ANO 4 Edição 62 - NOVEMBRO 2017 INÍCIO contactos

Katia Bandeira de Mello Gerlach


Nosotros - 20 contos latino-americanos

 

No ano passado, ao participar da Feira Internacional Literária de Guadalajara, que possui um segmento denominado Destinação Brasil, presenciei inúmeras discussões sobre a ligação entre o Brasil e a América Latina. O tema chega a aquecer o sangue dos mais temperamentais e uma espécie de “Angst” logo se instala quando nem todas as perguntas correspondem a uma resposta conclusiva. O Brasil pertence ou não à América Latina? O idioma é a nossa muralha da China? Estas e outras indagações, tenho que deixar para os especialistas nas ciências aplicáveis por uma questão de responsabilidade. Um livro, no entanto, pode abrir diálogos e universo, independente da hora adiantada, das mudanças climáticas ou dos humores. Um dos principais desafios do projeto da coletânea NOSOSTROS a sair pela Editora Oito e Meio no dia 14 de novembro de 2017 consistiu na potencial expansão literária sobre o mapa continental. Mas não só. Em toda a América, o papel da editora independente como veículo para a divulgação de autores e trabalhos de cunho literário-experimental tem sido crucial. A Diaz Grey Editores publicará em Nova York, na primavera de 2018, a tradução dos textos em espanhol feita pelo premiado escritor mexicano Juan Pablo Villalobos. Na minha apresentação pessoal do livro coletivo, menciono que “o nosso continente, a América, me faz pensar no livro “Le Passe Murraille” (“O Homem que Atravessava Paredes”) de Marcel Aymée, cujo conto principal descreve a existência de um protagonista ubíquo, um burocrata capaz de ultrapassar paredes e muros e cometer ações nestes territórios adentrados como que por magia. O tal feito era mirabolante e simultaneamente assustador pois expunha “o outro de nós mesmos”. Os autores que participam da coletânea vêm de regiões diversas do Brasil e publicam por uma editora sediada no Rio de Janeiro, cidade geograficamente longínqua da irradiação do idioma espanhol em contraponto às regiões fronteiriças do Brasil com o restante da América Latina. Muito em voga ao norte da América, discute-se uma gigantesca muralha, em parte constuída e fortificada, que separe o território mexicano do norte-americano, queixa-se de uma porosidade indevida na fronteira entre estes dois países. Também do Haiti ou de Cuba, pelo mar, os poros se abrem e refugiados têm se atirado em novas margens praianas por décadas. Em toda a Terra, os corpos estão em movimento e os países com maior influxo de imigrantes retraem-se. Deste encolhimento, provém o exercício de fechar os olhos para além das colunas erguidas. Quando dois corpos se aproximam, há mais do que calor, há o ruído dos sentidos, como os sons de duas cidades ou os feixes de luz sobre ruas e calçadas, uma inspiração desponta dos contrastes, das massas de luz. É perenemente questionável se a literatura abarca a responsabilidade de expor e impor. Entretando, a literatura tem o poder de criar sensações, tanto para o escritor quanto para o leitor, sensações que atirem uns e outros em países recriados proque nada é igual para ninguém e o desconhecimento do outro provoca mitificação. Estariam os países que compartilham o solo latino-americano com o Brasil sobre as nuvens de mármore de Cortázar? Será possível aterrissá-las em um ponto comum? Nesta coletânea, escritores brasileiros exercem o papel de artistas que acrescentam aos artistas e viajam cada um para um país em ricas narrativas que ilustram visões e estranhamentos de um continente que não é terra prometida conquanto se constitui sobre promessas. Um continente que se processa non-stop em infinitas revoluções por minuto, a soltá-lo das amarras de influência europeia, a instigar a valorização de seu multiculturalismo, a oferecer ao resto do planeta a versão mais jovem de uma contraconquista da colonização, que deixou o legado da escravidão, da religião e da desigualdade, parâmetros constantes numa análise mais aprofundada do quadro. A coletânea consiste em vinte contos que nem sempre permitem ao leitor entrar pela porta da frente mas que lhe possibilitam penetrar paredes e muros e revelem “nosotros” nos passos de outros, nuestros hermanos. Saliento também que as opiniões políticas expressas pelos autores são de cunho estritamente individual. O lançamento no Espaço Oito e Meio é aberto ao público,         que terá a oportunidade de experimentar bebidas e comidas típicas latino-americanas e contará, certamente, com uma animação bem brasileira. Eis a lista dos queridos escritores que gentilmente contribuíram com o seu talento e empenho para o sucesso dessa coletânea: André Timm, Rodrigo Macieira, Flávia Iriarte, Danielle Schlossarek, Ronaldo Bressane, César Cardoso, André Santanna, Guilherme Preguer, Vivian Pizzinga, Marcelo Mirisola, Alexandre Brandâo, Igor Dias, Myriam Campello, Leonardo Marona, Renato Lemos, Verena Cavalcante, Leandro Jardim, Maiara Líbano e Caco Ishak.

 

Serviço:

Lançamento da coletânea "Nosotros - 20 contos latino-americanos
Terça, 14 de novembro, 2017. · Espaço Oito e Meio
Travessa dos Tamoios, 32, loja C, Flamengo
22230-050 Rio de Janeiro

https://www.facebook.com/events/525085831159809/
https://carreiraliteraria.klickpages.com.br/nosotros#
http://www.oitoemeio.com.br/
@nosotros20contos

 

[Katia Bandeira de Mello Gerlach, em 6.11.2017. Foto de Anna Clara Gerlach. ]

 

[Katia Bandeira de Mello Gerlach. Foto de Rodrigo Lopes.]

 

Kátia Bandeira de Mello-Gerlach, natural do Rio de Janeiro e radicada em Nova York, formou-se em Direito pela universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É mestre em Direito Internacional Privado pela Universidade de Londres e pela NYU School of Law, e professora de Direito na Fundação Getúlio Vargas. Integra o corpo docente da Universidad Desconocida do Brooklyn sob a reitoria de Enrique Villa-Matas. Publica no Jornal Rascunho e na Revista Cenas (Centro Cultural Raimundo Carrero). Colunista da Revista Philos. “Colisões  BESTIAIS (Partícula)res” Editora Oitoemeio (Rio de Janeiro) é o seu terceiro livro de contos. Antes, publicou “Forrageiras de Jade” (2009) e “Forasteiros” (2013), editados pelo Projeto Dulcineia Catadora. Lançou “Jogos (Ben)ditos e Folias (Mal)ditas” pela Editora OitoeMeio em Dezembro de 2016.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de Novembro de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de Novembro de 2017:

Henrique Prior, Ades Nascimento, Almandrade, Caio Junqueira Maciel, Carla Andrade, Cecília Barreira, Christina Montenegro, Cláudio B. Carlos, Denise Bottmann, Henrique Dória, Hermínio Prates, Joel Henriques, Katia Bandeira de Mello Gerlach, Krishnamurti Goés dos Anjos, Lenita Estrela de Sá, Leonora Rosado, Lisa Alves, M. de Almeida e Sousa, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Myrian Naves, Ricardo Ramos Filho, Rodrigo Diniz Sousa, Rodrigo Novaes de Almeida, Ronald Cláver, Sandra Poulson, Sandra Santos, trad., Silas Correa Leite, Vanessa Dourado


Foto de capa:

Pinturas de Bosch


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR