ANO 4 Edição 68 - Maio 2018 INÍCIO contactos

Filipe Papança


Vida e obra de Maria de Deus Melo (1939-2017)

 

ABSTRACT

 

This article analyzes the poetry of Maria de Deus Melo based on her literary biography included in my book of poetry and prose Resurrection and in my literary reflections included in three of her most representative works, Alentejo Profundo a Role of Hopes, Lisbon Dream and Nostalgia and Setúbal land of charm.

 

KEYWORDS: Maria de Deus Melo, Alentejo, literary biography, Isilda Alves, Ecology, Feminism, Alentejo, Lisbon, Setubal, Resurrection

 

RESUMO

 

Este artigo efetua uma análise da poesia de Maria de Deus Melo baseada na sua biografia literária incluída no meu livro de poesia e prosa Ressurreição e nas minhas reflexões literárias incluídas em três das suas obras mais representativas, Alentejo Profundo um Rol de Esperanças,Lisboa Sonho e Nostalgia e Setúbal terra de encanto.

 

Palavras-chave: Maria de Deus Melo, Biografia literária, Isilda Alves, Ecologia, Feminismo,Alentejo, Lisboa, Setúbal, Ressureição

 

Neste mês de Maio completa-se um ano do falecimento da Poetisa Maria de Deus Melo. Este artigo propõe-se revisitar a sua obra através de sua biografia literária incluída no meu livro de poesia e prosa Ressurreição e de três reflexões literárias minhas incluídas a convite da autora nas suas obras Alentejo Profundo um Rol de Esperanças, Lisboa Sonho e Nostalgia e Setúbal terra de encanto.

 

Maria de Deus Melo é uma ilustre poetisa nascida no Cercal do Alentejo em 1939. Enfermeira de profissão, graduada e viveu muitos anos em Angola, vindo a residir posteriormente em Setúbal.
Publicou as seguintes obras: A Vida Teu Nome é Sofrimento (1971), O Grito da Minha Alma (1977), O Fingidor 3 (1984), Raízes do Ser (2000), em parceria com a sua filha a doutora Isilda Alves, Angola Ardente (2000) Sensualidades (2002), Angola tu és Saudade (2003), Alentejo Profundo um Rol de Esperanças (2004), Lisboa Sonho e Nostalgia (2004), Eternamente Bocage (2006) e Setúbal Terra de Encanto (2007).
Está representada nas seguintes antologias literárias: Antologia Poética I (1970), A Mulher e a Sociedade Portuguesa (1970), Cadernos de Poesia I (edição colectiva da cidade de Setúbal), Antologia de Poetas Portugueses da Associação Portuguesa de Poetas (VI volume, 1991), Antogia Millenium – 77 vozes de Poetas Portugueses (edição da Universitária Editora, 2002), Antologia-Timor-Do poder à das armas à força do Amor (Coordenação de Teresa Maria Carrilho – Universitária Editora, 2002) e 28 poetas Sadinos, coordenação de José Chocolate (Edição da Casa da Poesia - Setúbal 2004).
Colaborou nos seguintes periódicos: Semanal Sul e Semana Ilustrada de Luanda e jornais como o de Benguela, A Província de Angola, O Lobito e O Prumo.
Ilustres fadistas cantam os seus poemas como Georgette de Jesus e Alberto Ventura. Pessoalmente tive o prazer de colaborar em algumas das suas obras, quer como prefaciador quer como critico literário.
A autora divulgou algumas das suas obras na comunidade africana, nomeadamente em Angola, Moçambique e nos Estados Unidos, encontrando-se os seus livros em várias bibliotecas universitárias das quais destaco a Biblioteca da Universidade Norte Americana do Wisconsin na cidade de Madison (https://www.wisc.edu), onde se encontram os seus livros Alentejo Profundo um Rol de Esperanças e Lisboa Sonho e Nostalgia.

 

A filha Isilda Alves, professora de Inglês em Escolas do Ministério da Educação, Escola Superior Politécnica do Exercito e Academia Militar onde foi minha colega, igualmente poetisa e escritora, é autora do livro Ecologia no Feminismo Americano, obra baseada na sua Tese de Mestrado em Estudos Americanos, é co-autora do livro Raízes do ser, de reflexões literárias, estando também representada em Antologias poéticas.

 

Reflexão literária incluída no livro Alentejo Profundo um Rol de Esperanças

 

Ò Alentejo !
Que marca imprimes em quem nasce no teu seio !
A beleza agreste da tua paisagem, a sã convivência, teus costumes e tradições cedo inspiraram poetas como Sá de Miranda, Florbela Espanca, Macedo Papança (conde de Monsaraz) ..., escritores como Fialho de Almeida, Manuel da Fonseca, Hernâni Cidade, dramaturgos como Bernardim Ribeiro, historiadores como Túlio Espanca, pedagogos como Manuel Patrício.

 

Influenciaste igualmente romancistas que não sendo Alentejanos de nascimento, por circunstâncias da vida aí algum tempo viveram. Estou a lembrar-me de Eça de Queiroz, José Régio, Vergílio Ferreira.

 

Outros como José Saramago sentiram um apelo interior e lá foram buscar inspiração.

 

Que dizer da música, dos cantares, enfim dum povo que fala verdadeiramente a cantar!
Fiel a esta tradição, Alentejana de nascença, Maria de Deus Melo, escreve um poema logo com  ideia da música. Muitas vezes ao acabar de o escrever, recita-mo ao telefone cantando.

 

Não se queda indiferente à dureza da vida humana como o atesta o poema “O cavador” feito de recordações do mundo da sua infância.

 

“...cavas palmo a palmo desgraçado
     o chão que nem é teu,
     para teres um bocado de pão
    o pouco que o homem te deu.
    Depois de velho e cansado
    esse pobre coração destroçado
    em troca do seu tormento,
    pedirá à terra a paz, o esquecimento!”

 

recorda-me Fialho de Almeida:

 

“Nestas terreolas mesquinhas, entre o cavador que estanca a vida à enxadada, ganhando apenas com que morrer de miséria, e o homem rico que pavoneia em berlinda de correias o estadão dos seus quarenta contos de hortejos e farejais;

 

             Fialho de Almeida in “O País das Uvas”

 

Enfim o amor, no seu sentido trágico como recitava Demócrito “Aparência a cor, aparência o doce, aparência o amor: na realidade só os átomos e o vazio”; a lembrar Florbela Espanca num misto de tragédia e sensualidade embebida numa certa religiosidade. A própria o reconhece num poema intitulado “Homenagem a Florbela Espanca”:

 

     Nasci sagitária como tu
     o Alentejo a arder no coração,
     amor puro e alma a nú
     fomos loucas no amor e na paixão.

 

     Infelizes e incompreendidas
     gritando ao mundo toda a verdade,
     como se unissem em nossas vidas
     a tua e a minha infelicidade.

 

Especial relevo, dedica  a poetisa à cidade de Évora, a antiguidade das suas pedras, as belas arcadas, oferecem cenário ideal para o amor e a paixão, como refere na quadra:

Visitámos o templo de Diana
de mãos entrelaçadas de ternura,
que pouco foi o tempo p´ra quem ama
para hoje ter tanta desventura.

 

Tal visão tende a provocar um confronto entre o finito e o infinito levando a questionar a própria existência.

 

Vergílio Ferreira no seu romance  “A Aparição” descreve igualmente o êxtase que lhe provoca ao chegar  esta cidade a visão súbita do templo de Diana.

 

    “Templo de Diana. Só nessa noite o vi bem, nessa noite de Setembro, lavado de uma grande Lua - raios imóveis de uma oração mutilada, silenciosa imagem do arrepio de séculos ...”

 

Numa outra passagem da mesma obra escreve:

 

“Évora mortuária, encruzilhada de raças, ossuário dos séculos e  dos sonhos dos homens,, como te lembro, como me dóis!”

 

Estamos então perante aquele que no fundo é o drama humano, a angústia do homem perante a  sua finitude, que o leva a questionar o bem e o mal, o Deus e o Diabo, tema para o “Cântico Negro” de José Régio.

 

Alentejo não deixes de inspirar os Poetas.
Onde existe algo de eternidade
é na poesia,
Aquilo que o tempo não corrói,
Nem destrói,
Vital sopro de eternidade,
Para lá da bondade e da maldade.

 

Reflexão literária associada ao livro “Lisboa Sonho e Nostalgia

 

 

Apresentação na Fnac do Chiado em 2005 do livro Lisboa Sonho e Nostalgia,
 a  contar da Esquerda, a filha Isilda Alves, Filipe Papança e Maria de Deus Melo

 

Alentejana de nascimento, lisboeta por afinidade, Maria de Deus Melo escreve sobre Lisboa porque ama a vida. È essa vida vivida com paixão que sentimos palpitar nos seus versos.
Canta-nos o seu e outros fados. Fado que antes de ser cantado importa ser vivido. É a cultura portuguesa em todo o seu esplendor. Como afirmava o poeta Ary dos Santos, fado é gente a falar da gente. Até o nosso telejornal é fado.
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, (Camões) mas a essência vital permanece. Cantado porventura de outra forma. Muda-se o estilo mas a natureza intrínseca mantém-se. Falharam todas as tentativas o colar a uma determinada realidade. Eis a raiz do seu ser!
É neste contexto que surge a guitarra, a fiel companheira, a amante inseparável do fado como o atesta o poema “A guitarra e o Fado”. Embora possa ser acompanhado por outros instrumentos é com este que adquire todo o seu esplendor. Afirmam “os entendidos” que a guitarra terá saltado dos salões para as vielas no séc. XVIII, adaptada da guitarra inglesa.
No princípio do Séc. XX aparece num célebre quadro de Malhoa tocada por um fadista ao lado da sua amada. Fiel companheira de tertúlias, festas de estudantes, arraiais, dos retiros nos lugarejos à volta da cidade. Acompanhou a Severa nos salões do conde de Vimioso. Recupera a “respeitabilidade” animando serões familiares, sessões teatrais.
Teremos que esperar pelo séc. XX, para constatarmos a sua plena maturidade. Acompanha grandes nomes como Amália (objeto de uma especial homenagem no livro), Hermínia Silva, Alfredo Marceneiro. Surgem grandes guitarristas: Armandinho, Artur Paredes, Carlos Paredes, António Chaínho, Pedro Caldeira Cabral. Vai-se tornando a pouco e pouco novamente um instrumento erudito.
Atualmente assiste-se à pesquisa e adaptação para guitarra de obras de autores clássicos do séc. XVIII como Carlos Seixas. Adquire foros de conservatório. Surge em festivais internacionais. Funde-se por vezes com o jazz. Eis o seu devir!
A nova geração de fadistas, nomes como Mafalda Arnauth, Mísia, Mariza, Cristina Branco, Kátia Guerreiro reflete já essa erudição que já se vinha a notar na parte final da carreira de Amália, quando se associa a  Alan Oulman e começa a cantar poemas de poetas como Camões, David Mourão Ferreira, Pedro Homem de Mello, Manuel Alegre, Alexandre O`Neill, José Régio.
São inúmeros os poemas de Maria de Deus Melo cantados por fadistas: Alberto Ventura, António Fernandes, Américo Correia, Ângelo Freire, Georgette de Jesus, Américo Garcia, Inês Tomás, Marília Pais, Toy e tanto outros.
Os bairros típicos de Lisboa constituem o cenário ideal para os dramas que lhe alimentam a “fornalha”, espécie de catarse. A tristeza dá então lugar à alegria:

 

    “Quem diz que o fado é tristeza
      É porque não o conhece,
      Quem canta tem a certeza
      Que logo a tristeza esquece.”

 

Percorrendo essa Lisboa típica há alguns anos profissões havia que faziam parte da iconografia da cidade (algumas atualmente ainda fazem), o cauteleiro, o ardina (hoje com reconhecido direito a monumento), a varina, o homem das castanhas, abençoados pelo Tejo, permanente fonte de inspiração nesta cidade abençoada por Santo António.
Lisboa sempre airosa e menina. Que assim permaneças. Não deixes que as novas realidades: a poluição, o trânsito caótico, a falta de espaços verdes, os arrabaldes sem fim, quais amálgamas de betão, façam esquecer que tens alma, uma alma sempre bela e moça!

 

Reflexão Literária referente à obra “Setúbal terra de encanto”

 

Maria de Deus Melo, uma vez mais nos surpreende com a frescura e a musicalidade da sua poesia, através da qual sentimos os aromas, os odores, o ritmo, as tradições, enfim o pulsar da vida desta cidade, implantada num cenário de rara beleza natural, em que sobressaem o rio sempre azul e a serra da Arrábida, com o seu convento assim como os indescritíveis miradouros com especial destaque para o castelo de S. Filipe.
A sua poesia revela-nos uma vida intensamente vivida, um coração que ama verdadeiramente e continuamente se alarga para todos abranger, a começar pelos mais excluídos, aqueles que a sociedade apelida de loucos mas que são genuínos e como tal portadores de uma riqueza inigualável, aos quais se dedicou através da sua profissão de enfermeira, aspeto que tive oportunidade de testemunhar em visitas que lhe fiz:
 “Chamam doidos aos que vivem num hospício
   mas mais loucos são os que vivem em sociedade,
   porque esses não têm ternura, nem o sacrifício
   dos que por eles zelam com caridade”

 

também as crianças abandonadas são objeto particular do seu carinho e atenção:
         “Esses meninos que nunca tiveram nada
         que perderam seu pai e sua mãe,
         que adormeceram na fria madrugada
         corpos gelados pela fome, filhos de ninguém!”

 

Homenageia com especial carinho as associações a que tem estado ligada e que marcam a vida cultural e cívica desta cidade, o sempre glorioso Vitória de Setúbal, as atividades económicas mais características como a faina da pesca, os seus artistas, entre os quais se encontram muitos intérpretes dos seus poemas e canções, as suas personagens mais típicas.
Enaltece as figuras mais célebres da história da cidade a começar pelo poeta Bocage, a quem já dedicou um livro de poesia, a cantora lírica Luísa Todi, Sebastião da Gama, ilustre professor e poeta, cujo Diário, a merecer uma urgente releitura, revela um pensamento muito em consonância com a autora: mais vale um pouco de amor do que muitas teorias pedagógicas e pseudo regulamentos, de que hoje em dia são vítimas muitos docentes, pois só o amor verdadeiramente nos torna livres. Este era também a chave do dilema existencial de Bocage1, cuja alma só encontra finalmente descanso nestas palavras do evangelho de Mateus: “Vinde a mim vós que estais cansados sob o peso do vosso fardo, pois o meu jugo é suave e a minha carga é leve”, pensamento sintetizado por S. Agostinho quando afirma: “Ama e faz o que quiseres”.
Termina o livro com  o poema intitulado “Quando a voz do poeta se calar” bem apropriado ao espírito da nossa época, em que se procura calar opiniões discordantes, institucionalizar o pensamento único. Felizmente que continuamos a ter preciosas vozes como esta com dimensão e envergadura para se levantarem acima do sucessivamente denominado de “espírito do mundo”, “senso comum” apelidado em linguagem pós moderna de “politicamente correto”. Até a palavra amor começa a parecer inconveniente, ao ponto se ser trocada por um envergonhado “sentimento de si”, melhor ser louco, porque a loucura quando revestida dum carácter divino surge como a forma mais completa de Amor, aquele amor que tudo queima, renova, transmuta e transforma.
 Parabéns Maria de Deus Melo por mais esta prodigiosa lição de vida!
 

Maria de Deus Melo para Além de Excelente Profissional, possuir o Dom da Escrita e da Poesia era dotada de um Excelente Coração que parecia abarcar o Mundo todo!...
A sua poesia marcou profundamente os meus trabalhos científicos e culturais posteriores, principalmente aqueles em que analiso a relação entre Bocage, a poesia e a Matemática (ver bibliografia), assim como a minha própria poesia e prosa.

 

No dia 20 de Maio de 2017 o Senhor a Chamou...

 

Descanse em Paz, Eterna lutadora!

 

Dai-lhe Senhor o Eterno Descanso,

 

O Eterno Amigo e Admirador,

 

Filipe Papança;

 

Nota

1 Ver Papança, Filipe Reflexão literária referente à obra eternamente Bocage de Maria de Deus Melo (p.13), Universitária Editora

 

Bibliografia:

 

Alves, I.. (2000). A Ecologia no Feminino Americano Lisboa: Universitária Editora

Papança, F. (2012). Ressurreição. S. Mamede de Infesta: Edium Editores.

Bocage (1971). Poesias. Lisboa: Circulo de Leitores
Melo, M. (2006). Eternamente Bocage. Lisboa: Universitária Editora.
Melo, M. (2003). Angola tu és saudade. Lisboa: Universitária Editora.
Melo, M. (2004). Alentejo Profundo um Rol de Esperanças. Lisboa: Universitária Editora.
Melo, M  (2004). Lisboa Sonho e Nostalgia. Lisboa: Universitária Editora.
Papança, F. (2011). A Matemática, a Estatística e o Ensino nos Estabelecimentos de Formação de Oficiais do Exército Português no Período 1837-1926: Uma Caracterização. S. Mamede de Infesta: Edium Editores.

Papança, F. (2012). Bocage and Mathematics. Recreational Mathematics Colloquium II: Proceedings of the Recreational Mathematics Colloquium V - G4G (Europe), pp. 165-168. Lisboa: Associação Ludus

Papança, F. (2012). Ressurreição. S. Mamede de Infesta: Edium Editores.
Papança, F. (2017)"A Matemática, a Ciência e a Vida Militar na Poesia de Bocagena revista Incomunidade, Ano 4, Edição 4, Edição 59, Agosto de 2017 pp1.

Papança, F. (2017). The Poetic sense in Mathematical Knowledge. New York:  Journal of Mathematics and System Science 7 (2017) 148-150

Papança, F. (2017). The origins of Mathematics - The Influence of Mathematics in Poetry and Poetry in Mathematics. Recreational Mathematics Colloquium V: Proceedings of the Recreational Mathematics Colloquium V - G4G (Europe), pp. 227-232, Lisboa: Associação Ludus

https://www.wisc.edu

 

FILIPE JOSÉ LOUREIRO LOPES PAPANÇA, nascido em 22\8\66.
Licenciatura em Matemática Aplicada (1989); Mestrado em Estatística e Gestão da Informação (1997), defendendo a Tese: Estratégias Empresariais em Tempo de Incerteza, publicada pela Universitária Editora (2001).
Doutoramento em Ciências da Educação (2010), defendendo a Tese: A Matemática, a Estatística e o ensino nos estabelecimentos de formação de Oficiais do Exército Português no período (1837-1926) – Uma caracterização, publicada pela  Edium Editores (2011).
Escreveu artigos científicos e apresentou comunicações em congressos.
Proferiu palestras, nomeadamente na livraria Verney a convite da Associação Portuguesa de Poetas, no Palácio Galveias a convite da Câmara Municipal de Lisboa e na ULTI.
Apresentou, prefaciou, posfaciou livros, com especial destaque para as obras da poetisa Maria de Deus Melo, uma delas na Fnac do Chiado e posfaciou duas obras do Professor Universitário, escritor e poeta António Boavida Pinheiro.

Participou em diversas Antologias poéticas e literárias, assim como em blogs, jornais e revistas como “Diálogo Educacional”, “Revista Proelium” da Academia Militar, “Miriam”, “Lisboa Tejo” e Tudo do Jornal “O Independente”, “Raizonline”, “Jornal do Exército”, “Jornal do Barreiro”, “Jornal Poetas e Trovadores”, “Boletim da Associação Portuguesa de Estatística”, “Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática”, “Boletim da Associação Portuguesa de Poetas”, “Journal of Mathematics and System Science”, “Anais da UIED-Universidade Nova”, “Revista Militar” (no prelo), “Revista Educação e Matemática” (no prelo) da Associação de Professores de Matemática.

Livro de poesia e prosa Ressurreição, publicado pela Edium Editores (2012). Apresentação na Fnac do Colombo em Novembro de 2013.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Maio de 2018


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Maio de 2018:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Magalhães Zeiner, Alexandra Vieira de Almeida, Bruno Candéas, CARLOS BARBARITO, Carlos Vale Ferraz, Cássio Amaral ; Heleno Álvares, Cláudio B. Carlos, Cristian Barbarosie, Daniel Rosa dos Santos, Diniz Gonçalves Júnior, Fabián Soberón ; Will Moritz, trad., Federico Rivero Scarani, Fernando de Castro Branco, Filipe Papança, Gociante Patissa, Henrique Dória, Hermínio Prates, Inma Luna, Jandira Zanchi, Jean Sartief, João Aroldo Pereira, José Couto, José Gil, José Guyer Salles, Kátia Bandeira de Mello-Gerlach, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luanna Belmont, Lucas Perito, Luis Alberto Nogueira Alves, Marcelo Labes, Marcia Kupstas, Maria Estela Guedes, Marinho Lopes, Matheus Guménin Barreto, Moisés Cárdenas, Myrian Naves, Ngonguita Diogo, Nilo da Silva Lima, Noélia Ribeiro, Nuno Rau, Paulo de Toledo, Reynaldo Bessa, Reynaldo Jiménez ; Rolando Revagliatti, Ricardo Alfaya, Ricardo Ramos Filho, Silas Correa Leite, Tânia Diniz, Vera Casanova, Jayme Reis


Foto de capa:

CÂNDIDO PORTINARI, 'o lavrador de café', 1934.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR