ANO 5 Edição 82 - Julho 2019 INÍCIO contactos

Nireu Cavalcanti


Machado de Assis escurecido    

RIO DE JANEIRO - Recentemente a mídia tem divulgado que o tom da pele de Machado de Assis, apresentado pelas antigas fotos do genial escritor, era falso e apresentou-o com a tez muito escura. Como o autor dessa afirmativa chegou a essa constatação, não lhe foi questionado. Pelo que li e assisti nas televisões não foram apresentados documentos da época, registrando a manipulação da cor da pele de Machado de Assis ─ a seu pedido ─ pelos diversos fotógrafos do século 19 e início do século passado.

 

Por outro lado, é gravíssima essa denúncia de que o genial escritor tivesse vergonha da cor de sua pele e, por isso, corrompeu todos os fotógrafos para estamparem sua imagem embranquecida. Mais surpreendente é a não reação dos Machadianos, da Academia Brasileira de Letras, das Universidades e do mundo cultural brasileiro.

 

Se os defensores da tez preta de Machado de Assis estudassem um pouco a história dos africanos e seus descendentes no Brasil e um pouco de genética não teriam coragem de levantar, como possível, esse falso histórico.

 

Vejamos as classificações usadas nos documentos eclesiásticos, jurídicos, jornalísticos, estatísticos e outras fontes no período da escravidão no Brasil, para pretos e miscigenados.

 

AS PESSOAS PRETAS

a) Escravos vindos da África eram classificados como: Preto de Nação (Angola, Moçambique, Cabinda, Monjolo etc.). Como mostra o anúncio de jornal do Rio (1812) 

 

 

 

Tipos de africanos registrados por Rugendas

b) Os filhos de escravos africanos que nascessem no Brasil eram classificados como crioulos.

 

c) Os pretos escravos que adquirissem liberdade eram classificados como forros, ou alforriados.

 

d) Os filhos de pretos forros eram classificados como Pretos livres.

 

e) Após os tratados com a Inglaterra ─ com Portugal e, posteriormente, com o Brasil ─ os escravos contrabandeados pelos navios negreiros quando aprisionados por navios ingleses, portugueses e brasileiros eram libertos e classificados como Africanos livres.

 

f) Os filhos de pretos com indígenas eram denominados de Cafuzos.

 

OS MISCIGENADOS

 

a) A primeira miscigenação entre pessoas pretas e brancas classifica-se como Parda.

 

b) A Parda miscigenada com Preta classifica-se como Cabra (homem ou mulher). O anúncio, abaixo, de fuga de escravo (jornal do Rio 1812) cita duas categorias: Crioula e Cabra.

 

 

c) A miscigenação entre pessoa Parda e uma Branca origina o Mulato.

 

d) A pessoa Mulata miscigenando-se com Branca gera a pessoa Mulata. Evidentemente que esse segundo nível de Mulato, geneticamente tem a possibilidade de ter a tez da pele mais clara do que a anterior.

 

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUNS PERSONAGENS IMPORTANTES, COM ORIGEM AFRICANA

 

PRETOS LIVRES:

 

a) Príncipe Obá II (Candido da Fonseca Galvão). Baiano (1834-1890) filho do africano livre Príncipe Obá I (Benvindo da Fonseca Galvão). Herói da Guerra do Paraguai, escritor.

 

 

b) Cruz e Souza. Catarinense (1861-1898). Poeta, filho dos pretos forros Guilherme da Cruz e Carolina Eva da Conceição.

 

 

PARDOS:

 

a) José do Patrocínio. Fluminense (1853-1905). Farmacêutico, jornalista e líder abolicionista. Filho do padre João Carlos Monteiro (branco) e da preta africana, Nação Mina, Justina do Espírito Santo.

 

 

b) André Rebouças. Baiano (1838-1898). Engenheiro, escritor, professor e inventor. Filho do pardo Antonio Pereira Rebouças e da (parda?) Carolina Pinto Rebouças.

 

 

c) Luiz Gama. Baiano (1830-1882). Advogado, jornalista, escritor e abolicionista. Filho de um comerciante português e da preta forra Luiza Mahin.

 

 

d) Theodoro Sampaio. Baiano (1855-1937). Engenheiro, escritor e professor. Filho do padre Manoel Fernandes Sampaio e da escrava (preta ?) Domingas da Paixão do Carmo.

 

 

MULATOS:

 

a) Lima Barreto. Carioca (1881-1922). Escritor e funcionário público. Filho do pardo João Henriques de Lima Barreto e da mulata Amália Augusta.

 

 

b) General Glicério (Francisco Glicério Cerqueira Leite). Paulista (1846-1916). Advogado, Ministro e general Honorário do Exército brasileiro. Filho do branco Antonio Benedito de Cerqueira Leite e da parda Maria Zelinda da Conceição.

 

 

c) Machado de Assis. Carioca (1839-1908). Escritor, funcionário público e um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Filho do mulato Francisco José de Assis e da portuguesa (branca) Maria Leopoldina da Câmara Machado.

 

 

Portanto, era Machado de Assis o mulato descendente de pessoas brancas em três níveis, o que justifica a sua tez ser mais clara do que a dos demais miscigenados.

 

Nireu Oliveira Cavalcanti, arquiteto, doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é professor  da Universidade Federal Fluminense (UFF) e autor de O Rio de Janeiro Setecentista (Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2004, entre outras obras.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Julho de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Julho de 2019:

Henrique Prior, Conselho Editorial, A. M. Pascal Pia ; Federico Rivero Scarani, trad., Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Adriane Garcia, Sérgio Fantini, Tadeu Sarmento, Atanasius Prius, Caio Junqueira Maciel, Clara Baccarin, Eduardo Madeira, Fábio Bahia, Federico Rivero Scarani, Francisco Gomes, Henrique Dória, Hermínio Prates, Indirá Camotim, Jean Sartief, Jennette Priolli, José Arrabal, Leandro Rodrigues, Leila Míccolis, Leonardo de Magalhaens, Luiz Eduardo de Carvalho, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Nagat Ali, Ngonguita Diogo, Nireu Cavalcanti, Osvaldo Ballina ; Rolando Revagliatti, entrevista, Ricardo Ramos Filho, Roberto Dutra Jr., Waldo Contreras López, Wanda Monteiro


Foto de capa:

PAUL GAUGUIN, 'Two Tahiti women', 1899


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR