia às literaturas que nasceram num contexto marcado pela colonização europeia. A crítica pós-colonial esforça-se por (…) propor uma nova visão de um mundo, caracterizado pela coexistência e negociação de línguas e de culturas. (LEITE: 2003, p. 5)

 

2 KARNAL. Leandro. O Ódio no Brasil. [disponível via: http://www.youtube.com/watch?v=iG-OGc1bufs ] visto a 19 de Julho de 2014

 

3 Tendo em conta que houve antes do europeu, o contacto com o mundo árabe.

 

4 Assume-se aqui o conceito de fronteira na óptica de Santos (2002: 38) apud Leite (2003: 17), que preconiza “a deslocação do discurso e das práticas do centro para as margens.”

 

 

Referências bibliográficas

 

KARNAL. Leandro. O Ódio no Brasil. [disponível via: http://www.youtube.com/watch?v=iG-OGc1bufs ] visto a 19 de Julho de 2014

 

LEITE, Ana Mafalda. Literaturas Africanas e Formulações Pós-coloniais. Imprensa Universitária, UEM, Maputo, 2003.

 

 

Elísio Miambo é professor, escritor, activista cultural e blogger. Nasceu na cidade de Xai-Xai __ província de Gaza, sul de Moçambique. Envolve-se com a escrita através da música (rap). À medida que ia mergulhando em leituras de textos em poesia e prosa foi percebendo que uma nova arte surgia dentro de si - a literatura, de tal modo que durante algum tempo dedicou-se às duas artes em simultâneo, a música e a literatura.
Além da arte tem um amor confesso pela comunicação, o que o fez formar-se em ensino de Português com habilitações em ensino de Inglês pela então Universidade Pedagógica de Moçambique __ Delegação de Gaza e estar em busca de um mestrado em Comunicação Corporativa: especialização em jornalismo e ciências de informação na Universidade Europeia do Antlântico através da Funiber.
No seu labor na qualidade de escritor e membro da Asscociação Cultural Xitende, participa em várias frentes que visam a promoção da cultura.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Dezembro de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Dezembro de 2019:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandre Brandão, Almeida Cumbane, André Balaio, André Caramuru Aubert, André Nigri, Antônio Torres, Ascensíón Rivas Hernández, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Danyel Guerra, Demétrio Panarotto, Deusa d’África, Elísio Miambo, Fiori Esaú Ferrari, Geraldo Lima, Hermínio Prates, Irma Verolín, Rolando Revagliatti, entrevista, Jayme Reis/ Myrian Naves, pelo Conselho Editorial, João Morgado, Jorge Elias Neto, José Gil, Lahissane, Leila Míccolis, Luanna Belmont, Lucas Perito, Luis Bacigalupo, Luís Giffoni, Marinho Lopes, Myrian Naves, Otildo Justino Guido, Ricardo Pedrosa Alves, Ricardo Ramos Filho, Taise Dourado, Viviane de Santana Paulo, Waldo Contreras López, Wanda Monteiro


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Maternité avec Père Noël', 1954 || FRANCISCO DE GOYA, 'Perro simihundido', 1819-1823.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR