ANO 5 Edição 79 - Abril 2019 INÍCIO contactos

José Gil


Máscara na cabeça, ou a importância da prática teatral nas escolas, politécnicos e universidades no século XXI    

“A morte de um país é mais que uma máscara pendurada na parede” (José Félix)

“Nas artes o número de diplomados por ano passou de 1500 para mais de 5000 de 1996 para cá”1

 

Porque é que importa no seculo XXI praticar teatro?

 

É banal dizer que as práticas de educação pelas artes, o teatro, a dança, o vídeo, os audiovisuais, o digital e as artes plásticas, desde a infância alimentam o cognitivo emocional e o sentimental motor, que não basta explicações para povoar o país, o urbano massificado e o interior menos povoado, de lugares, laboratórios ou ginásios das artes em lugares de afetividade e imaginação pela prática artística.

 

Não é importante querer arte e espetáculo de qualidade generalista e generalizado no nosso universo pátrio para justificar que a prática, o jogo das emoções desenvolvem as zonas neurológicas e simpáticas.

 

Gostamos de viver uma vida de máscaras mais do que um baile, uma paisagem e uma agenda de jogos de faz de conta.

Máscara na face, na cabeça, no ouvido: ela permite conhecer melhor os outros, ouvir crianças tocando violino nos corredores das escolas públicas e jovens representando Teatro Físico no relvado dos parques urbanos em dias de verão que estão para chegar.

 

Praticar teatro com seriedade não significa o objetivo de ser Profissional do Teatro, mas antes prevê ser bom espectador com a liberdade e a sapiência de escolher porque tecnicamente e criativamente o espetáculo A é muito melhor que o espetáculo B ou C.

 

Contribui para o Bom Espectador , Criativo e Ativ,  um bom Programador de Espetáculos em todas as localidades, freguesias e bairros.

Mas queremos mais! Queremos através do Teatro de Amadores ou do Teatro de Amadores Escolar o conhecimento e as competências artísticas aplicadas.

 

O aumento das cargas horárias curriculares e extracurriculares de expressão dramática e de Teatro aumentaram nos últimos 40 anos de forma exponencial. Interessa mesurar o peso das artes no chamado Perfil dos estudantes à saída do 12º ano.

 

O Teatro e a aprendizagem  prática é a única paralela que se cruza com a outra reta.

 

Há sempre nas nossas vidas cenografias e encenações de mundos paralelos e com eles vivemos bem. Com a máscara na cara ou simplesmente na cabeça.

 

Quantas vezes nos mascaramos? Quanto ajuda a respirar mais ar puro!
É tão importante na educação abrir Janelas, como abrir ou sair do Armário.

 

Que melhores práticas na Juventude?

 

“Só Os Jovens Podem Salvar o Teatro”

 

O teatro com as novas tecnologias e as Redes Sociais cria novas formas de representação da sociabilidade, da organização e da comunicação entre os jovens.

 

“Há um mundo novo por cima de nós”2 e no nosso mundo interior.

 

No nosso Laboratório Teatral Diário abrimos muitas janelas no escuro e desenhou-se a expressão “Só os Jovens podem Salvar o Teatro”.

 

Teatro do Politécnico

 

Neste artigo abordamos de forma pontual uma forma de Avaliação do Teatro do Politécnico.

 

No dia a dia, sobretudo no trabalho experimental de investigação e registo no nosso Laboratório Teatral ESE/IPS: Trabalhos de Direção do Teatro do Politécnico, do Teatro Porta a Porta e do Clube de Espectadores IPS.

 

Para entender melhor o nosso memorando e agenda do Teatro do Politécnico IPS que a seguir descrevemos, há que reconhecer que existe  uma dedicação do IPS ao Teatro desde há 40 anos quando nasceu.

 

Manifesta-se mais claro na ESE – Escola Superior de Educação, mas o teatro inclui pessoas da EST, da ESCE, da ESS e também de uma Associação Local: Sado Acolhe.

 

A escola ESE leciona um grande leque de disciplinas dentro das artes. Todos os cursos na ESE têm artes, cerca de 3 disciplinas no âmbito do teatro estão integradas nos diferentes cursos da ESE.

 

Espetáculos como “Comboio Fantasma”, “Jangada de Pedra”, “Nau Catarineta” e a participação no antigo programa da RTP “Com Pés e Cabeça” mostram talentos ao longo de 4 décadas.

                           
O teatro é  a “arte é a expressão mais humana, distingue-nos dos animais, e que passa pela criação artística”.

 

A ESE prepara professores para educação pela arte, tendo um grande leque de professores de artes que podem dar apoio às escolas de tecnologia, saúde e economia no que respeita ao desenvolvimento da criatividade. Pode potenciar o desenvolvimento de práticas de Coach criativo.

 

A Arte é um treino diário.

 

É fundamental que o IPS se integre na cidade e não seja apenas uma fronteira entre as partes. O Teatro através da transformação do Campus em Cidade das Artes com esculturas, concertos, espetáculos de Teatro, exposição de pintura, fotografia, joalharia, cursos de Audiovisuais Se pudesse criar do zero o Instituto, como seria um sistema ideal para si? Não haveria aulas expositivas obrigatórias . As pessoas mais jovens e menos jovens (os maiores de 23), os nacionais e internacionais procuravam o saber por curiosidade, procuravam o professor (sistema de tutoria/mentoria) que os orientasse na busca da informação. Procuravam Seminários, Conferências, Workshoops, teatros, cinema, o mundo informatizado.

 

Muito dos jovens não sabem que curso escolher. O primeiro ano poderia ser livre, sem opção de curso, seria bom para os jovens terem acesso a diferentes áreas de saber e nesse ano terem uma perceção do caminho a escolher. Por outro lado, arte e criatividade em todos os cursos da Gestão às Engenharias.

 

Flexibilidade de incorporação das artes nas diferentes escolas e cursos, incluindo a Educação para a Sustentabilidade.

 

CAPITAL DO TEATRO DO MUNDO

 

Acredito que o melhor teatro do mundo se programa em salas e Festivais, se cria em diversos grupos e companhias, fica num eixo entre Stº André Santiago do Cacém,  Sines e Lisboa passando por Almada, Palmela, Pinhal Novo, Barreiro, Montijo, com Capital em Setúbal onde existem dezenas de grupos e companhias emergentes e já com muita história. Dezenas de criadores que precisam de melhor exposição e divulgação e de mais meios financeiros. Há dois ou Três grandes Festivais Internacionais de Teatro que marcam este eixo: Almada, Setúbal e uma Mostra em Stº André de Teatro Físico.

 

Mamorando de Criação, encenação e Interpretação

 

) Poesia Insubmissa - MULHER- 8 de Março 2018. Mais de 55 espectadores.
Dia Mundial – Hall da ESE – Ana Pessoa, Gabriella Rodrigues, Cristina Roldão, Federica Poda, Giulia Atzori, Maia, Madalena Roque.

 

2º) “Etiquetas” Língua Gestual - 20 de Março 2018, Sala de Drama, 33 espectadores.

 

3º) Animação da Leitura, com Andreia Bernardo - Biblioteca Municipal da Moita  – Apresentação do Livro de Zélia Filipe - 24  de Março 2018 -16h-100 espectadores.

 

) ETIQUETAS - Semana da Empregabilidade – Hall da ESCE e Cantina - 7 de Março - 1h - 100 espectadores nos dois locais - Rafaela Alface, Laura, Inês, Inês Moita.

 

) ETIQUETAS- Casa da Cultura de Setúbal - Diogo Mariano, Ana Margarida,  Ana Rosa, Rafaela Alface, Inês Macedo - 15 de Março 2018 - Dia Mundial da Poesia, Dia Mundial do Teatro, 33 espectadores.

 

) Chapéus e Poemas - Patricia Brioso e Miguel Baltazar – Sala de Drama - 12h (7 espectadores).

 

) Poesia Insubmissa – 2 – Anfiteatro -1 00 espectadores - Seminário LER MAIS / AIS - 14h - 18-4-2018 - Ricardo Duarte, Rita Alface, Catarina Parrado e José Gil (55 espectadores).

 

) Daily Mimics - Teatro sem Palavras - Semana Internacional IPS-ESSE – 16.30h  (57 espectadores Internacionais - de todos os cantos do Mundo. Apoio IMOB).

 

) Consultório - 27 de Abril, 15h, Anabela Pereira, Júlia Justino, José Gil, (Professores da EST) Madalena Roque (estudante ESE), 33 Espectadores.

 

10º) TPP – Histórias de Vida - 2 de Maio 2018 - 14h “LerMais” Teatro Porta a Porta IPS Licenciatura Ais – Sala de Drama - Recolha de Histórias de (Uma) Vida - André Fernandes, Sara Alexandra Batista, Inês Macedo, Catarina Vilelas, Inês Santos, Margarida Mendes, Cátia Santos, 53 espectadores.

 

11º) Consultório - 15 de Maio 2018 – 9.27h - Anabela Pereira, Júlia Justino, José Gil, (Professores da EST) Madalena Roque, 33 espectadores.

 

12º) Poder Fugaz - 29 Maio 2018 -  Anfiteatro. Cristina Roldão, Maria José Coda, Ana Pessoa, Paula Rosa, Ana Maria Rodrigues, Mariana Pinto, Filipa Santos, José Gil, 100 espectadores.

 

13º) Animação em expressão dramática - Inês Lourenço Jones, Ana Carolina, Carolina Calado, 27 espectadores - Biblioteca Municipal do Pinhal Novo - Feira Festa do Livro - Câmara de Palmela. Junho.

 

14º) Artimanha Intervenção Ibero Americana Pinhal Novo – 12 espectadores – Julho.

 

15º)É já a seguir Pavilhão Gimnodesportivo - 200 espectadores. TP - 24 de Setembro 9h.

 

16º)  “Estive 9 horas no Hospital e mandaram-me para outro Hospital”-15-11-2018 - Comunidade Europeia Espaço Europa – Lisboa – 100 espectadores. Surdos Escolas de Lisboa e público em geral - Comemorações do Dia Nacional da Língua Gestual.

17º) ALEÉ – Teatro para crianças-   Estreia 20 de novembro. 2018-12-12 -  10h - Sala de Atos -20 crianças.

 

18º) “Estive 9 horas no Hospital e mandaram-me para outro Hospital” - Teatro LGP-ESE. 30-11-2018 para Pós-Graduações da ESE-Práticas Artísticas Inclusão Social.

 

19º) “Estive 9 horas no Hospital e mandaram-me para outro Hospital” - Teatro LGP-ESE-Colégio Atlântico 55 espectadores.

 

Praias de Cascais e Sintra 12h
6-4-2018

José Gil

 

Notas

 

Pedro Teixeira Expresso 6-4-2019 Lisboa

2º Francisco Louçã Expresso 6-4-2019 Lisboa

 

 

 

 

 

 

 

 

José Gil Estudou no Conservatório Nacional – Reforma Veiga Simão - Madalena Perdigão. Teve como professores Mário Barradas, e outros. Estudou igualmente no Instituto Politécnico de Lisboa – Escola Superior de Teatro e Cinema (Jorge Listopad - João Mota).
Realizou Doutoramento de Teatro na UTAD – Universidade  de Trás-Os-Montes e Alto Douro - Vila Real [orientação do Professor Doutor Carlos Cardoso] (2005). Fundou, criou e dirigiu diversas Companhias de Teatro e espetáculos amadores, politécnicos e profissionais [desde 1973-74]. Executive Diretor da IDEA –Internacional Drama Education Association. Eleito no Congresso do Quénia- Kisumo.

Escreveu “Construção do Corpo – Exemplos de Escrita Criativa” com Isabel Bellmann para a Porto Editora (1999), assim como vários livros de poesia com diversos poetas portugueses e brasileiros, em várias editoras,  integrando também Antologias Luso-Brasileiras e de outros países da América do Sul..Atualmente, é Prof. Adjunto de Teatro e outras disciplinas afins em diversas Licenciaturas da Escola Superior do Instituto Politécnico de Setúbal (há 31 anos). Fundou, criou e dirigiu o T.P. IPS Teatro do Politécnico do Instituto Politécnico de Setúbal em 2013, tendo obtido financiamento da Fundação Calouste Gulbenkian a partir do ano seguinte.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Abril de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Abril de 2019:

Henrique Dória, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Vieira de Almeida, Alexandre Brandão, Amoi Ribeiro, Angelo Abu, Caio Junqueira Maciel, Camila Olmedo, Carlos Alberto Gramoza Vilarinho, Carlos Emílio Faraco, Humberto Guimarães, Carlos Matos Gomes, Cássio Amaral, Constâncio Negaro, Danyel Guerra, Deisi Scherer Beier, Delalves Costa, Eduardo Wotzik, Hélio Aroeira, Henrique Prior, Jesús Fuentes, José Arrabal, José Gil, Leila Míccolis, Marcelo Frota, Marcia Kupstas, Marcus Groza, Maria Alice Bragança, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Mulherio das Letras, Patrícia Porto, Paulo Loução, Ricardo Ramos Filho, Rocío Prieto Valdivia, Viviana Bosi


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Crucificação branca' (1938)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR