ANO 4 Edição 54 - MARÇO 2017 INÍCIO contactos

Djami Sezostre


Zut

OH CAHTAHRAHKWYH

 

... ohcatarakwy, istrongi
oplunguis alongui, ohcatarakwy
istriquingui iraguingui, ohcatarakwy
asif awar waguingui, ohcatarakwy
itis cavernis andi tavernis amongui, ohcatarakwy
risingui andi leapingui, ohcatarakwy
sinkingui andi creepingui, ohcatarakwy
sweulingui andi seepingui, ohcatarakwy
shooweringui andi ispringingui, ohcatarakwy
fliingui andi wriguingui, ohcatarakwy
ediingui andi whiskingui, ohcatarakwy
ispoutingui andi friskingui, ohcatarakwy
turningui andi twistingui, ohcatarakwy
aroundi andi aroundi, ohcatarakwy
withi andlessi reboundi, ohcatarakwy
ismitingui andi figuitingui, ohcatarakwy
confoundingui astoundingui, ohcatarakwy
dizziingui andi deafeningui dear withi itis sooundi...
oh ohcahtahrahkwyh

 

oh ohcahtahrahkwyh
oh ohcahtahrahkwyh 
oh ohcahtahrahkwyh oh ohcahtahrahkwyh oh ohcahtahrahkwyh...

 

 

 

 

 

SUDÁRIO

 

çim jeuss csrito ivev edntro de mmi
eel drome em mniha csaa em mniha cmaa
eu eo ajno de lux msorto os ohlos de lúzifer
e jeuss bieja mniha bcoa os libáos cehios de erestlas 
eu o ajno de luaz vvio de parzser vvio e fmoe

 

fmoe e sdee de sxeo jeuss um

 

jeuss de ohlos mohlados
ohlando osm e usohlos mohlados
eu o ajno de luz com a sdee do mnudo
a sdee em mniha línuga

 

o
ajno de luz teprdao na curz
o sbulime o ajno ridevvio de lu

 

z
abra

 

 

 

 

 

MENINO JESUS É REI

 

Alvez eu screva um oema epois do atal
E alvez eu screva um oema epois da assagem
E ode ser que o oema ale de uzes e ão de rzes
E do eregrino que asceu na strebaria e ndou
Luminado elo undo de elém e epois

Orreu na ruz ara alvar os omens Alvez
Eu screva um oema que ale de az Alvez
A az eja um írculo de strelas adentes
Aindo ozinhas ao éu huviscam a oite
Que é iva e ediviva de aga-umes

Leluia, enino esus é ei-
É ei, É ei, Ér Rei.

 

 

 

 

 

ETNOPOEM

 

& eye ye vindo do meu centro de dentro
& eye ye alma de menino &
& eye ye o menino pássaro & eye ye o menino cavalo
& os insetos ye eye & as pedras ye eye & eu madrepérola

 

eye ye eu feito de eye de sol ye de sol & eye as mãos
& eye os pés & eye eu & e eu eye
subindo ao amanhecer &
subindo ao entardecer &

 

eye sou hey um animal eye
eye sou hey um vegetal eye
eye sou hey um mineral eye

 

i yum animal naturalis humanus
i yum vegetal naturalis humanus
i yum mineral naturalis humanus

 

O poeta, performer e ativista pró-poesia Djami Sezostre nasceu na noite de 30 de abril de 1971, em Rio Paranaíba, Minas Gerais, Brasil. Estreou em 1986 com o poema/livro Lágrimas & Orgasmos, desde então, publicou dezenas de obras de poesia, dentre as quais estão Anu, Arranjos de pássaros e flores, Estilhaços no lago de púrpura, Onze mil virgens, Yguarani e Zut. Traduzido para o espanhol, francês, italiano, inglês, alemão, finlandês, grego, húngaro e búlgaro. Em suas performances, queimou, rasgou e comeu livros, usou rosas e outros elementos como imagens da natureza em diálogo com o corpo e o espaço. Por seu modo próprio de sonorizar e representar a poesia, criou a Poesia Biossonora, que teve como espetáculos ecoperformances apresentadas na América, Europa e África, além dos CDs Musicacha, Neonão, Tropofonia e Muscai, que dissolvem fronteiras entre a música e a poesia. Viajou a países lusófonos para pesquisar a literatura produzida em língua portuguesa e publicou em livroDVD a contraantologia Portuguesia: Minas entre os povos da mesma língua, antropologia de uma poética, com 101 poetas de Portugal, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Brasil. Idealizou e empreendeu durante onze anos o Encontro Internacional de Leitura, Vivência e Memória de Poesia Terças Poéticas, sediado no Palácio das Artes em Belo Horizonte, Minas Gerais, com cerca de 500 edições nas quais se apresentaram artistas e escritores das mais diversas ascendências estéticas. Organizou as antologias o Achamento de Portugal, Terças Poéticas: Jardins Internos, o Amor no terceiro milênio etc. Participou dos livros Antologia da Nova Poesia Brasileira (Olga Savary), A Poesia Mineira no Século XX (Assis Brasil), Poesia Sempre Minas Gerais (Afonso Henriques Neto), Dicionário Biobibliográfico de Escritores Mineiros (Constância Lima Duarte), Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais (Prisca Agustoni) etc. Apresenta o programa de radioarte Tropofonia (Prêmio Roquette-Pinto/2010/ARPUB e MinC), rádio Educativa  104,5 UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de MARÇO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de MARÇO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Brandão, Alexandre Marino e Antonio Barreto., Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos Matos Gomes, Christina Montenegro, Claudinei Vieira, Cláudio B. Carlos, Danyel Guerra, Djami Sezostre, Francisco Orban, Henrique Dória, Lenita Estrela de Sá, Luis Bacigalupo ; Rolando Revagliatii, Luís Fernando, Maeles Geisler, Marcelo Mirisola, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Marta Tavares, Moacir Armando Xavier, Moisés Cárdenas, Ney Ferraz Paiva, Rodrigo Leste, Rogério A. Tancredo, Silas Correa Leite, Susan Pensak


Foto de capa:

Jackson Pollock - Black poured over colour


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR