ANO 4 Edição 56 - MAIO 2017 INÍCIO contactos

Carlos Matos Gomes


Salvador e a mãe do Salvador – A nova religião de Fátima

Todos os povos elegeram um mito com o qual se identificam. O mais vulgar é o mito do Criador, mas em Portugal o eleito foi o do Salvador. O concurso para o maior português da história deu como resultado Salazar, que salvou Portugal da II Guerra Mundial. Apenas por graça, o recente vencedor do concurso de canções da Eurovisão chama-se Salvador e foi sagrado a 13 de Maio, no dia em que o Papa de Roma validou a importância de Fátima para a salvação do mundo!

 

O português interiorizou que o Criador do mundo não criou grande coisa em Portugal, por isso os portugueses necessitam tanto de emigrar como de um Salvador. Opõem o Salvador ao Criador, a peregrinação à instalação.

 

Das peregrinações, os portugueses recuperaram a figura da “mulher grande”, a mãe ou a tia do chefe, a mais decisiva entidade das culturas ditas primitivas de África na recolha e distribuição dos benefícios do poder. Mais do que a aventura de darem novos mundos ao mundo, o génio dos portugueses manifestou-se na escolha da mãe do Salvador para os proteger. O Criador expulsou os homens do Paraíso, dizendo-lhes: “Desenrasquem-se!” Abandonados à sua sorte, os portugueses procuraram uma aliada para a tarefa de se salvarem, ou safarem!

 

Os portugueses não acreditam no regresso ao Paraíso, nem na regeneração dos humanos, nem numa segunda vida. Os cemitérios são a última morada. Ir para os anjinhos é morrer. Por isso desenvolveram uma religião adequada à sua descrença. Fátima é, porventura, a grande religião dos descrentes! A descrença num deus criador é a causa do sucesso de Fátima. Fátima é a religião dos que, sabendo como o mundo é, pedem à deusa mãe que os preserve das desgraças, que elas caiam sobre outros!

 

Fátima, ao contrário da mentira posterior à sua consagração como altar da descrença do mundo, não nasceu da necessidade de reconversão da Rússia ao capitalismo (em 1917 o capitalismo não chegara à Serra de Aire, nem sequer à universidade de Coimbra), mas do facto de Portugal se ter metido na I Grande Guerra, quando teria sido possível ficar de fora (Tancos, o campo de mobilização de tropas para a Flandres, fica perto). Salazar, um cínico, comungava da religião dos descrentes, daqueles que, como ele, desejavam sobreviver imitando as perdizes, imobilizando-se para os predadores não as verem.

 

Em Roma, o Cristo judeu agitador da Palestina, crucificado em Jerusalém, foi substituído pelo Cristo romano e imperial de Constantino. Em Fátima, este Cristo Rei exuberante do catolicismo de Roma foi, por sua vez, substituído pela modéstia da sua mãe e de três rústicas crianças, instaladas à volta de uma raquítica azinheira. Com esta mudança emergiu uma nova religião, a dos sem fé na justiça dos deuses e dos homens, a dos que pedem o milagre da salvação enquanto vítimas do egoísmo, do individualismo, da sujeição ao mais forte, ao mais crápula, ao saque e à agiotagem.

 

O culto mariano, que atrai a Fátima milhões de demandantes de milagres, resulta da entranhada desconfiança dos portugueses na justiça. Para os fiéis da religião de Fátima, as iníquas leis do Mundo não podem ser alteradas, mas os portugueses encontraram na Cova da Iria a melhor “cunha” para escaparem à irremediável injustiça através de três pobres crianças. Estas são, justamente, os primeiros santos a subir aos altares da nova religião. A intensidade do culto à “mamã grande” em Portugal, à “Nossa Senhora”, é a resposta dos portugueses ao sentimento de impotência dos homens perante o seu Criador. 

 

A gigantesca promoção da vinda deste Papa – lavagem ao cérebro sem precedentes – revela que a Igreja Católica entendeu os riscos da concorrência que a mensagem dos descrentes faz à Roma imperial. Quer manter Fátima no seu portfolio de fontes de receita e de instrumentos de manutenção da ordem. Mas não só.

 

Os cardeais de Roma sabem que uma civilização e uma época mudam quando mudam os deuses. Os sacerdotes do deus de Roma sabem que se aproxima um corte civilizacional, com novos senhores do mundo, redistribuição de poderes e de injustiças; não querem ser o lixo da velha ordem. Anteciparam-se trocando um papa dos deuses antigos por um exótico Francisco. Perceberam a possibilidade de Fátima ser a sede da nova grande religião do Ocidente, que destronará o imaginário da velha Roma e arruinará o casino da Roma de Wall Street. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa ofereceram-lhes um novo altar, um grande palco para apresentarem o seu novo espectáculo!

 

Em Fátima houve mais do que o folclore exibido pelas televisões. O 13 de Maio de 2017 foi uma impressionante manifestação de medo e de súplica a um salvador para que realize o milagre de afastar a tempestade. Portugal é o local certo para pedir a vinda de um Desejado salvador. Os portugueses levam meio milénio de avanço e de experiência à espera de um! 

 

 

Carlos Matos Gomes

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de MAIO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de MAIO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Brandão, António Ladeira, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos Matos Gomes, Christina Montenegro, Claudio Alexandre de Barros Teixeira / Claudio Daniel, Danyel Guerra, Denise Bottmann, Denise Freitas, Federico Rivero Scarani, Fernanda Fatureto, Geraldo Lima, Henrique Dória, João Rasteiro, José Manuel Morão, Luís Fernando, Maria Toscano, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Natália Nunes Bonnaud, Ngonguita Diogo, Nilo da Silva Lima, Ricardo Ramos Filho, Roberto Cignoni ; Rolando Revagliatii, Rolando Revagliatti, Ronald Augusto, Rubens Zárate, Rui Miguel Fragas, Sandra Poulson, Silas Correa Leite, Tito Leite, Wanda Monteiro, Wender Montenegro


Foto de capa:

Il Quarto Stato - Giuseppe Pellizza da Volpedo, 1901.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR