ANO 5 Edição 76 - Janeiro 2019 INÍCIO contactos

Luca Argel


Poemas

teste todos os efeitos para saber quais podem virar
procedimentos porque nem todos podem e você não vai querer descobrir isso tarde demais por isso estou te contando
não deixo com isso de levar em consideração a possibilidade
de você querer ainda mudar de nome
e além disso não poder mais nada


se a única coisa verdadeira de que ainda sou capaz continua
sendo você sabe


cortar as unhas no sentido inverso
e no entanto e no entanto eu realmente me envergonho é da
minha vida
é da minha vida não caber mais num procedimento ou na mala
de viagem de que sou herdeiro

 

 

(esqueci de fixar o grafite, 2012)

 

 

 

 

 

 

Es.Col.A. – Viva Filmes (2013)

 

à antiga,
mui gourmet,
sem plano social
e turística
cidade do porto.

 

foi imigrante, depois exilado,
hoje é sonâmbulo.
tem dois sonhos
recorrentes.
não é de todo indiferente
aos pequeninos massacres
de fim de semana.
pratica sim a compaixão
como a praticam as bombas falhadas.
já as ameixas,
prefere-as frias.
acaba de se dar conta
de que é mais velho do que a casa
onde mora.

 

 

(Topadas no Escuro, 2015)


 

 

 

 

 

QUEM É VOCÊ NESTE GIF?

 

a mulher está na rua com outras pessoas
fazendo platéia para assistir à demolição
de um prédio vizinho.
a mulher segura pela coleira um cão
que está tentando desesperadamente
fugir do local.
a mulher vira-se para trás para agarrar o cão,
consegue apanhá-lo no colo, e quando volta-se de novo
o prédio já caiu por completo.

 

 

(uma pequena festa por uma eternidade, 2016)


 

 

 

 

 

A PARTE ESCRITA

 

a parte escrita deste poema
sofreu alterações irreversíveis.
embora ninguém saiba exactamente quais são elas,
a parte escrita deste poema
há muito já não é a mesma.

 

das cinco palavras do título
nenhuma foi aproveitada.
os verbos e os pronomes
foram todos substituídos.
o último verso
não existe mais
e os outros mudaram de lugar.

 

o assunto e os personagens
da parte escrita deste poema
diluíram-se a cada releitura
até desaparecerem completamente.
o autor da parte escrita deste poema
está irreconhecível
e mesmo o seu nome
já tem outro significado.

 

da parte escrita deste poema não restou
nenhum susto,
nenhuma mancha de grafite.

 

 

(CONTEMSPOILERS, 2017)

 

 


 

 

 

PETIT CHORAL

 

atrás da nuvem de vapor
atrás da nuvem de vapor de um experimento
atrás da nuvem de vapor de um experimento mal sucedido
atrás da nuvem de vapor de um experimento mal sucedido quase

 

quase não se veem
quase não se veem as três
quase não se veem as três torres
quase não se veem as três torres da catedral
quase não se veem as três torres da catedral escorrendo

 

escorrendo lentamente
escorrendo lentamente para dentro
escorrendo lentamente para dentro do ralo da pia

 

 

(CONTEMSPOILERS, 2017)

 

 

 

 

 

 

FOTOGRAFIAS DE ANTANAS SUTKUS

 

(3)

 

um solista seria mais útil em certo desastres
um solista no desmoronamento
um solista improvisando agarrado à turbina do avião
um solista seria muito mais útil em um naufrágio
um solista que afunda e pensa nas galáxias espirais
que também afastam-se de nós a grande velocidade

 

 

(CONTEMSPOILERS, 2017)

 

 


 

 

 

ANTÍFONAS CAFONAS

 

(1)

 

é tão desagradável e entretanto
eu não deveria deixar de dizer
você vê
é assim
que se sente o raivoso
o agnato e o cachalote
o seu tio com crise
de sinusite
o estrago
entenda
está feito
que não é fechando
e sim afastando
que castiga-se os lábios

 

 

(CONTEMSPOILERS, 2017)

 

 


 

 

 

COMO ARRANCAR DOS DEDOS ANÉIS APERTADOS

 

levante a mão acima da altura da cabeça
como se estivesse querendo fazer uma pergunta.
uma pergunta muito boa
a alguém que fala, a alguém que está falando,
a horas sem parar.
imagine que a sua pergunta é importantíssima
e que você se sentiu, se sente, muito orgulhosa de si
por tê-la formulado tão bem. você teve, você tem
certeza de que todos na sala vão ficar impressionadíssimos
com a sua pergunta quando você a fizer -
só que você está na última fila e
a pessoa que está falando
não consegue te enxergar.
mas imagine então que você insiste, que você insistirá
até que ele te enxergue (ele não te enxergará)
e aguenta firme esse braço levantado,
apesar de já senti-lo ficar dormente, branco, roxo
e por último cinza.

 

 

(uma pequena festa por uma eternidade, 2016)

 

 

 

 


 

11'09''01 – Ken Loach (2002)

 

um marco geodésico pode ser a distração do piloto entediado
ou o maior orgulho da aldeia

 

um cavalo na chuva pode ser um filme de Kurosawa
ou a primeira preocupação do dia

 

um som como esse vindo de cima pode ser o canto distante de um salmo
ou o ranger de dentes do último do beliche

 

"que livros havia no quarto dela?" pode ser um belo tema para uma dissertação
ou a próxima pergunta do investigador de polícia.

 

 

(Topadas no Escuro, 2015)

 

 


 

 

 

É OFICIAL: ACABARAM MEUS GRAMPOS

ultimamente
porque os objetos de repente pararam
de responder
o momento mais divertido
de todo dia
tem sido me ouvir
escovar os dentes
eu penso
enquanto eu escovo os dentes
como vou te explicar
eu fecho os olhos para ouvir melhor
o que está acontecendo
dentro da minha boca

 

 

(esqueci de fixar o grafite, 2012)

 

 

Luca Argel (Rio de Janeiro, 1988), é formado em música pela UNIRIO e mestre em Literatura pela Universidade do Porto, com tese sobre o machismo na poesia de Vinicius de Moraes. É vocalista e compositor dos grupos “Samba Sem Fronteiras”, “Orquestra Bamba Social” e “Ruído Vário”, este último em parceria com a cantora Ana Deus, sobre poemas de Fernando Pessoa.

Tem livros de poesia publicados no Brasil, em Espanha e em Portugal, um dos quais foi semifinalista do Prémio Oceanos 2017. Assina a rubrica semanal “Samba de Guerrilha”, na Rádio Universitária do Minho. Em 2016 lançou seu primeiro disco a solo, “tipos que tendem para o silêncio”, e em seguida “Bandeira”, considerado pelo site Embrulhador como um dos melhores lançamentos da música brasileira em 2017.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Janeiro de 2019


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Janeiro de 2019:

Flávio Sant’Anna Xavier, Adán Echeverría ..., Adelto Gonçalves, Amoi Ribeiro, André Ricardo Aguiar, António Vera, Carlos Matos Gomes, Elisa Scarpa, Eunice Arruda, Federico Rivero Scarani, Geraldo Lavigne de Lemos, Henrique Dória, Hermínio Prates, Jandira Zanchi, Jorge Castro Guedes, José Ioskyn ; Rolando Revagliatti, entrevista, Leila Míccolis, Lenita Estrela de Sá, Leonardo Almeida Filho, Luanda Julião, Luca Argel, Luiz Otávio Oliani, Maria Emília Lino Silva, Mariana Sosa Azupian, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Octavio Perelló, Ramón Peralta, Ricardo Ramos Filho, Salomão Sousa, Túlio Henrique Pereira


Foto de capa:

MARC CHAGALL, 'Le marchand de bestiaux', 1912.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR