ANO 6 Edição 84 - Setembro 2019 INÍCIO contactos

Bruno Flores


Jacaré    

Jacaré se agachou à sombra tímida do arbusto. Tomou uns goles do cantil e secou o suor que pingava das sobrancelhas. Com seu olhar sempre tristonho, sempre franzido, encarou o caminho que tinha pela frente, aquela imensa savana que desembocava no nada. O cabelo, uma volumosa juba crespa, crescia para o alto como uma planta robusta e seca atraída pela luz. A barba parecia uma extensão dos cabelos, escondendo os lábios e formando uma auréola negra em torno da cabeça.

 

As únicas certezas de Jacaré eram o sol e a fome. Dizia que o astro iluminava os caminhos, para o bem ou para o mal. Podia clarear as idéias ou obscurecer o raciocínio, fortalecer os laços entre conterrâneos e assim a luta por justiça, ou aquecer o cocuruto a tal ponto, que demonizava até mesmo o mais inocente campesino. Por isso haviam chegado até ali. Povo dividido, o lado de cá e o lado de lá, a mancha negra de uma disputa ancestral contaminando a tudo e a todos, como um vazamento de óleo se alastrando pelo oceano seco da savana.

 

Caminhava vestindo o colete feito do metal mais resistente da região, usado na construção de pontes e fortes. Diziam ser à prova de balas, mas ele próprio nunca o havia testado. Começou a usá-lo após o quinto tiro levado, que quase o desencarnou. O balaço entrou rente ao coração e saiu pela lombar. Tiro de carabina, vindo do alto, enquanto atravessava o vale. Atirador habilidoso. Preciso na mira.

 

O episódio rendeu fama: o homem da pele de jacaré. Disseram do sucedido os maiores desatinos: que Deus o havia protegido, que cada homem tinha um destino e o seu era ser o herói da resistência, que por isso não seria um balaço qualquer de um fascista de baixa patente que o tiraria de circulação. Ficou conhecido por todo o deserto do sudeste.

 

Mas Jacaré não era afeito a crenças disparatadas, muito menos a ilusões de imortalidade. Sabendo que dificilmente resistiria a uma sexta investida inimiga, passou a usar o colete, por mais penoso que fosse carregar aquela carcaça de metal pela aridez.

 

Jacaré fitou o sol com a mão rente à testa: duas horas da tarde. Invasores solitários vinham passando por ali nesse horário, rumo aos grupos de infantaria que se reorganizavam no norte.

 

Não custava tentar.

 

Subiu o morro mais próximo, ainda negro e careca por conta de uma queimada recente. Rastilhos de fumaça crepitavam lá e cá, desaparecendo rumo ao céu azulado. Jacaré acendeu seu cigarro de palha numa gramínea ainda em brasa.

 

No cume, avistou o arbusto mais próximo da encosta, com melhor vista para a planície, e tomou posição. Preparou o rifle, os binóculos, o cantil, comeu uma maçã e esperou. Os invasores eram tolos. Vestiam todos a mesma farda azul, com uma estrela amarela no peito que reluzia à distância, fácil de avistar. Jacaré contabilizava cinquenta e seis mortes, cada uma representada por um risco de facão na coronha de seu rifle.

 

Quem sabe aquele dia ainda não passaria em branco.

 

Deitado de bruços com o rifle posicionado sobre o suporte ao seu lado, Jacaré tentava se aconchegar na minguada sombra. Observou com os binóculos os quatro cantos da planície, sem sinal de vida a não ser por uma ou outra raposa faminta, deslocando-se anêmica pela imensidão. Seus olhos se fechavam com aquele marasmo, apesar das gotas de suor que lhe escorriam pelo corpo e atiçavam os nervos.

 

Foi então que uma nuvem surgiu como por milagre e bloqueou o sol, sombreando tudo ao alcance da vista. Uma brisa vinda do oeste trouxe a Jacaré uma súbita e inexplicável paz, refrescando-o como o único banho de mar tomado na infância.

 

Despertou. O rosto colado às pedrinhas que sulcavam sua pele de réptil. Virou-se de barriga para cima e avistou um urubu planando num vôo circular rente ao sol, que agora exibia seu esplendor alaranjado.

 

Cinco da tarde.

 

Tomou um gole do cantil e voltou-se para a planície, pegando rapidamente os binóculos para confirmar a visão. Sua sorte não falhava. Lá estava, sentado sob a única árvore desfolhada da savana, mais um tolo que entraria para seu saldo. Mais um risco em seu rifle.

 

Jacaré posicionou a arma à sua frente e afinou a mira de luneta. O homem bebia do cantil e devorava o que parecia ser um guisado de porco. Em seguida tirou o quepe, revelando os cabelos amarelados, a pele alva marcada pelo sol, pegou um livreto no bolso da farda e começou a ler.

 

Jacaré não disparou. Um calafrio percorreu sua espinha e o dedo tremeu no contato com o gatilho. Só podia estar com verme. Via sintomas parecidos em alguns doentes na aldeia, mas ele próprio nunca havia sentido aquele mal estar que rendia as funções corporais à lógica arbitrária da natureza. Não conseguia, literalmente, apertar o gatilho, seu dedo não obedecia à sua vontade. Tentava exaustivamente, mas os efeitos pareciam piorar a cada nova investida: um pigarro inesperado, um enjôo, um anuviar da visão.

 

Tirou com brutalidade o rifle do suporte, levantou-se e começou a descida ao encontro do inimigo. Derrapou pela encosta queimada, levantando uma nuvem negra de poeira que atiçou uma cascavel. Mal sentiu a picada. Andou esbaforido até a árvore, arrastando a perna dormente e inchada, imaginando ainda se tratar de um sintoma de origem desconhecida. O fascista estava na mesma posição, entretido com o livro de bolso. Jacaré engatilhou a arma e só então o inimigo ergueu a cabeça e o viu. Não manifestou surpresa, medo, susto ou tampouco animosidade. Apenas o encarou, com suas pupilas dilatadas, conscientes do fim.

 

Jacaré cerrou os olhos e um estampido seco ecoou pela planície, afugentando os tatus que saíam de suas tocas para encarar a noite no deserto.

 

 

Bruno Floresé jornalista e escritor, autor do romance de aventura “Rumah” (Editora Multifoco, 2015). É um dos fundadores do Álbum de Memórias, empresa que produz biografias e histórias de vida em forma de livro. Link da empresa: https://albumdememorias.com.br/

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Setembro de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Setembro de 2019:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Atanasius Prius, Bruno Flores, Caio Junqueira Maciel, Carmen Rosa Orozco, Conselho Editorial, Eloésio Paulo, Gilda Nunes Barata, Gonçalo B. de Sousa, Henrique Dória, Hermínio Prates, Jorge Bateira, Jorge Vicente, Krishnamurti Goés dos Anjos, Leila Míccolis, Luiz Roberto Guedes, Marco Aurélio de Souza, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Ricardo Ramos Filho, Suely Bispo, Thássio Ferreira, Waldo Contreras López


Foto de capa:

PAUL GAUGUIN, 'La sieste' (1892-1894)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR