ANO 4 Edição 68 - Maio 2018 INÍCIO contactos

Gociante Patissa


Crónica: Fern Teodoro e a sua World Learning: duas décadas moldando destinos na sociedade civil angolana

 

A história da minha vida tem nos agradecimentos a maior fatia. Esta semana reacendeu a memória da Sra. Fern Teodoro, com algum sentimento paternalista de perda à mistura. Fiquei a saber que deixou Angola há dois anos. A canadiana de ascendência portuguesa é dos milhares de amparos que vou tendo na luta pela sobrevivência e nas veredas da afirmação profissional. A World Learning, liderada por Fern, desenvolveu um projecto na área do reforço de capacidades das organizações da sociedade civil, com acções formativas e de mentoria, focando na governação e no planeamento estratégico.


Aparentemente, nada mora de extraordinário no relato de uma expatriada que ao cabo de duas décadas em Angola retorna ao seu país, mas não é bem assim. Pequena na estatura e grande no poder de influência e visão, no que concerne ao fortalecimento da sociedade civil, Fern representou desde 1996 a ONG americana World Learning, sub-recipiente da USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional). Em termos mais simples, não podendo o governo americano financiar directamente as ONGs angolanas, fazia-o por intermédio de uma Organização vocacionada no sector.


Gabo a Fern pela sua invejável habilidade em esquivar lentes e holofotes. Não se acha uma simples notícia com o seu rosto (e o expectável rasgar de sorrisos bem à ocidental). Nem mesmo o detective Google foi a tempo de lhe achar a peugada. Isto, para quem movimentou praticamente o país todo a financiar projectos de desenvolvimento comunitário, direitos humanos e combate à malária, à parte a proximidade que tinha com alguns dos directores de jornais mais influentes de Luanda, faz da Fern um caso singular.


Os nossos caminhos viriam a cruzar depois de dar corpo à AJS (Associação Juvenil para a Solidariedade), que fundamos no ano de 1999, cujo órgão executivo liderei do embrião até à consolidação, isto em 2005, para depois fomentar a rotatividade de mandatos. Na verdade, a definição de rumo de crescimento do que veio a ser a AJS fica a dever-se muito à Okutiuka, na pessoa do seu líder, o engenheiro José Patrocínio “Zétó”, o também mentor do então projecto Omunga, que trabalhava na causa da criança vulnerável, precursora da Associação nos termos que se lhe conhece hoje.


A parceria com a Omunga, na Rede Municipal da Criança de Rua do Lobito, levaria à constituição da “Coligação Ensino Gratuito, Já!”, que implementou a campanha de advocação para exigir do Ministério da Educação o cumprimento da Lei de Bases do Sistema de Educação, que estabelecia a gratuitidade do ensino primário, o que compreendia a merenda escolar e a não cobrança de propinas nem o pagamento das folhas de prova. Nesta altura, estamos em 2001, já a Okutiuka era beneficiária dos financiamentos da USAID através da World Learning, que experimentava a estratégia de reforçar a acção de intervenção social financiando coligações e consórcios. Tal como a da educação, houve também uma coligação alicerçada na Lei de Terras, que interveio nas províncias da Huila e Luanda.


No campo mais pessoal, a Fern acolheria uma pessoa em estágio e que conviveu connosco em Benguela. Por esta pessoa fui apresentado à americana Nancy Gottlieb, a professora e dona da escola de inglês, onde concluí o sexto nível. Viria a ser com empurrão dela que em 2010 recebi convite do Departamento de Estado para o intercâmbio de um mês nos EUA, intitulado International Visitors Leadership Program. Enfim, a auto-aprendizagem e os contactos temperaram a ironia de o meu emprego actual (11 anos nada apaixonantes mas estáveis) derivar de ter conhecido o Zétó, a Fern e a Nancy.


Nem tudo na sociedade civil são rosas, mas prefiro ater-me ao tesouro desta aura mais ingénua, como das vezes que flagramos a boss financiadora Fern a afagar, com ternura de menina na escola, os loiros cabelos ou a desenhar e colorir flores no bloco de notas para, talvez, atenuar a tensão das reuniões de monitoria e avaliação de projectos. Thanks, Fern!


www.angodebates.blogspot.com | Gociante Patissa | Catumbela, 2 Maio 2018

 

Gociante Patissa assina o Blogue:"Angola, Debates & Ideias" www.angodebates.blogspot.com

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Maio de 2018


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Maio de 2018:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Magalhães Zeiner, Alexandra Vieira de Almeida, Bruno Candéas, CARLOS BARBARITO, Carlos Vale Ferraz, Cássio Amaral ; Heleno Álvares, Cláudio B. Carlos, Cristian Barbarosie, Daniel Rosa dos Santos, Diniz Gonçalves Júnior, Fabián Soberón ; Will Moritz, trad., Federico Rivero Scarani, Fernando de Castro Branco, Filipe Papança, Gociante Patissa, Henrique Dória, Hermínio Prates, Inma Luna, Jandira Zanchi, Jean Sartief, João Aroldo Pereira, José Couto, José Gil, José Guyer Salles, Kátia Bandeira de Mello-Gerlach, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luanna Belmont, Lucas Perito, Luis Alberto Nogueira Alves, Marcelo Labes, Marcia Kupstas, Maria Estela Guedes, Marinho Lopes, Matheus Guménin Barreto, Moisés Cárdenas, Myrian Naves, Ngonguita Diogo, Nilo da Silva Lima, Noélia Ribeiro, Nuno Rau, Paulo de Toledo, Reynaldo Bessa, Reynaldo Jiménez ; Rolando Revagliatti, Ricardo Alfaya, Ricardo Ramos Filho, Silas Correa Leite, Tânia Diniz, Vera Casanova, Jayme Reis


Foto de capa:

CÂNDIDO PORTINARI, 'o lavrador de café', 1934.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR