ANO 4 Edição 55 - ABRIL 2017 INÍCIO contactos

Carlos Matos Gomes


Vazios europeus

Há umas semanas o jornal espanhol El País publicava um artigo sobre a Espanha vazia. Sobre o fenómeno que, a partir dos anos 60, esvaziou a Espanha rural. Um fenómeno idêntico ocorreu em Portugal. Em Espanha parece estar a surgir uma geração de escritores e de cineastas que tomou consciência dessa profunda mudança da sociedade, revelando as aldeias abandonadas. Em Portugal, depois da geração dos escritores e cineastas da guerra colonial, a nova geração está ainda hipnotizada pelas luzes da cidade… incapaz de ver e, menos ainda, de reflectir o vazio.

 

As aldeias abandonadas de Espanha e de Portugal são um dos resultados do vazio do projecto europeu do pós-guerra. São simultaneamente reais e simbólicas. As aldeias vazias do pós-guerra recordam-me o castelo templário do Almourol, isolado e vazio no meio do Tejo, junto a Tancos e à Barquinha onde nasci. 

 

Em Portugal, após o inevitável fim das impossíveis soberanias coloniais – inevitável porque contra a ordem mundial imposta pelos vencedores da II Guerra e impossível porque contra os objectivos finais do colonialismo de lucrar com a exploração barata de matérias-primas e a transformação em produtos de alto valor –, restou um vazio disfarçado com o objectivo nacional da integração europeia. O novo desígnio. A bebedeira foi curta, mas provocou uma ressaca profunda. Hoje vivemos a ressaca do vazio que, por um lado, criámos e, por outro, encontrámos.

 

Retornámos (somos todos retornados) à Europa e o que podia ter sido integração no regresso ao novo continente, de onde havíamos partido, foi uma feira de feirantes mal-encarados, a vender produtos caros e de pouca utilidade. Encontrámos o vazio das montras de eletrodomésticos, dos stands de automóveis, dos centros comerciais. Desembarcámos no vazio de um centro comercial. 

 

As aldeias rurais a que se referia o El País transferiram-se para os shopping center. Os camponeses e as camponesas são caixas de supermercado. A memória que lhes resta é a de um saco de plástico. O seu objectivo de vida é o de fechar a caixa, ou a loja. Mas as aldeias abandonadas da Espanha e de Portugal podiam continuar habitadas por homens e mulheres se a Europa procurasse o seu futuro nas ´suas raízes ramificadas, se a Europa não se tivesse deixado estrangular pelos seus vencedores, ou se quisesse libertar-se deles.

 

O vazio das aldeias de Espanha e de Portugal é o vazio da Europa sem nada de seu para oferecer aos seus cidadãos, a não ser produzir e vender o que os seus novos senhores designam em inglês por utilidades e comodidades. É um triste vazio o da Europa, que uns classificam como melancolia e outros como depressão profunda.

 

A cura da tristeza da Europa, de uma tristeza real feita do seu vazio, não se alcança com apelos guerreiros de retorno a uma imaginária grandeza passada, aos nacionalismos e aos isolacionismos demagógicos. A cura não se faz com as receitas que causaram a doença, que provocaram as guerras que estão na sua origem. 

 

A cura do vazio da Europa consegue-se procurando um conteúdo europeu para preencher as aldeias abandonadas. Consegue-se encontrando motivos pelos quais valha a pena lutar, um destino para a Europa ganhar o seu lugar no Mundo, que não seja o de apêndice dos Estados Unidos, uma Disneylandia.

 

As aldeias abandonadas da Espanha e da Europa devem ser recuperadas como aldeias europeias, habitadas por europeus, defendidas por europeus. O vazio da Europa tem de ser preenchido com europeus, atraindo os europeus, unindo-os à volta da sua cultura e dos seus valores. As aldeias abandonadas têm de se reorganizar à volta da torre de menagem de um castelo onde nos possamos reconhecer enquanto europeus.

 

Repovoar as aldeias abandonadas da Europa é um projecto oposto ao que tem sido seguido entre a sacralização dos mercados financeiros e o laxismo cultural.

Carlos de Matos Gomes

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de ABRIL de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de ABRIL de 2017:

Henrique Prior, Antonio Barreto, António Dias Costa, Bárbara Lia, Carlos Barbarito, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Denise Botman, Eliana Mora, Filomena Barata, Gladys Mendía, Henrique Dória, Isabel Rama, Jesus Bajo, Joaquim Maria Botelho, José Gil ; Barbara Pollastri, Luís Giffoni, Márcia Denser, Maria Toscano, Marinho Lopes, Mell Renault, Moacir Armando Xavier, Moisés Cárdenas, Ney Ferraz Paiva, Noélia Ribeiro, O FAUNO EM TRÁS-OS-MONTES, de Caio Junqueira Maciel; obras, imagens e cessão de imagens e material de catálogo: Wellingyon Dias; edição, de Myrian Naves., Ricardo Ramos Filho, Romério Rômulo, Ronald Augusto, Ronald Cláver, Rosa Sampaio Torres, Silas Correa Leite


Foto de capa:

25 de Abril por Vieira da Silva


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR