ANO 5 Edição 79 - Abril 2019 INÍCIO contactos

Carlos Alberto Gramoza Vilarinho


Poemas II    

A PLANÍCIE DAS ÁGUAS

 

Laça um jacaré a sucuri,
laça uma capivara...
laça também um homem a sucuri,
no pantanal sul mato-grossense,
às margens do rio Paraguai.
Perde  de repente o homem a vida,
como o jacaré, a capivara...
desaparece de repente
o homem,
como uma qualquer outra coisa.
Intenta a natureza essa planície.
                   Entre os seus seres,
                  são todos leitos
desses aguaçais pantaneiros;
quanto de lágrimas,
                   são prantos doridos,
                            quanto de choros são risos.
A sucuri é um símbolo
                   (em suas espreitas)
         da natureza aparentemente
                   em ponto morto,
pelos ingênuos e incautos,
                            esquecida.
E são os rios as maiores
                   de todas as sucuris.
É o homem tão indefeso
quanto uma capivara, jacaré...
exposto à mira de uma sucuri,
                   dos coureiros...
em algum alagadiço, igarapé...
         beira remansosa de um rio,
                   cheia de árvores e sem clivo.
         A  pele  do  jacaré, da capivara...
                            a  pele  do homem.
Aos  meus  olhos,  mostra o vídeo, as imagens
                   que as levo guardadas na memória.
         Mais que o homem
                   é a natureza forte,
                                                   e exculpa-se.
Aves...sortindo os seus arvoredos gráceis,
de variadas cores
                   e cantos, teares delas
         e de outros víveres.
Ares plainados, garridos,
refletidas frondes, asas....
                                      nos cristais das águas,
renda de nuvens,
                   mordeduras suaves de ventilação,
                   adormências  deliciantes.
Dou braçadas
 nas águas do Parnaíba:
                   apenas um menino
nessa paragem do nordeste,
aqui, distante de lá...
                   tocado em sua alma,
         pelo levemente eterno,  
                   ora convulsos, ora tenros.
Os acordes, os ponteios...
                            (em arremessos)
e  menino receptivo cheio de sol
         da manhã em sua alma,
                   e do verde, como os bichos, pássaros.
O vento úmido, sol   ardente
da   manhã areada, as águas frescas...
                   penetrando-me a carne,
         o perene,
                   braços da natureza
no seu intento...de inteirar
         comigo, o seu férvido enlace.
                                                       

 

 

 

                                                                          

 

ESTRÍDULOS

 

Sou um Yanomami
sou um Guajajara
sou um Krahô
fui, ou melhor,
sou um Gueguê.
Com as suas variantes
                            cromáticas:
sou um negro
                   um indígena.
Entre outros muitos
                   sou sem nome,
                            insociável,
                                      intratável.
Inatingível são os alcances,
todos, essenciais para mim.
Sou e fui
todos os inacessos
         em forçados cotidianos
de vergastas, de anônimos infortúnios
         convividos, desse país,
                   presentes ainda.
Uma raiz invisível
alimenta a luta...
essa difícil esperança verde
                            de sobrevida.
Sou as águas desse rio,
                            e fui...
         Sou essas plantas...
Deixo que o sol adentre-me,
 raiando essas diversas cores
e espalhar o vento,
         dessas rosas, os seus aromas.
                                                       

 

 

 

 

 

 

         NOITE DE CHUVA

 

O fechar-se  do  tempo  de repente,
sombras apressadas
juntando-se com as dos bosques,
precipitando a noite.
Sombras de noites e nuvens,
o céu vem à terra
     afagá-la noite adentro.

 

Intensas sonâncias
                            e ressonâncias
me vindas dos brejos,
                   rios e frondes
agitadas nas ventilações.
Fazia um calor abafadiço.
Vez em quando, um clarão
                   ágil de relâmpago;
vez em quando 
         o trovão: calmo estremecer
de emoções boas
         pegadiças no meu peito.
E a chuva sempre remontando...
sem a reima
         que faz os detritos.
Meu peito cheio de gosto   
                   bom me escorrendo,
as bagas cantando nas telhas,
bicas, como diminutas levadas,
juntando as emoções,
levando-as por todo o meu corpo
no cantar das bagas frias.
A rede silenciosa,
solidão necessária afável
de brejos, rios, frondes
                            em mim.
A chuva outra vez remontando...
a chuva, lá fora, pegada.
        
                                     

 

 

 

 

RUMINAÇÕES

 

As sonâncias dos morros
cheios de sombras
                   e os quintais...
O sol a se pôr
                   atrás da serra,
ainda no rio,
         avermelha os seus reflexos
em colóquios com as paisagens
                   dos seus beirais,
com as ventilações.
Sorvos de solidão
         nos caudais das ruas,
         das casas acaçapadas,
no sangue, nos ossos,
         a medula até.
Horizontes deportados
para lugares escusos:
                   olhos perdidos,
nas nuvens, na tarde,
                   vagarosos,
ásperos silêncios remoídos,
contrições, segredos,
                   sons que rebentam
os peitos das cigarras.
Decifrar não consigo,
mas só sentir, sentir
                   comoções
que apertam-me fundo
nas essências e das coisas.
         Prossigo no entardecer.
Quase noite
         colho risos suaves, silenciosos
por mim
         e secos estremunhos.

 

                  
                                              

 

 

 

CANTO EM RISTE

 

Central América.
A voz arauta do guerrilheiro
grita o norte
                            inato
         do povo cubano.
A voz de Che Guevara,
                   argentino,
                            guerrilheiro,
face colada no mundo,
mundialíssima consciência.
                            Olhos bem abertos,
os sêmens ejaculando
                            dessa luz,
rebentando no ventre
do povo cubano,        
         no qual, vermo-nos, devemos.
Na procura dessa extremidade
racional,
razão que também desta
se engravidou a natureza
                   daquele povo,
no qual , vermo-nos, devemos,
seu eixo próprio, norte
nacionalismo,
                   nascidos de si mesmo.
Dessa mesma quilha
precisa nosso navio.
Sustentáculo próprio
procura o povo cubano,
                   a matéria
                   a intemporalidade.
Calou-se a voz do guerrilheiro.
Ecoa ainda
na reta traçada por Cuba,
pelo povo fundido em Fidel.
E deveríamos, nessa reta,
seguirmo-nos cosendo-nos.
                   E em sua vida cruciada,
                   nos vendo em nossa vida,
que também somos eles,
                   nos vendo neles:
                                      (irmãos).

 

 

 

 

 

 

                                                        O BANQUETE

 

Um banquete
onde será servida
 a justiça
em fartura:
                   o lírio
                   o bogari...
como símbolos daquilo
de que nos fala ainda
                            os querubins.
Um banquete onde será              
                            servida a paz,
a solidariedade,
o refazer pelos fios sutis
nos cosendo aos sonhos,
conduzindo-nos
tomadas ligadas das certezas
dos tonéis de acalantos.
Os fios invisíveis
                   nos transmitindo        
         as sensações,
os frescores das águas
                            de um rio.
Grande: rio/mar subterrado,
                   sem mais o gelado, o turvo,
o aterrador, mas aterra/dor.
Banquete universal
                            de Che Guevara
contagiando as nações
em chamamentos,
sem latifundiários da vida,
sem latifundiários do amor,
um banquete sem anfitriões
com os convidados de si mesmos.

 

                                                       

 

 

 

 

PAINEL POÉTICO

 

Poesia da paisagem
                   que, de delicadezas,
                   deixa cheio o coração.
Poesia da paisagem áspera.
Sangue ao vivo incandescido
                   aos borbotões,
         ela própria
                   dele tingida, e o chão.
Assim foi essas paisagens,
                   nosso herói Che Guevara.
Ensementado com as suas
                            Palavras,
me tornando tão clara/mente
por dentro, e fora, vagam
                   o meus olhos...
Alguns Vaga-lumes piscam
                   e colam-se
no manto da escuridiça.
No recolonialismo, a recaída
de quando se convalescia
                            a
                                      África,
do latino americano
                            consorte
da Ásia. Novamente em jogo
as intemporalidades,
         o estômago do povo
                                      (nós).
                            Distante vai o tempo
                   em que inconsoláveis,
         em frágeis botes
fugiam os vietnamitas:
assim será com Cuba...
                   eu tenho dois braços apenas,
                   essa luz, essas asas...
                                      apenas.
         E como disse meu Che
Guevara:
                   “um homem sozinho não é nada.”

 

                                                                          
                                                                 


 

 

LUZ À TONA

 

Pelo corpo todo
                   generaliza-se.
Os disparos no seu corpo,
meu Guevara,
                   tórax
da América latina.
Mas não percute a luz
da sua pele nascida,
                            consumada,
                                               consumida.
A canção do vento forte
permanecerá na flor
entoada com as águas claras,
com a verdade
                   e os meus ouvidos aguçados,
                                               para ouvi-la.
O povo (nós) tão esquecido
sempre
         para uma vida decente
e lembrado tanto
                   nas campanhas eleitorais....
Num mundo sonhado por abutres,
                            o seu passo a passo
         lento
                   caminhando para um silêncio,
         sem combate, nem o grito.
Sempre.
         Um mundo por eles sonhado,
em jogo sempre o estômago
                                      do povo,
imperialistas, garras cravadas,
                                               aquilinas
         na América latina,
                            África,
                                      Ásia...
Nessa manhã que fulge,
queria meu Che Guevara,
                            que nela
         focalizasse o sol,       
                            o dia emplacado de luz
e liberdade
                   descascada para os povos.

 

 

 

 

 

 

PÁRIA

 

         Sob uma árvore
uma mulher negra
( deitada na sua sombra)
forra o chão
                   com um saco de plástico
cheio de molambos.
                   Sinto
na sua puxada
                   funda respiração...,
         muitas andanças,
         árduas lutas,
força muita,
botada, curtida,
                   em vão.
Estrebuchos nesse corpo
         e nada, nada seu,
                            nada lhe
                                               pertence,
nem o seu próprio ser.
Final: seus direitos saqueados
         e abandono,
         cachaças,
         drogas,
além daquela vida
                   que lhe deram.
Padecer se triplica...
por ser mulher,
                   pobre,
                            e negra ainda.

 

                                                                 

 

 

 

 

PAISAGEM BREVE

 

Ficassem agora lentos
os ponteiros do relógio,
em cada segundo,
                            minuto,
                   hora,
uma eternidade
marcando os passos do sol,
que encontram-me sempre desperto.
Salto da rede...           
                            Desperto.
Meto a cara nele,
                   de mãos vazias,
só com a coragem.
                            Eu
                                      (covardia)?
E ficassem esses pingos frios
em seus colóquios nas telhas
e com ventos suaves, com as
                            soleiras, folhas...
                                      da chuva fina dos cajus...
pela noite toda...destilando
                   amaduradas ternuras,
fluindo alentos
                   do não descurar
do sentimento
                   (humano) do mundo.
Fluindo dessa cisterna,
que, de tão cheia,
                            tão lentas conta-gotas
e breves, vazam na minha face,
e veem os meus olhos
a possibilidade
de encontrar-me ainda com o sonho.
Mas sempre encontra-me o sol...
e parto para mais um sempre
                                      mesmo dia,
com a novidade dos outros.
                            E desassossegos de assentos

de acalantos, esses.

 

Carlos Alberto Gramoza Vilarinho - Nascido em 08 de Janeiro de 1958.

 Nascido em Boa Esperança – Distrito de Amarante, Piaui-Brasil.

- Publicações: “Tempos Perplexos” – poesias
                     “Passos Oblíquos”
                     “Ressacas” – Poesias
- Participou da antologia “Baleia Verde”: poesia ecológica Tv Educativa produtora intervídeo e Editora Shogum Arte Rio de Janeiro;

- “Grito, logo existo”: poesia protesto organizado por Nilto Maciel – Brasilia-DF;

- Colaborou com a revista  “LB Revista da Literatura Brasileira” – São Paulo; 

- Publicações em outras revistas e jornais.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Abril de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Abril de 2019:

Henrique Dória, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Vieira de Almeida, Alexandre Brandão, Amoi Ribeiro, Angelo Abu, Caio Junqueira Maciel, Camila Olmedo, Carlos Alberto Gramoza Vilarinho, Carlos Emílio Faraco, Humberto Guimarães, Carlos Matos Gomes, Cássio Amaral, Constâncio Negaro, Danyel Guerra, Deisi Scherer Beier, Delalves Costa, Eduardo Wotzik, Hélio Aroeira, Henrique Prior, Jesús Fuentes, José Arrabal, José Gil, Leila Míccolis, Marcelo Frota, Marcia Kupstas, Marcus Groza, Maria Alice Bragança, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Mulherio das Letras, Patrícia Porto, Paulo Loução, Ricardo Ramos Filho, Rocío Prieto Valdivia, Viviana Bosi


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Crucificação branca' (1938)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR