ANO 5 Edição 81 - Junho 2019 INÍCIO contactos

Krishnamurti Goés dos Anjos


Vísceras infladas de vida    

 

 

ANOTEM AÍ. Mais um nome para se ficar muito atento. O da escritora Clara Baccarin. Brevíssima retrospectiva: formada em Letras e mestre em Estudos Literários pela Unesp. Publicou o romance “Castelos Tropicais”, “Instruções para Lavar a Alma” (poesia), “Vibração e Descompasso” (crônicas) e agora brinda os leitores com esse “Vísceras”, que é uma volta à poesia, e foi contemplado no edital de poesia do ProaC do Governo do Estado de São Paulo. Registre-se ainda, que o “Instruções para Lavar a Alma” recebeu o Prêmio Guarulhos de Literatura 2017 na categoria melhor livro de poesia do ano. Muito bem; a autora vem, decorrido pouco tempo de sua estreia na Literatura, pulando etapas e com destaque. Falo com absoluta propriedade porque li e resenhei os livros acima, e tive ainda a honra de assinar o Prefácio justamente da obra que recebeu o Prêmio Guarulhos.

 

Em “Vísceras”, que é dividido em quatro blocos temáticos (Fígado, Pulmão, Útero e Coração) estão reunidos 103 poemas onde reencontramos a jovem autora cada vez mais senhora do seu fazer literário. A desdobrar-se em terrível esforço de encarar tantas e tamanhas contradições desse nosso mundo cruel e fragmentário, numa verdadeira exposição visceral de experimentar-se nas possibilidades de existir e sentir partindo de uma atitude de valorizar a percepção como instrumento de uma escrita motivada pela vontade de trazer à tona as experiências significativas do mundo percebido.

 

“Mísero vagalume”

 

“depois da primeira casca de ilusão / há uma pessoa / .espere. / talvez esteja depois da segunda / .espere se conseguir. / (muita gente desiste no susto/ da primeira descamuflagem) / existe uma pessoa menos fantasiada / mas mais cintilante / (se seus olhos forem (d)espertos / e pacientes o bastante para notar / o lídimo nos olhos de uma pessoa) / há uma pessoa / que aparece sem grandes enfeites / sem luz de fora / como um mísero vagalume / na cidade dos encantos / (como se nunca / tivesse existido) / como se sempre / tivesse existido / dentro de uma verdade / simples de seu coração / humano” (p.49).

 

São também cheiros, sabores, vozes, memórias que saltam dos versos produzidos por Clara que, ora se mostra “vulcânica”, ora “delicadamente amarga” e em alguns momentos, a gotejar um amor quase maternal. E vamos lendo cernes ou nuances de questões como a culpa (e a desculpa), a loucura, a liberdade, o moralismo, assédios, a solidão, os mistérios da vida e da morte, o ser e assumir-se mulher e, claro, o amor. Sim, como não? Mas dizer que temos um livro em que entram reflexões filosóficas sobre o estar no mundo, (com boas doses de humor e ironia) é não dedilhar a tecla certa. Há mais, há um outro pulsar mais intenso nesse corpo poético. Chegaremos lá. Com a ajuda da autora:

 

“Performance espiritual”


“Não adianta seguir um guru, não adianta fumar cigarro da paz, beber o chá transcendental, não adianta saber as artimanhas do orgasmo tântrico, não adianta manipular a plasticidade das metáforas, não adianta seguir uma virtude qualquer que seja se ela é dogmática. Não adianta o desempenho dos gestos, das falas, das graças, se a alma nua não se sustenta e não se acessa (em luzes e sombras). Não adianta trocar a roupa, amassar as máscaras, se antes não se reconhecer cru, virgem, frágil, vulnerável, desconhecido de si mesmo e a poeira do medo ainda servir de escudo. Não adianta percorrer-se, se a honestidade não é consigo mesmo, antes de encarar o espelho, naquele momento de silêncio, em que ninguém olha e, no entanto, seu coração transcende.” (p.41).

 

De um simples e profundo lirismo intuitivo, intimista e sensorial, a autora parte de uma resistência firme a qualquer adesão passiva aos padrões sociais limitadores da existência, lança mão de metáforas expressas no corpo físico (fígado, pulmão, útero e coração), para construir uma poética tatuada pela sensibilidade, que permite novas relações com o mundo exterior, por meio da percepção. O texto corporal poético que trava essa conversação ora com corpos outros, ora com o próprio espaço corporal que o compõe enquanto poesia, é o veio que se encontra em sua arte poética, baseada também no desapego da superficialidade e no dizer o que se entrevê como transcendente através de sugestões do que se pressente, mas não se conhece racionalmente. Atitude de busca do ser, colocando-se na imanência do mundo, mas sempre em busca de transcendência. Em outras palavras e, ‘simplificando’: por esse caminho chegar à reinvenção da vida como uma possibilidade da própria vida.

 

A memória funciona brilhantemente nessa autora, e de um modo tal que ao invés de tentar esquecer o que aconteceu – por mais dramática que a experiência tenha sido – acrescenta um significado maior ao passado, sugerindo simbolismos que podem caracterizar o despertar de nossas consciências sobre o sentido da vida, de uma fé (dento da lógica do sentir), e da capacidade de lidarmos com nossos próprios traumas de forma positiva. 

 

“Como”

 

a força silenciosa / das trepadeiras / que escalam os muros/ e dos tempos espontâneos / das raízes que crescem / e levantam as calçadas / dos galhos que se retorcem / em volta das grades / dos arbustos que se esparramam / e dos musgos que tingem / as paredes

 

como / a teimosia / do que nasce e cresce / e forja a própria existência / a despeito / do sim / e do não (p.96).

 

Desse modo, o que poderia ser mais uma sucessão de imagens de desespero, medo, revolta e tristeza (tão recorrente no atual cenário poético brasileiro), se torna uma sequência exuberante de belas imagens, que mais elevam o espírito do que o afunda na melancolia. E temos então, e finalmente, aquilo que escrevemos acima, quanto ao “pulsar mais intenso desse corpo poético”.  A escritura de um ser que deseja “ultrapassar-se” por meio de um falar que nos concerne, nos atinge em cheio, nos seduz e arrebata, nos transforma no outro, e ele em nós.

 

“amor livre”

 

“plantei uma flor / mas ela não é minha

 

coloquei adubo / água todos os dias / escolhi um cantinho / de sol sereno / para que ela / plenamente viva

 

beijei as pétalas / toquei as sépalas / celebrei as abelhas / lamentei as perdas / das folhas mais velhas

 

tentei entender / o que ela queria / se menos, se mais / olhei para ela / escutei-a / entendi os sinais

 

cuidei dessa flor / mas ela não é minha / a casa onde ela mora / não é minha / a terra onde fica a casa

 

não é minha / plantei uma flor / que um dia / não mais verei / não mais cuidarei / não mais entenderei

 

mas na flor / fica o amor / na terra / fica o presente / no mundo / fica a doação / nas mãos / fica o meu melhor

 

na constituição / da beleza / fica o ensinamento / que deixo / com alegria / e desprendimento / para outro / coração / tocar” (p.116).

 

Ao cabo da leitura desse novo livro de Clara Baccarin, vêm-nos à lembrança os ensinamentos de Roland Barthes, acerca dos sentidos das coisas do mundo e no mundo, focando a literatura, enquanto ferramenta de reflexão. A poesia também busca os sentidos das coisas e, para isso, percorre o espaço que rodeia o sujeito poético, percebendo seres outros e significações existentes em seu entorno. Os poemas desse livro são claro apelo a que ressignifiquemos a vida dando-lhe um novo sentido. Positivamente, apreendemos os percursos de um corpo textual inundado pela poesia e pelos significados de uma percepção que infla de vida suas vísceras rumo a uma sensibilidade à flor da pele. Justamente o caminho reverso e diverso do que costumeiramente olhamos essa grande dádiva que é a vida.

 

Livro: “Vísceras” – Poesias de Clara Baccarin, Editora Patuá, São Paulo - SP, 2019, 144p.
ISBN 978-85-8297-772-9
 Link para compra e pronto envio:
https://editorapatua.minhalojanouol.com.br/produto/74819/visceras-de-clara-baccarin
ou
http://www.clarabaccarin.com/

 

Krishnamurti Góes dos Anjos. Escritor, Pesquisador, e Crítico literário. Autor de: Il Crime dei Caminho Novo – Romance Histórico, Gato de Telhado – Contos, Um Novo Século – Contos,  Embriagado Intelecto e outros contosDoze Contos & meio Poema. Tem participação em 27 Coletâneas e antologias, algumas resultantes de Prêmios Literários. Possui textos publicados em revistas no Brasil, Argentina, Chile, Peru, Venezuela, Panamá, México e Espanha. Seu último livro publicado pela editora portuguesa Chiado, – O Touro do rebanho – Romance histórico, obteve o primeiro lugar no Concurso Internacional -  Prêmio José de Alencar, da União Brasileira de Escritores UBE/RJ em 2014, na categoria Romance. Colabora regularmente com resenhas, contos e ensaios em diversos sites e publicações, dentre os quais: Literatura BR, Homo Literatus, Mallarmargens, Diversos Afins, Jornal RelevO ,Revista Subversa, Germina Revista de Literatura e Arte, Suplemento Correio das Artes, São Paulo Review, Revista InComunidade de Portugal, Revista Laranja Original, Revista Penalux e Revista Fórum.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Junho de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Junho de 2019:

Henrique Dória, Conselho Editorial, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alberto Bresciani, Amanda Avils ; Nilo da Silva Lima, trad., Beatriz H Ramos Amaral, Caio Junqueira Maciel, Calí Boreaz, Carlos Barbarito, Carlos Orfeu, Cecília Barreira, Cinthia Kriemler, Edson Cruz, Flávio Sant’Anna Xavier, Frederico Klumb, Graciela Perosio, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Jorge Vicente, José Arrabal, Krishnamurti Goés dos Anjos, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Lino de Albergaria, Manuel Casqueiro, Maria Estela Guedes, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Montserrat Villar González, Ngonguita Diogo, Reynaldo Barreto de Moraes e Castro, Ricardo Ramos Filho, Silvana Menezes, Tiago D. Oliveira, Waldo Contreras López, Walter Cabral de Moura


Foto de capa:

DIEGO RIVERA, 'The marriage of the artistic expression of the North and of the South on this continent (Pan American Unity)', 1940


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR