ANO 6 Edição 83 - Agosto 2019 INÍCIO contactos

Eloésio Paulo


Resenha: Hospício é Deus    

Louca por excesso de lucidez, escritora romanceou sua vida no manicômio.

 

Há consensos elementares dos quais o louco não logra participar. Nem ele nem os escritores que penetram de fato no absurdo da condição humana. Daí aquela coincidência entre a loucura e a literatura, tão bem formulada por Soshana Felman: ambas são, no limite, “irredutíveis à interpretação”. Mas é bom lembrar que não existe a total irredutibilidade, pelo menos depois que se desenvolveu o instrumental psicanalítico de interpretação. E aqui temos um pasto farto para a Psicanálise, como para leitores (ainda os há) atraídos por vertigens e abismos.

 

“Hospício é Deus” (1965), diário escrito por Maura Lopes Cançado (1930-1993) num hospício carioca, exemplifica bem o parentesco. Nem todos os livros de loucos podem ser considerados literatura, mas nesse caso, entre outras coisas, estamos diante de um ótimo romance moderno. É quase inevitável lê-lo como ficção, e não somente porque a escritora fosse dona de um estilo invejável e tenha produzido, ao longo de tropeços e encontrões em si mesma, uma lúcida e tocante autobiografia.

 

É que essas notas tomadas entre o fim de 1959 e o início de 1960 certamente têm muito de fantasia. Demoraremos ainda alguns anos para ter uma ideia das porcentagens, e aliás isso importa pouco ao leitor: “Hospício é Deus” emociona, surpreende e perturba. A loucura de Maura é trágica, participa daquela predestinação à infelicidade profunda e irremediável que começa, talvez, no teatro grego e no Livro de Jó.

 

Internada várias vezes em hospícios, sempre por iniciativa própria, a menina que nasceu filha de um rico fazendeiro de Minas e se casou aos 14 anos com um piloto de avião já seria ótima personagem caso tivesse conseguido ser gente “normal”. Mas Maura, assolada por terrível inquietude ainda na primeira infância – criança assustadiça e mórbida, afeiçoada eroticamente ao pai, sexualmente abusada por empregados da fazenda –, jamais encontrou seu lugar neste mundo. Nem mesmo quando, acolhida pelos intelectuais reunidos em torno do Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, viu publicados seus contos, depois reunidos na coletânea “O sofredor do ver” (1968). A louca se tornou cultuada escritora, mas isso não aliviou sua angústia.

 

O diário de Maura pode ser lido de muitas maneiras. Como libelo antipsiquiátrico, como elegia feminista, como as ruínas de um grande talento, que se revela especialmente nos poucos poemas semeados ao longo das anotações. Mas esse relato do dia-a-dia num hospício, mais do que denúncia ou lamento, é antes a confissão desesperada de alguém que parece ter nascido fadado a ver a própria existência naufragar, dolorosa e interminavelmente.

 

 

ELOÉSIO PAULO (1965). Brasileiro, é professor universitário e escritor. Além de oito livros de poemas e textos esparsos por inúmeras publicações, publicou os seguintes livros de ensaios sobre literatura: 'Teatro às escuras - uma introdução ao romance de Uilcon Pereira' (1998), 'Os 10 pecados de Paulo Coelho' (2008) e 'Loucura e ideologia em dois romances dos anos 1970' (2014).

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Agosto de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Agosto de 2019:

Henrique Dória, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Vieira de Almeida, Amoi Ribeiro, Angelo Oswaldo de Araújo Santos, Atanasius Prius, Caio Junqueira Maciel, Carlos Matos Gomes, Cida Sepulveda, Conselho Editorial, Demétrio Panarotto, Eloésio Paulo, Érico Hammerström, Flávia Fernanda Cunha, Flávio Otávio Ferreira, Gabriel Impaglione ; Rolando Revagliatti, entrevista, Gladys Mendía, Hermínio Prates, Hugo Pontes, Iza Maria de Oliveira, José Arrabal, Krishnamurti Goés dos Anjos, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luiz Edmundo Alves, Manuella Bezerra de Melo, Marco Aurélio de Souza, Maria Emília Lino Silva, Marinho Lopes, Max Lima, Ricardo Ramos Filho, Sônia Pillon, Tereza Duzai, Thássio Ferreira, Waldo Contreras López


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Aleko and Zemphira by moonlight: study for backdrop for scene 1 of the Ballet «Aleko»', 1942


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR