ANO 4 Edição 68 - Maio 2018 INÍCIO contactos

Henrique Prior


EDITORIAL: ISRAEL – 70 ANOS DE SOFRIMENTO PALESTINIANO

Imagine o leitor que era dono da modesta casa onde vivia e dumas courelas que, no conjunto, não ultrapassavam a área de um campo de futebol, courelas essas que, embora cheias de pedra e falhas de água, permitiam que o leitor retirasse delas o seu sustento. Essa casa e essas courelas já pertenceram aos seus antepassados pelo menos desde há 1.300 anos, e nelas vivia em pobreza mas com o direito a uma habitação e ao sustento seu e da família assegurados.


Imagine também que estava muito tranquilo em sua casa,  ou no cultivo das suas courelas, e vinha um grupo de sem abrigo, o expulsava da sua casa e das suas terras e se apoderava delas deixando-o sem teto e sem poder obter o seu sustento.
O que sucedeu na Palestina em 1947 , 1948 , 1949, e nos anos seguintes, até aos dias de hoje, tem sido isso.


Os palestinianos que habitavam as suas casas e as suas terras foram delas expulsos por colonos judeus vindos de todas as partes do mundo, em particular da Europa, tendo os palestinianos sido muitos deles mortos e outros forçados a fugir para o Líbano, onde encheram, em condições ignominiosas, os campos de concentração de Shatila e Sabra.
Desde então para cá, quer através da implantação de colonatos, quer através de sucessivas guerras, Israel tem continuada a fazer, com maior ou menor lentidão, o que fez em 1947, 1948 e 1949.


Em 1982, milícias libanesas supervisionadas e auxiliadas pelo exécito israelita, massacraram, nesses campos de concentração de Shatila e e Sabra, cerca de 3.000 palestinianos, na sua esmagadora maioria velhos, mulheres e crianças, naqulilo a que a ONU apelidou de GENOCÍDIO.


É certo que os palestinianos não ficaram de braços caídos. Lutaram, continuam a lutar contra Israel.


Mas o leitor não faria o mesmo se lhe roubassem a sua casa e as courelas que asseguravam a sua sobrevivência e da sua família?


Em Fevereiro de 1948, David ben Gurion, orgulhava-se de que em Lifta e Romema, povoações próximas de Jerusalém, já só havia judeus. Todos os palestinianos tinham sido expulsos dessas povoações. E mostrava a esperança de que o mesmo sucedesse noutros lugares da Palestina. O que, realmente, foi alcançado.


Festejam-se hoje os 70 anos do nascimento do Estado de Israel. Em mais um dos muitos atos de humilhação dos palestinianos, o aventureiro Natanyahu, primeiro-ministro de Israel, e o idiota Trump, presidente dos Estados Unidos da América, celebraram a data com a transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém, contrariando a legalidade internacional, pois a ONU sempre rejeitou a anexação dessa cidade pelo Estado de Israel, nomeadamente na decisiva Resolução 478 do Conselho de Segurança de 20 de agosto de 1980.


A solução de dois povos, dois Estados, preconizada pela ONU em sucessivas resoluções aprovadas por maioria esmagadora, está, assim a ser inviabilizada por um aventureiro e um idiota, com apoio dos respetivos povos.


Mas ambos já deveriam perceber que a sua derrota estrondosa na recente guerra da Síria, e a derrota mitigada, em 2006, na luta contra o Hezbollah, no sul do Líbano, demonstrou que Israel não é invencível.


E que não viverá em paz enquanto cada palestiniano perguntar, como perguntou o poeta e resistente palestiniano: Mahmoud Darwish: “Senhoras e senhores de bom coração, a terra dos homens é mesmo de todos os homens? Onde está então o meu casebre?”

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Maio de 2018


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Maio de 2018:

Henrique Prior, Adán Echeverría, Adelto Gonçalves, Alexandra Magalhães Zeiner, Alexandra Vieira de Almeida, Bruno Candéas, CARLOS BARBARITO, Carlos Vale Ferraz, Cássio Amaral ; Heleno Álvares, Cláudio B. Carlos, Cristian Barbarosie, Daniel Rosa dos Santos, Diniz Gonçalves Júnior, Fabián Soberón ; Will Moritz, trad., Federico Rivero Scarani, Fernando de Castro Branco, Filipe Papança, Gociante Patissa, Henrique Dória, Hermínio Prates, Inma Luna, Jandira Zanchi, Jean Sartief, João Aroldo Pereira, José Couto, José Gil, José Guyer Salles, Kátia Bandeira de Mello-Gerlach, Leila Míccolis, Leonardo Almeida Filho, Luanna Belmont, Lucas Perito, Luis Alberto Nogueira Alves, Marcelo Labes, Marcia Kupstas, Maria Estela Guedes, Marinho Lopes, Matheus Guménin Barreto, Moisés Cárdenas, Myrian Naves, Ngonguita Diogo, Nilo da Silva Lima, Noélia Ribeiro, Nuno Rau, Paulo de Toledo, Reynaldo Bessa, Reynaldo Jiménez ; Rolando Revagliatti, Ricardo Alfaya, Ricardo Ramos Filho, Silas Correa Leite, Tânia Diniz, Vera Casanova, Jayme Reis


Foto de capa:

CÂNDIDO PORTINARI, 'o lavrador de café', 1934.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR