ANO 5 Edição 79 - Abril 2019 INÍCIO contactos

Marcelo Frota


Poemas    

Almost Blue

 

Acendo um cigarro de olhos fechados
O movimento mecânico do corpo eleva
A sensação de pertencer ao tempo presente

 

A tragada não agride o céu da boca
Nem desce seca tomando garganta e pulmões
A nicotina é vida quente nesse corpo entorpecido

 

Seguro a fumaça doce mentalmente acompanhando
Os compassos de Almost Blue enquanto Chet declama
Versos de agonizante melancolia harmônica

 

Solto o ar e a fumaça assume seu lugar na sala
Entre sofás e discos e livros e cinzeiros a fumaça é a casa
A lembrança da morte impregnada no que compõem a vida

 

Almost Blue consola meus ouvidos enquanto consumo
O que me consome e componho versos que nada são
Além do retrato de uma vida embalada pelo quase triste.

 

 

 

 

 

 

Amar é cortar os pulsos com lâmina cega

 

Uma garrafa de vinho vazia
E outra
Pela metade e a noite
Se esvai fria entre a trilha instrumental
De Kristin Asbjørnsen para Factotum
E a voz de Jane Birkin para as canções
De Gainsbourg.

 

A música é refúgio caloroso
Para a solidão perpétua
Nada atinge a carne como o desejo
Não realizado de um corpo
Nu entre paredes e janelas e estrelas
Não há corpo nem possibilidades
Nem o suicídio é hipótese.

 

A noite avança a medida
Que a garrafa esvazia, mas ela tem amigas
Outras garrafas cheias
Aguardam o desespero das horas
Esperam deitadas que a histeria da mente
Se torne insuportável, que o eletrochoque
Líquido venha desmaiar o louco que grita
“Amar é cortar os pulsos com lâmina cega.”

 

Jane sussurra entre imagens de Bergman e Allen
Imagens trazidas pela familiaridade do desespero
Conjugo verbos entre cenas cinematográficas
Que só o cérebro frenético projeta
Entre chanson e álcool e filmes suecos
E silêncio
O sono não é escolha nem proteção
É cadeira elétrica, injeção letal e abraço de mãe.

 

 

 

 

 

 

A Love Song for Leonard Cohen

 

Nessa silenciosa, bucólica tarde invernal
O vento inóspito prenuncia a tempestade feroz, e traz
Consigo uma música longínqua, música da memória
Um despertar da hipnose cotidiana, resgate
Abrupto de um transe ora confortável, ora bestial

 

 A fuga, nessa melancólica tarde cortante
Sacia os cômodos abstratos da mente, cômodos onde
Anfetaminas roubadas e uísque barato não mais
Entorpecem os olhos do horror, não mais
Nublam as lembranças dos dias alegres

 

Esse desentorpecer do transe da tarde
Ressuscita Songs from a Room do limbo, volto (eu)
A segurar Leonard Cohen como um crucifixo, (sou)
Sua Marianne de óculos, barba e desespero
Um quarto qualquer no Chelsea Hotel

 

Escolho celebrar-te assim no tempo
Nobre bêbado bardo trovador acústico, poeta
Profeta do caos elegante, do fedora nas têmporas grisalhas
Dos cigarros amassados nos bolsos bem cortados
Eternos são teus versos, em vinil gravados.

 

 

 

 

 

 

Do Amor

 

Do seu amor sobrou o vento
Uma sucessão de cômodos vazios
Um emaranhado de cabos de conexão
Livros, espalhados pelo chão

 

Do meu amor sobrou o sangue
As ataduras caseiras nos pulsos
O vômito no mármore da cozinha
Filmes, em preto e branco na TV

 

Do nosso amor nasceu o silêncio
Um crescente acorde do não dizer
Uma filosofia covarde do protelar
Um vinil raro, tocado no mudo.

 

 

 

 

 

 

Ela Dança em Horror na Vastidão Fria da Noite

 

Ela dança em horror na vastidão fria da noite
Criança órfã do amor que a cobre, a encanta
Em horror ela dança entre estrelas e postes

 

As luzes do céu e dos homens a fazem perder-se
Entre as linhas da oração regiamente decorada, entre
Uma tragada e outra do cigarro amassado

 

Dança ela em horror vestida de lua, fere fundo
Os pés nus no asfalto áspero, sangra afetuosa
Vertendo líquidos que dos olhos há muito secaram

 

Vasa pelos pés perfurados em dor magistral, destrói
Pele e unhas e ossos e ante a sombra da inconsciência
Ela dança, em horror na vastidão fria da noite.

 

 

 

 

 

 

Ela

 

Ela é desejo em carne branca
Sombra e sangue na neve dura
Reflexo onírico da noite escura

 

Ela é o rouxinol inocente nu
Obscura dança no negro céu
Fria fêmea muda, um jubileu

 

O lobo a cobiça, a aguarda
Voraz e mansa e desnuda
O vil feroz lobo a encanta

 

Ela é arte em pele branca
Enigmática face renascentista
Estandarte do tempo, Deusa.

 

Nota:
Estes poemas farão parte do próximo livro do autor, “O sul de lugar nenhum”, a ser editado pela Penalux no primeiro semestre de 2019.

 

 

Marcelo Frota é professor, formado em Língua Inglesa e Literatura pela Unijuí, tradutor, crítico literário e cinematográfico. Nascido no Rio Grande do Sul em 1979, é apaixonado por cinema, literatura e música e tem apreço especial pelo jazz e pelo blues, sem deixar de lado o rock clássico e a chanson francesa. Se considera um cinéfilo devoto e apaixonado pelo cinema europeu, americano, latino-americano e brasileiro. No seu coração literário os espaços são ocupados por autores que vão de Shakespeare a Saramago, sem nunca abandonar os romances policiais baratos, a ficção científica e a poesia marginal. Estreou na literatura com “Compilação Poética das Margens” em 2016 e está lançando esse ano “O Sul de Lugar Nenhum” pela Editora Penalux.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Abril de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Abril de 2019:

Henrique Dória, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Vieira de Almeida, Alexandre Brandão, Amoi Ribeiro, Angelo Abu, Caio Junqueira Maciel, Camila Olmedo, Carlos Alberto Gramoza Vilarinho, Carlos Emílio Faraco, Humberto Guimarães, Carlos Matos Gomes, Cássio Amaral, Constâncio Negaro, Danyel Guerra, Deisi Scherer Beier, Delalves Costa, Eduardo Wotzik, Hélio Aroeira, Henrique Prior, Jesús Fuentes, José Arrabal, José Gil, Leila Míccolis, Marcelo Frota, Marcia Kupstas, Marcus Groza, Maria Alice Bragança, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Mulherio das Letras, Patrícia Porto, Paulo Loução, Ricardo Ramos Filho, Rocío Prieto Valdivia, Viviana Bosi


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Crucificação branca' (1938)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR