ANO 4 Edição 54 - MARÇO 2017 INÍCIO contactos

Caio Junqueira Maciel


Abrir-se o poema ou mesmo depois de deduzir dele o pássaro: um olhar sobre a poesia de Jorge Vicente

Algum velho leitor de poesia há de se lembrar de que esse título é uma paráfrase do título do primeiro livro de poemas do mineiro Adão Ventura (1946-2004): Abrir-se um abutre ou mesmo depois de deduzir dele o azul. Belo e estranho título, a assinalar uma poética de tons surrealistas que, ao longo do tempo, converteu-se numa dicção mais arejada, realista, de grande contundência social e vigor da linguagem.
Em Portugal, lendo alguns poetas da terra, tomei conhecimento da poesia de Jorge Vicente, através da revista eletrônica InComunidade. Solicitei-lhe que me enviasse meia dúzia de poemas, uma forma não sei se recomendável de conhecer um artrópode pelas suas seis perninhas. Uma abelha a produzir mel, assim vejo o poeta, em seu ofício, nem sempre marcado pela doçura. Aliás, uma vez escrevi um acaipirado epigrama que dizia “zabêia zune no zovido/ puesia devia sê a gostosura do mé”.
Um dos textos do Jorge Vicente, até então inédito, diz o seguinte:

 

“no caminho das uvas
responde o deus descido
ao apelo das romãs:

alegrai-vos,
que as gazelas voam como estrelas
no céu aberto das minhas mãos.”

 

          Vê-se o frescor atemporal da poesia lírica. Um leve tom bíblico,  que me leva a evocar os eróticos seios da amada, filhos gêmeos da gazela dos Cantares de Salomão, tocado pela preciosa verdade suprareal do poético, elevando o que é pedestre aos céus, conferindo ao homem o prodígio da criação. O caráter amoroso da poesia de Jorge Vicente também pode ser observado de forma mais evidente no poema a seguir, que foi publicado em 2017, na revista “gueto”:

 

“perdoa, meu Amado,
a minha ternura:

 

um pouco de desejo fresco
um rio sempre muito grande
e braços e pernas e árvores
e ordens amorosas de sentido

 

perdoa se traí o amor a vida
e o poema:

 

o amor estreito entre duas aves
ou entre dois corpos
ou entre duas palavras
no intervalo de um fruto

 

perdoa se entre o dia de ontem
e o de amanhã
naveguei entre dois cavalos e duas
fascinantes palavras

 

esta arte da fome e da ambição
que entre flores nos comove.

 

          Uma poética contida a expressar paradoxalmente a fúria da ternura. Chega-me à memória o soneto “Quarto em desordem”, de Carlos Drummond de Andrade, a falar de um “cavalo solto pela cama a passear o peito de quem ama”. Em Jorge Vicente, a arte de amar viceja na arte de compor, harmonizando linguagem, corpo e natureza. Se Drummond falava em desordem, aqui há uma ordem dos sentidos, juntando-se a elementos heterodoxos, mas daí provocando cintilâncias. A cintilação, proveniente da força ígnea do corpo e da combustão de forças insabidas da poesia ctônica, da escura terra, é exemplarmente destacada e instaura amanhecências no texto a seguir, para mim, o mais belo dos poemas desse autor, que o publicou em em teoria do movimento, em 2014:

 

“hoje escrevo
e há um rebentamento dentro da pele
 
sílabas formando-se
amanhecendo o sangue
retocando o sangue
recriando-o dentro
de uma nova linguagem

 
as palavras só podem ser iguais
aos pássaros e iguais a todas as
coisas:
são reais, podem tocar-se com os
dedos, podem subverter, caminhar
entre os bisontes

 
[se ainda houver animais que possam
amanhecer de terra escura]


as palavras não são as palavras
não se encontram dentro dos livros
senão no ritmo cenestésico de braços
e pernas, órgãos vitais, força
ígnea do corpo

as palavras não lembram
nem têm a presciência dos mundos
apenas o assombro, claro e cintilante,
do que pode ser agora.”

 

          Ferreira Gullar costumava associar revelação poética a um relâmpago. E Manuel Bandeira falava em alumbramento. Poesia é também assombro, há bisontes em seu horizonte e o que pulsa na pele prodígios impele. Ocorre-me novamente Drummond, com aquele instigante “Áporo”, a falar da raiz e minério num labirinto que se desata, desabrochando a orquídea-poema. O poeta, qual inseto que cava sem alarme, congrega sílabas na arcaica lavoura de apascentar enigmas.
Em a noite que abre, de 2016, Jorge Vicente nos exibe um poema em prosa, de feição metalinguística, em que se nota também o jogo entre luz e sombra, noite e cintilação, existência e linguagem. Corpo e natureza, aqui associada a pedra, esteva e pássaro, constituem uma escritura em chamas, impregnada de vida:

 

 

 

“a noite abrir-nos-á naquilo que vomita. naquilo que fere. naquilo que fica depois. é assim tudo o que transcende a sombra. aquilo que ela representa. o múltiplo de dois. a essência vestida ao contrário.

 

 

 

amanhã, acordarei e escreverei um poema onde possa dizer: alimenta-me de silêncio e escreve-me um poema sem palavras. iremos juntos ao cinema e abrirei o véu da tela para que possas descortinar o céu atrás das ruas da cidade. os olhos serão pedaços de chamas deitados na pedra-mármore ou na escrita-papel. não há ruas que possam existir se não puderes abandonar a escrita e chamar pelo meu nome. a sombra só será verdadeira se o poema for o único modo de existir.

 

 

 

não é. a sombra é tudo aquilo que não conseguimos dizer pelo corpo. a roda. a ciranda dos pássaros. a beleza da esteva em noite de caminheiros: tudo isso existe sem que a palavra alimente.”

 

 

 

          Creio que foi a partir desse poema que me veio à lembrança o primeiro livro de Adão Ventura, com um ritmo intenso estabelecendo a sobreposição da fanopeia ao significado da palavra. Pois eis que há aqui uma lúdica atividade de cerzir o texto com o crepitar do som e silêncio. Há, nesse texto, a curiosa imagem do desvelamento de uma tela do cinema para que se descortine o céu atrás das ruas da cidade. Poesia, em sua aparente inutilidade, presta-se a isto: dar a ver. A propósito, foi exatamente na “revista inútil”, em 2009, que Jorge Vicente publicou este poema, também na esteira da metalinguagem, expressando o dilaceramento da hesitação entre som e sentido:

 

“o poema proclama como quem grita:

 

amanhecer de peles,

 

tômbola de flores,
unha carne raiva por descobrir

 

já sei que a palavra não diz nada
mas as pedras permanecem na
promessa da voz.”

 

          O lúdico alinha-se ao motivo da rosa e está prestes a explodir no tumulto “unha carne raiva” para gerar o que se oculta em pedra na promessa de voz. Ai também encontramos a senda do amanhecer, ação inaugural de cada palavra sob o signo da poesia. E, no breve e belo poema inédito a seguir, nos deparamos com um verdadeiro idílio, em sua etimologia grega de “pequeno quadro”, em que se inscreve uma figura mítica a construir a linguagem que abastece os que sabem voar:

 

“o meu pequeno deus doméstico
ininterruptamente escrevendo na argila:


constrói uma pequena linguagem que
possa alimentar os pássaros.”

 

A fluência da escrita poética é algo como um rio selvagem a correr no território doméstico, o que configura a notável ambivalência própria do que chamamos de um bom poema. Todo pequeno grande texto é criador de tensões. Na fragilidade da argila há sua força, o poeta é Prometeu que molda na argila o futuro ser humano, para o qual roubará o fogo do Olimpo e terá seu fígado devorado pela águia. Porém, invertendo o mito, em Jorge Vicente a poesia é aquela que nutre e é dela que se pode deduzir o pássaro.

 

Caio Junqueira Maciel é brasileiro (Cruzília, MG), poeta, ensaísta, letrista musical, contista, atualmente morando em Braga.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de MARÇO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de MARÇO de 2017:

Henrique Prior, Alexandre Brandão, Alexandre Marino e Antonio Barreto., Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Carlos Matos Gomes, Christina Montenegro, Claudinei Vieira, Cláudio B. Carlos, Danyel Guerra, Djami Sezostre, Francisco Orban, Henrique Dória, Lenita Estrela de Sá, Luis Bacigalupo ; Rolando Revagliatii, Luís Fernando, Maeles Geisler, Marcelo Mirisola, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Marta Tavares, Moacir Armando Xavier, Moisés Cárdenas, Ney Ferraz Paiva, Rodrigo Leste, Rogério A. Tancredo, Silas Correa Leite, Susan Pensak


Foto de capa:

Jackson Pollock - Black poured over colour


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR