ANO 4 Edição 69 - Junho 2018 INÍCIO contactos

Henrique Prior


EDITORIAL: OS NOIVOS DE SINGAPURA

O mundo está cheio de farsantes. Mas é difícil encontrar dois farsantes tão perfeitos como  Donald Trump e Kim Jong-Un. Aqueles que, há três meses apenas, se apelidavam de “homem foguete” e “velho tonto”, tratam-se agora como honoráveis amigos, e convidam-se um ao outro para visitarem os respetivos países.

 

O que se terá passado para que os arqui-inimigos se transformassem em apaixonados noivos, e para que Trump encontrasse no criminoso que governa a Coreia da Norte um amor à primeira vista ( nos primeiros segundos do primeiro encontro, disse ele)?

 

Muito à custa do sofrimento do seu povo, a verdade é que Kim Jong-Un fez-se respeitar pela única maneira que Trump reconhece para respeitar os outros: o medo.

 

Foi construindo com enorme rapidez um arsenal nuclear, capaz de ameaçar não só os aliados dos Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão, mas os próprios Estados Unidos no seu território. Embora Trump ameaçasse com a destruição total da Coreia do Norte, ele e os seus conselheiros nunca ignoraram que tal não passava duma figura de retórica porque, então, o que estaria em causa não seria apenas a Coreia do Norte e o seu criminoso chefe, mas a China. E é da China que Trump, realmente, tem medo.

 

À China, por outro lado, interessa que não haja qualquer conflito junto do seu território, muito menos com armas nucleares, certa que está de em breve, muito em breve, vir a ser, e pacificamente, por força do seu peso económico e militar, e da dimensão da sua população, a primeira potência mundial.

 

Como é sabido, após uma escalada de ameaças e insultos recíprocos com Trump, Kim Jong-Un deslocou-se à China, onde, obviamente, recebeu instruções para alcançar um acordo com Trump.

 

Esse acordo também interessa a Kim que quer exibir-se perante o seu povo como um herói triunfador, que conseguiu ser tratado de igual para igual perante uma América arrogante, que humilha até aliados poderosos como a Alemanha, a França e o Canadá. Foi assim que Kim conseguiu vangloriar-se perante os norte coreanos:

 

“...nós enfrentámos os americanos, nós sofremos, mas todos estes sacrifícios não form em vão. Fomos admitidos entre os grandes. O próprio presidente americano se desloca para me ver.”

 

Convenhamos que, para um pequeno país em dimensão geográfica e populacional, é uma vitória brilhante.

 

Por seu lado, Trump, sucessivamente humilhado por compatriotas e estrangeiros que o tratam como louco, conseguiu o que nenhum outro presidente americano tinha conseguido: encontrar-se com o presidente da Coreia do Norte e iniciar com ele um período de paz.

 

A ler-se o que publicamente foi assinado, há no acordo efetuado entre ambos meras delcarações de intenção para a desnuclearização da península da Coreia, e não só da Coreia do Norte, como sempre pretenderam os EUA.

 

Mas a propagande de Trump faz disso uma grande vitória, nunca alcançada por tantos presidentes  anteriores a ele, desde 1953.

 

E, perante um povo apreciador da bravata e onde grassa a incultura, isso funciona em termos eleitorais, o que é essencial para Trump, não só numa reeleição futura mas, sobretudo, neste momento em que se aproximam eleições para a totalidade da Câmara dos Representantes e um terço do Senado, que ainda este ano se vão realizar.

 

Por outro lado, certamente que Xi Jinping não terá deixado de assegurar a Kim e a Trump que a Coreia do Norte passaria a estar sob o guarda chuva nuclear da China.

 

E certamente convenceu Kim Jong-Un a que o fim das sanções económicas e a adoção dum comunismo de mercado, como o da China, teria a prosperidade do povo norte coreano e a glória do seu líder.

 

Tão perto de nós, esse encontro já é uma lição da História: em como a subtil sabedoria chinesa demonstrou o seu poder em toda a linha.

 

Henrique Prior

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Junho de 2018


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Junho de 2018:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Adrian’dos Delima, Alexandra Vieira de Almeida, Beatriz Bajo, Caio Junqueira Maciel, Carlos Matos Gomes, Cida Sepulveda, Denise Bottmann, Erick Martínez, Eunice Boreal, Felipe Teodoro da Silva, Flávio Otávio Ferreira, Gabriel Jimenez Emán, Gociante Patissa, Henrique Dória, Hermínio Duarteramos, Hermínio Prates, João Bastos de Mattos, Joel Henriques, Leila Míccolis, Márcia Denser, María Lilian Escobar ; Rolando Revagliatti, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Ricardo Ramos Filho, Sofia Freire d’Andrade, Sônia Pillon


Foto de capa:

Júlio Pomar: 'Gadanheiro' (1945) | 'Quatro tigres: variantes' (1994)


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR