ANO 5 Edição 57 - JUNHO 2017 INÍCIO contactos

CAMÕES DA PRISÃO DE GOA A JÚLIO POMAR


Henrique Dória

Até 1972, entendia-se unanimemente que o retrato mais antigo de Camões era o de Fernão Gomes, que se datava entre 1573 e 1575, portanto em vida do grande poeta. Em 1972, Maria Antonieta Soares de Azevedo, no 4º centenário da publicação de OS LUSÍADAS, revelou a existência de um retrato de Camões na prisão, datado de 1556.


Ao contrário do retrato de Fernão Gomes, o retrato de Camões na prisão apresenta-nos um Camões ainda novo. E, embora o retrato esteja longe da perfeição que os artistas da época buscavam e se encontra na obra de Fernão Gomes, ele retrata Camões com uma autenticidade maior que o de Fernão Gomes, em que Camões nos aparece representado como um áulico e não como o pobre que foi a vida inteira. Vários autores (v.g. Vasco Graça Moura) pretendem que se trata de um retrato de prisão que pretende traduzir a realidade. Mas não pensamos assim. O retrato está cheio de simbolismo: Camões surge com o gibão roto, com a mão esquerda estendida onde se encontra depositada uma moeda, como um pobre de pedir, e a mão direita segurando uma escudela com magra ração. Mas à sua volta tudo respira sabedoria: o manuscrito de OS LUSÍADAS ( certamente o Canto X), os mapas e os livros que serviram de alicerce ao seu grande poema. Do lado esquerdo da obra, vemos o que certamente será a fachada da prisão. E, ao alto, à direita, pintada na pedra, uma coruja, o símbolo da sabedoria.


As cores variadas e intensas, com predominância das tonalidades amarelas, tornam um retrato que poderia ser de apagada tristeza numa exibição luminosa da grandeza do poeta.


O Camões de Júlio Pomar não tem essa luminosidade: nela predominam cores frias, o verde e o castanho. A acentuar o frio da obra, a boina de Camões foi transformada numa auréola escura. As cores claras encontram-se apenas no manuscrito, na escudela agora vazia, no rasgão que passou do gibão para os calções. Mas as pernas, que na obra quinhentista são mostradas com humana fragilidade, na obra de Pomar surgem com a força de pilares que podem sustentar o símbolo da Pátria.


Henrique Dória

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de JUNHO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de JUNHO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Guarnieri, Ana Elisa Ribeiro, Ana Paula de Nápoles, Beatriz Bajo, CAMÕES DA PRISÃO DE GOA A JÚLIO POMAR, Cândido Rolim, Carlos Barbarito, Carlos Orfeu, Cecília Barreira, Cláudio B. Carlos, Cláudio Parreira, Danyel Guerra, Denise Bottmann, Federico Rivero Scarani, Jorge Vicente, Leandro Rodrigues, Leonora Rosado, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Ngonguita Diogo, Nuno Rau, Ricardo Ramos Filho, Rogério A. Tancredo, Rosa Sampaio Torres, Rui Albuquerque, Rui Miguel Fragas, Tristão José Macedo, Vanessa Dourado, Vasco Rosa


Foto de capa:

Camões, autor anónimo, 1556 e variação sobre aquele retrato por Júlio Pomar


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR