ANO 4 Edição 69 - Junho 2018 INÍCIO contactos

Alexandra Vieira de Almeida


Comentários sobre o livro “Teatrauma”, de Bruno Candéas

 

O novo livro de poemas de Bruno Candéas, Teatrauma (Penalux, 2018), tem o poder da desestabilização, causando um tremor no leitor ao escancarar as feridas de nossa sociedade, seus traumas de espanto e morte. Dramatizando o caos social, tal poeta tem a maestria em nos revelar as escavações da realidade. Cruel, divertido, trágico, despojado, sua poesia se caracteriza pelo jogo com as palavras, lembrando-nos do genial Paulo Leminski. Teatrauma nos leva ao afogamento nas palavras, um afundar-nos no verbo pleno e movediço das sintaxes sociais.

 

Bruno Candéas através de aproveitamentos com as palavras, criando neologismos, utilizando a poesia concreta e imagética, nos mostra os desdobramentos das letras, com fragmentações, expansões e descobrimentos de uma nova sintaxe, feita de beleza e força. Quanto poder de imaginação encontramos nos seus versos teatrais que descortinam no palco da vida todas as suas festas e tragédias, paradoxalmente! Unindo o carnal ao místico, através do Tao, o erótico, social e lírico, o poeta aqui em questão nos apresenta uma poesia vibrante que nos acorda de um ponto pacífico para a criticidade do mundo.

 

Teatrauma tem muito de fulgurante, de luminoso e ao mesmo tempo obscuro, revelando os tons noturnos e diurnos da vida. Tirando os homens de seu sono inicial, o poeta nos acorda para o real que nos aprisiona numa caverna soturna. Ilumina e esconde por vezes o palco do mundo que nos acorrenta num universo de medos e segredos. Ele diz: “o gosto das suas sensações me lesiona a língua”. O sensório é faca doentia a nos cortar a pele sensível e domesticada pela leveza. A poesia de Candéas tem muito do peso da face cruel da realidade. Rasgar nossa pele frágil nos faz sentir a dor do mundo. Com o temor e a compaixão da tragédia, nos comovemos e sentimos a dor de estar no mundo. O poeta se admira frente ao dilacerante código da Terra.

 

Portanto, Bruno Candeás não nos revela uma face tranquila. Ele nos apresenta o redemoinho em que vivemos com suas danças e violências. Num êxtase nada sutil de seus versos, navegamos no turbilhão agitado e acelerado de sua poesia, nos mostrando que a vida é mais que papel branco. Ele é manchado de sangue e sofrimento. Um trauma que precisamos enfrentar pela força da palavra deste poeta inovador e original.

 

 

Alexandra Vieira de Almeida é poeta, contista, cronista, ensaísta e resenhista.Tem Doutorado em Literatura Comparada (UERJ). Tem quarto livros de poesia publicados, sendo o mais recente Dormindo no verbo ( Penalux, 2016). Tem poemas traduzidos para vários idiomas e publica constantemente em jornais, revistas, antologias, e alternativos por todo Brasil e também no exterior.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Junho de 2018


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Junho de 2018:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Adrian’dos Delima, Alexandra Vieira de Almeida, Beatriz Bajo, Caio Junqueira Maciel, Carlos Matos Gomes, Cida Sepulveda, Denise Bottmann, Erick Martínez, Eunice Boreal, Felipe Teodoro da Silva, Flávio Otávio Ferreira, Gabriel Jimenez Emán, Gociante Patissa, Henrique Dória, Hermínio Duarteramos, Hermínio Prates, João Bastos de Mattos, Joel Henriques, Leila Míccolis, Márcia Denser, María Lilian Escobar ; Rolando Revagliatti, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Ricardo Ramos Filho, Sofia Freire d’Andrade, Sônia Pillon


Foto de capa:

Júlio Pomar: 'Gadanheiro' (1945) | 'Quatro tigres: variantes' (1994)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR