ANO 5 Edição 57 - JUNHO 2017 INÍCIO contactos

Cláudio B. Carlos


O círculo

1

 

FOI NUM JUNHO que decidi que não gostava mais do meu pai. Dos perdigotos e arrotos à mesa. Da cara e das mãos de ferro fechadas – acho que as mãos de ferro do meu pai estavam enferrujadas, pois nunca se abriam para afagos. Dos gritos com a mãe – da mãe também decidi que não gostava, foi num setembro, mas aí é outro papo. Dos tragos e dos coices que dava no meu cusco quando chegava do, e no trago. Dos estragos que fazia por gosto em meus brinquedos, e acho até que sem querer, em mim. NUMA MANHÃ deste junho acordei resolvido a crescer. Crescer o mais rápido possível e o mais que pudesse para sair do círculo que se fechava em volta de mim e que me apertava e que me sufocava e que acho que não suportaria se não crescesse. Fui parando de brincar, fui parando de sorrir e também de chorar. De tanto o pai falar pra eu engolir o choro é que fiquei cheio de nós na garganta, e não há nada nem ninguém que os desate. Algum tempo passou: num agosto o pai morreu, e eu, com treze anos, envelheci. A mãe continua por aí, que vaso ruim não quebra, amaldiçoando a mim, a vida, e a mala suerte. Agora, aos vinte, acho que morri, não sei. Não me mexo. Desde ontem que me vejo refletido na navalha que era do pai se barbear e que afiei com desvelo e que está aberta em minha mão direita, e ao certo, direito, não sei o que houve, ou se já houve, ou se vai haver CORAGEM.

 

2

 

FOI NUM SETEMBRO que decidi que não gostava mais da minha mãe. Das suas mãos lambuzadas de comer galinha com molho. Do som nojento que ela fazia ao chupar os ossos e depois os dedos. Das lambidas que ela dava no garfo e depois na faca, até deixá-los brilhando. Daquele passar de língua ao redor dos lábios depois da refeição, e daquele mostrar de dentadura postiça frouxa dentro da boca. Do engasgar com o pavio de mandioca, regurgitando como um cusco, fazendo o som que os cuscos fazem quando estão engasgados. Se eu tivesse uma namorada (e nunca a tive), e se ela um dia comesse com a gente, eu acho que me enfiaria pela fresta que divide ao meio a mesa de armar e ficaria embaixo dela, escondido sob a toalha sempre xadrez, tamanha a vergonha.

OU ENTÃO:

Avançaria por cima da mesa, por cima da comida, e com toda a força que conseguisse arranjar apertaria o pescoço da mãe com as duas mãos até que ela silenciasse de uma vez por todas.

\\\\


Foi num setembro que decidi que não gostava mais da minha mãe. Dos peidos no quarto ao lado cada vez que sentava no penico pra mijar, de madrugada. E dos gemidos. Era sempre uma dor diferente. E ela gostava das dores, das doenças e dos choros. E a culpa de tudo era sempre minha. Foi quando, por pura solidão, quis andar pela casa de mãos dadas com ela, e ela me disse que menino não deveria namorar a mãe. Foi ali. Com medo e com vergonha nunca mais a toquei. Nem me deixei tocar. De onde ela haveria de ter tirado tais imundícies? Naquela noite abafei o choro sob o cobertor e acordei resolvido a envelhecer o mais rápido possível para sair do círculo que se fechava em volta de mim e que me apertava e que me sufocava... Agora ela está aqui na minha frente. Na minha casa. 95 anos. Só nós dois. Nenhuma testemunha. Acabei de servir galinha com molho. O prato na frente dela libera uma leve fumaça que logo se desmancha no ar. Eu não vou comer, nem conseguiria. Estou sentado bem na frente dela. Tão perto que se esticasse as pernas, sob a mesa, tocaria seus pés. Não o faço. Estou calmo. Vou assisti-la comer e se lambuzar até os cotovelos. Vou vê-la chupar as carnes, os ossos, e depois os dedos. Ela lamberá o garfo, e depois a faca. Manterei a calma e antes que ela intente o passar de língua ao redor dos lábios e antes que mostre a dentadura frouxa a sufocarei. Fecharei as mãos ao redor do pescoço dela com toda a força que arranjar em mim.

 

 

Cláudio B. Carlos é poeta da nulidade, filósofo do nada, cantor de cabaré, patafísico e editor de livros marginais. Nasceu em 22 de janeiro de 1971, em São Sepé, Rio Grande do Sul, Brasil. Tem diversos livros publicados.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de JUNHO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de JUNHO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Guarnieri, Ana Elisa Ribeiro, Ana Paula de Nápoles, Beatriz Bajo, CAMÕES DA PRISÃO DE GOA A JÚLIO POMAR, Cândido Rolim, Carlos Barbarito, Carlos Orfeu, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Cláudio Parreira, Danyel Guerra, Denise Bottmann, Federico Rivero Scarani, Jorge Vicente, Leandro Rodrigues, Leonora Rosado, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Ngonguita Diogo, Nuno Rau, Ricardo Ramos Filho, Rogério A. Tancredo, Rosa Sampaio Torres, Rui Albuquerque, Rui Miguel Fragas, Tristão José Macedo, Vanessa Dourado, Vasco Rosa


Foto de capa:

Camões, autor anónimo, 1556 e variação sobre aquele retrato por Júlio Pomar


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR