ANO 4 Edição 56 - MAIO 2017 INÍCIO contactos

Denise Freitas


A Poesia de Denise Freitas

Os dias de janeiro

 

Terra natal era a casa de minha avó
com seu salso-chorão pesado que pra mim
era a tristeza toda e a dor de todo mundo.
Também a aparição do mar, de embarcações

 

e de rajadas trazendo a aridez das dunas
para dentro dos olhos, sobre outro horizonte.
A descoberta da longitude traçando
um lugar de interstício. Os dias de janeiro:

 

um intervalo para cada nascimento.
Depois deles, retorno à vida de costume
onde sempre era fácil alcançar o céu

 

que por inteiro então cabia numa nuvem
firme e quase redonda em risco azul de giz
gravada no chão breve de qualquer calçada.

 

 

 

Rumor de nuvem

 

De alto a baixo o vazio deita ausente no universo.
A imensidade bravia ganha, de vaga em vaga
(como um vento alvoroçado demolindo a vida),
o vasto vale onde a leve ideia da calma pasce.

 

Num estardalhaço apresentado aos astros, assustado,
o céu sem chama estampa a estranha cor castanha.
Cor igual à da lama que toma as fartas águas claras dos rios
quando o mesmo céu se desmonta e tomba sobre terra.
Então o espaço inteiro ronca destroçado na tormenta atordoada.

 

Agora a fúria arrefece.
O ar parado oferece seu silêncio falso.
Devagar a luz avança. Desde o leste intangível
acende o seco dos ruídos corriqueiros
com as mãos mansas na manhã ainda úmida.

 

 

 

Outras coisas cortam

 

Umas quantas sombras, leva, atravessam todo território.
Centenas de corpos muito mais que sombras aterroram
massacres e a tonelada de equívocos que os acompanha.

 

Ainda assim, sobram outras coisas sob o fumo das gentes.

 

Perto dali, crianças andam ruas onde não há calçada; no mesmo
caminho, uma delas cruza manhãs e restos que não são seus.
Sobra para ela, que leve, seu rumo frágil e de mais dois irmãos.

 

Ainda assim, pesam outras coisas sobre o sono das gentes.

 

O solo se desdobra, reveza de alto a raso o escuro líquido
que corre ao lado. Dentro desse veio adormece outro rio-rastro
todo força revestida daquilo que de hora em hora desiste.

 

Ainda assim, outras coisas cortam desde o leito das gentes.

 

No fim da tarde, meninas trocam entre si alguns enfeites.
Como quem fala histórias de assombro, ensinam umas às outras
truques de evitar estupros, e o que há nas cadeias, e nas bocas.

Ainda assim, sempre mais ilusão recobre o horror das gentes.

 

 

 

Breviário de um trajeto rude

 

Os espinheiros que perfazem o caminho
exercem sobre o chão uma ameaça ressentida.
A natureza dessa ocupação fere de tanto seco desfolhado
todo aquele que toca ou mesmo vê distantes
os espinheiros que perfazem o caminho.

 

Palmilhando o terreno cercado de esporas,
quem se aventura nesse trecho, ouve ruídos
de pedra esfalecida e sabe também sua mesma míngua.
Já não recorda de onde vem, pois segue somente
palmilhando o terreno cercado de esporas.

 

Aqui a vida é toda um corte sobre o outro
e cada palmo do corpo é uma história que não vinga.
A pele se entrega ao galho, o chão se rende ao corte.
Um cenário de feridas secas grita a todo instante:
Aqui a vida é toda um corte sobre o outro.

 

 

 

Os olhos que guardam o muro

 

Desde o longe mais antigo eu habito o mundo
nos olhos dos estrangeiros. A ocupação assustadiça
de sombra refece palmo a palmo qualquer vontade.
Nos quintais das casas nada diz minha tristeza
nem a de todos os outros
calcinados no tumulto indecifrável das ruínas.
Por mais que se faça a morte é o que não existe.

 

O que de mim esquece mira três rigores:
o mar,               o céu,               o monte.
Apesar de tanta força o movimento dos meus olhos
sustenta o silêncio ao pé do muro
e, acima dele, um vento sem enredo algum.

 

Denise Freitas nasceu em Rio Grande (RS), em 1980. Escritora e Professora; publicou os livros Veio (2014), Mares inversos (2010) e Misturando Memórias (2007); está entre os autores que compõem a Coletânea de poesia gaúcha contemporânea (Assembleia Legislativa do RS, 2013) e a Antologia poética: Moradas de Orfeu (Letras Contemporâneas, 2011); possui publicações de poesia e crítica literária em revistas como Sibila, Germina Literatura, Musa Rara, Artistas Gaúchos e Modo de Usar.
Escreve o blog: www.sisifosemperdas.blogspot. com

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de MAIO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de MAIO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Brandão, António Ladeira, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos Matos Gomes, Christina Montenegro, Claudio Alexandre de Barros Teixeira / Claudio Daniel, Danyel Guerra, Denise Bottmann, Denise Freitas, Federico Rivero Scarani, Fernanda Fatureto, Geraldo Lima, Henrique Dória, João Rasteiro, José Manuel Morão, Luís Fernando, Maria Toscano, Marinho Lopes, Moisés Cárdenas, Natália Nunes Bonnaud, Ngonguita Diogo, Nilo da Silva Lima, Ricardo Ramos Filho, Roberto Cignoni ; Rolando Revagliatii, Rolando Revagliatti, Ronald Augusto, Rubens Zárate, Rui Miguel Fragas, Sandra Poulson, Silas Correa Leite, Tito Leite, Wanda Monteiro, Wender Montenegro


Foto de capa:

Il Quarto Stato - Giuseppe Pellizza da Volpedo, 1901.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR