ANO 6 Edição 83 - Agosto 2019 INÍCIO contactos

Iza Maria de Oliveira


Geografia das palavras em O sul de lugar nenhum    

Este texto não é exatamente uma resenha sobre um livro. Talvez, um livro de poesia seja quase impossível de resenhar-se, mesmo que contenha um convite ao leitor para percorrer, lentamente, O Sul de Lugar Nenhum, de Marcelo Frota (Ed. Penalux, 2019). Seguem aqui algumas notas, anotações, ressonâncias dessa obra cuja suavidade da diagramação é um belo convite.

 

Naquela tardinha de uma chuva amena de um inverso sulino, durante o lançamento de seu livro, em poucas, mas precisas palavras, como a poesia requer, Marcelo Frota se dirigiu aos presentes. Comentou, então, que um poeta moçambicano o encontrou através de uma rede social, dizendo que leu seus poemas, relatando a tragédia recente em Moçambique e da presença de Mia Couto nessa causa. Marcelo se comoveu, pois a poesia ligava dois continentes. Logo em seguida, o dono da livraria refere-se a uma reportagem sobre um homem que jogou uma garrafa no mar com um bilhete; dez anos depois, uma mulher encontrou o objeto que se fez palavra num encontro entre dois continentes. A geografia das palavras se evidencia nessas passagens. O Sul de Lugar Nenhum é uma obra também sobre isso. Como inventar um sul, um ponto de referência quando não se tem um lugar?

 

Ao cumprimentar o poeta Marcelo Frota, o parabenizo pelo ato de coragem. Ele “é um ato de resistência”. Retornar para casa com seu livro é, também, vir acompanhada por essa frase que ressoa como uma alucinação que pede conexão para acalmá-la. Um ato de resistência. Folheando as páginas, percorrendo as linhas, aos poucos, algumas conexões se estabelecem. Ser poeta nos nossos dias é sobreviver para além da lógica neoliberal em que toda produção deve se tornar produto consumido, devorado, lucrado. Produzir poesia é um ato de resistência à lógica econômica desses nossos tempos. Escrever poesia é uma resistência à morte da objetalização da vida.

 

Cada poema do “Sul de Lugar Nenhum” é uma resistência a toda forma de morte do que nos pulsa à vida: coloca palavras na dor, na solidão, nos desencontros, nos dilaceramentos. Se esse Real não cessa de não se inscrever, brilhante enunciado de Lacan, a poesia é uma forma de escrever inscrevendo o que poderíamos querer estancar pela sua insuportabilidade.

 

O livro abre com o poema “O sul (de lugar nenhum)”, e encerra com “Sonhar ao sul (de lugar nenhum)”. Legado de um ato de resistência, de uma travessia corajosa. Poeticamente, colocar palavras onde seriam vazios desterritorializantes, desestruturantes. As palavras nos orientam, ligam pontos cardeais no mapa de uma existência. Marcelo produz palavras que guiam e ligam continentes psíquicos, fazendo sonhar. Um ato de resistência à morte que habita em todos nós.

 

 

 

 

Iza Maria de Oliveira. Psicanalista. Doutora em Psicologia Clínica (PUC-SP); mestre em Estudos Literários/ Literatura e Psicanálise (UFSM). Cronista. Autora de pequeno livro de contos "Fragmentos Amorosos".

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Agosto de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Agosto de 2019:

Henrique Dória, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Vieira de Almeida, Amoi Ribeiro, Angelo Oswaldo de Araújo Santos, Atanasius Prius, Caio Junqueira Maciel, Carlos Matos Gomes, Cida Sepulveda, Conselho Editorial, Demétrio Panarotto, Eloésio Paulo, Érico Hammerström, Flávia Fernanda Cunha, Flávio Otávio Ferreira, Gabriel Impaglione ; Rolando Revagliatti, entrevista, Gladys Mendía, Hermínio Prates, Hugo Pontes, Iza Maria de Oliveira, José Arrabal, Krishnamurti Goés dos Anjos, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luiz Edmundo Alves, Manuella Bezerra de Melo, Marco Aurélio de Souza, Maria Emília Lino Silva, Marinho Lopes, Max Lima, Ricardo Ramos Filho, Sônia Pillon, Tereza Duzai, Thássio Ferreira, Waldo Contreras López


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Aleko and Zemphira by moonlight: study for backdrop for scene 1 of the Ballet «Aleko»', 1942


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR