ANO 5 Edição 80 - Maio 2019 INÍCIO contactos

Leila Míccolis


Crônica: Você viu o Eu-lírico por aí?    

Certa manhã, um dos meus professores de Poética (matéria que eu amava na minha pós-graduação na UFRJ – e continuo amando), entrou na sala e falou muito sério, como se estivesse preocupado: “ – Algum de vocês esbarrou hoje com o Eu-lírico pelos corredores?”. Houve uns segundos de silêncio antes de entendermos que a indagação não passava de um tipo de premissa falsa para nos induzir, ardilosamente, a um silogismo lógico... (“pegadinha” de retórica discursiva...). E a seguir, em uma das lições mais inesquecíveis que tive dentro do contexto da minha área de Teoria Literária, ele nos relembrou que o lírico está ligado a um estado emocional momentâneo, não a um eu no sentido ontológico (em sua dimensão ampla, plena e integral); Se Staiger adjetivou os gêneros literários, em Conceitos Fundamentais da Poética, foi para ampliar o âmbito da taxinomia, acrescentando a ela análises e reflexões filosóficas, que extrapolam o campo da literariedade; hoje, porém, depois que o lírico personificou-se, nos referíssemos a ele como se fosse alguém do nosso convívio...

 

Gramaticalmente, enquanto pronome (primeira PESSOA do singular), o eu designa um SER racional, e sendo SUJEITO de uma frase, é QUEM pratica ou sofre alguma ação indicada através de um verbo. Em Psicologia, o ego também diz respeito a uma pessoa humana: constitui-se de uma das instâncias freudianas da Teoria da Personalidade (o ego, o id e o superego). Porém, um “eu” ficcional é... ficcional, fantasioso, seja em poesia ou em prosa. O vocábulo já indica que se trata de uma construção, ou seja, de uma composição composta (o pleonasmo é proposital) de criatividade, invenção, concepção imaginativa, vasta simbologia, recursos estilísticos (figuras de linguagem como metáforas, hipérboles, metonímias), e outras técnicas que o tornam um artefato, uma peça fabricada/criada/moldada/modelada/burilada/esculpida. Um texto confessional não o é, mesmo que pareça. Ninguém cogita na poesia, por exemplo, que Fernando Pessoa não tomava banho ou era desasseado... No entanto, ele escreve no Poema em Linha Reta, sob o heterônimo de Álvaro de Campos (o meu preferido...): “E eu (...) tantas vezes porco, (...) Eu tantas vezes (...) Indesculpavelmente sujo...” Eis o que o poeta português denomina de Cena Viva, em que há muito de teatralização (uma das marcantes características do Decadentismo) no fazer poético; e em um recuo histórico bem maior, lemos Aristóteles analisando a verossimilhança e a mímese  (imitação não da vida, mas das ações, reações e emoções humanas), nos advertindo de que a poesia não é a realidade em si mesma, mas sim a representação dela.

 

A escrita literária está intimamente ligada ao conceito junguiano de Persona: gente real, de carne e osso, que se coloca no lugar de um personagem e assume este papel durante a elaboração da obra, cujo conteúdo pode até se apresentar em direção diametralmente oposta à pratica de vida diária dos seus autores. “O poeta é um fingidor”, como sabiamente escreveu Pessoa, ciente não só das estratégias e máscaras inerentes à ficção poética, como também consciente de que no “eu”, singular, está embutido (arquetípica e universalmente) o nós, plural. Holisticamente, todos somos um.

 

Sabendo o que penso a respeito do “eu-lírico”, ao voltar da nossa famosa FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty, Flávio Machado, ótimo poeta carioca, escreveu-me sobre as mesas redondas que presenciou no evento: “Leila, lembrei-me muito de você, porque o tal do eu-lírico foi chamado insistentemente por diversos palestrantes nos debates de poesia, mas não subiu ao palco nem uma única vez”... Ri muito com o comentário dele.

 

Pelos motivos apresentados aqui, toda vez que ouço ou leio sobre o “eu-lírico”, tiro-lhe mentalmente o hífen, e transformo a palavra composta em nome próprio (nada mais justo, já que o eu se refere sempre – para mim – à individualidade de alguém...). Por isso, se você vir o Eulírico – sem hífen – flanando pela rua, por favor, dê-lhe o meu e-mail e peça para que faça contato comigo, urgente, pois gostaria muitíssimo de conhecê-lo, a fim de trocarmos experiências e, quem sabe, tomamos um cafezinho, ou mesmo uma gelada, em comemoração a este nosso memorável encontro.

 

 

Leila Míccolis, escritora de livros (poesia e prosa), televisão, teatro, cinema, pesquisadora, com Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado em Teoria Literária (UFRJ).

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Maio de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Maio de 2019:

Henrique Dória, Adelto Gonçalves, arrudA, Caio Junqueira Maciel, Camila Ferrazzano, Carlos Barbarito, Cecília Barreira, Diniz Gonçalves Júnior, Elizabeth Hazin, Fernando Andrade, Frederico Klumb, Geraldo Oliveira Neto, Graciela Perosio ; Rolando Revagliatti, Heleno Álvares, Hermínio Prates, Humberto Guimarães, Ieda Estergilda de Abreu, Jacob Kruz, Jayme Reis; Myrian Naves, Jean Narciso Bispo Moura, José Manuel Morão, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Leonardo Bachiega, Luiz Otávio Oliani, Marcelo Frota, Marinho Lopes, Matheus Guménin Barreto, Moisés Cárdenas, Myrian Naves, pelo Conselho Editorial., Noélia Ribeiro, Octavio Perelló, Waldo Contreras López, Wélcio de Toledo


Foto de capa:

FRANCESCO DEL COSSA e outros colaboradores, 'Maggio', 1468-1970.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR