ANO 5 Edição 81 - Junho 2019 INÍCIO contactos

Alberto Bresciani


Poemas extraídos de Fundamentos de ventilação e apneia    

Pedras ao mar

 

 
E se estávamos ali,
fixos no movimento
uniforme das ondas,
era que dividíamos
ventos, os poucos,
as tempestades,
as aves marinhas
e seus peixes, as aves
marinhas já mortas
Todos os ciclos
nos pertenciam
– ainda que distantes
nos parecessem
as nossas ilhas

 

Não tínhamos olhos
E assim era melhor

 

Sem ossos,
somos aquelas pedras
para sempre.

 

 

 

 

 

 

Anatomia

 

Para o que servem coração,
rins, fígado, veia cava,
gônodas e glândulas
vocacionadas ao pó?

 

Todos os dispositivos
complexos, ligados, frágeis
dentro de enguias, ursos,
tartarugas e gaivotas

 

Não importam cordilheiras
em transe, o livro nunca lido,
abstenções de carne, álcool,
esportes radicais, sexo e ar

 

Inúteis feixes de nadas
no fim das contas,
que pagaremos felizes
nesta segunda-feira.

 

 

 

 

 

 

Habitat I

 

Guardei sob a pele
todos os peixes, as conchas,
anêmonas, veleiros antigos
e recuperados aos sargaços

 

Ninguém conheceu
os oceanos que devoravam
as moças e os rapazes
de olhos castanhos

 

O silêncio da maré baixa
sabe o doce
de frutas selvagens,
um mundo híbrido,
primeiro, anfíbio

 

À custa de nomes marinhos,
sobrevivo
Aprendi a respirar na água.

 

 

 

 

 

 

Pânico

 

O pássaro sobre o galho,
hipnotizado pelo gato,
pela serpente, preso
como se houvesse visgo
sobre o ramo comum
Uma ave sem voo,
pronta ao voo,
os olhos esbugalhados
de medo do ofídio, do felino
que nunca existiram.

 

 

 

 

 

 

Bisões


E seguimos como bisões,
olhando para a frente,
em disparada, fugindo
de absolutamente nada
e de quase tudo

 

No caminho, outros bisões
se juntam ao grupo
e continuamos todos,
aos atropelos, na mesma rota

 

Corremos, nós os bisões,
para onde não sabemos
em uma pradaria fictícia
que, a exemplo dos rios,
é outra a cada migração

 

Olhamos para a frente
e nos perguntamos,
os olhos bovinos,
se este é mesmo
o nosso lugar.

 

 

 

 

 

 

Golfinho


O dorso sobre a areia grossa,
a pele rasgada ao sol
e pelo atrito das conchas,
preso à terra que não quis,
enquanto as gaivotas
gritam o fim

 

Ainda o poderiam salvar
a maré mais alta
ou uma onda que encontrasse
o céu cinzento

 

Mas ao país chegaram
os bárbaros e seu rei
e à invasão cederam
todos os mortais
Vêm agora com suas facas,
suas cimitarras

 

Logo, o primeiro corte.
 

 

 

 

 

 

Souvenir

 
Todo o tempo, vamos embora
e, no entanto, não nos perdemos
de vista em instante algum
Tentamos um novo enredo,
mas a memória é outro corpo
que arrastamos e decai
com os nossos, permanece,
cicatriz, nome que nunca cessa

 

E se nos víssemos entre os vivos,
outra vez na multidão? A imagem
fixa de susto e nos perguntaríamos:
e agora, quem some? Nenhum
de nós: somos a provação,
o cravo nas costas, as vértebras
e suas cracas para sempre,
um aleijão, a fisgada em cada gesto

 

Não nos esquecemos, sim,
nos esconderíamos com a mentira,
não nos lembramos, não
nos lembraremos de esquecer,
tornaremos os rostos à parede
mais vendo assim, transe,
mais sabendo que somos nada,
aprisionados nos nossos estômagos

 

Sim, a memória é uma unha
e ainda que cortemos o dedo
que a leva, e mesmo amputados,
leríamos a mutilação, a dor
fantasma, o concreto, toxina,
o plástico nas narinas,
o afogamento, a despeito
das transparências

 

E nos olharíamos, os mesmos,
quase os mesmos, despojos
de dias gastos.

 

Alberto Bresciani nasceu no Rio de Janeiro. Vive em Brasília. É autor de Incompleto movimento (José Olympio Editora, 2011) e de Sem passagem para Barcelona (José Olympio Editora, 2015, finalista do prêmio APCA de Literatura - Poesia de 2015). Integra, entre outras, as antologias Outras ruminações (Dobra editorial, 2014), Hiperconexões (Editora Patuá, 2014), Pássaro liberto (Scortecci Editora, 2015), Pessoa – Littérature brésilienne contemporaine (Revista Pessoa, edition spéciale – Salon du Livre de Paris, 2015) e Escriptonita (Editora Patuá, 2016).

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Junho de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Junho de 2019:

Henrique Dória, Conselho Editorial, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alberto Bresciani, Amanda Avils ; Nilo da Silva Lima, trad., Beatriz H Ramos Amaral, Caio Junqueira Maciel, Calí Boreaz, Carlos Barbarito, Carlos Orfeu, Cecília Barreira, Cinthia Kriemler, Edson Cruz, Flávio Sant’Anna Xavier, Frederico Klumb, Graciela Perosio, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Jorge Vicente, José Arrabal, Krishnamurti Goés dos Anjos, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Lino de Albergaria, Maria Estela Guedes, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Montserrat Villar González, Myrian Naves; Manuel Casqueiro, Ngonguita Diogo, Reynaldo Barreto de Moraes e Castro, Ricardo Ramos Filho, Silvana Menezes, Tiago D. Oliveira, Waldo Contreras López, Walter Cabral de Moura


Foto de capa:

DIEGO RIVERA, 'The marriage of the artistic expression of the North and of the South on this continent (Pan American Unity)', 1940


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR