ANO 4 Edição 52 - JANEIRO 2017 INÍCIO contactos

Cláudia Cassoma


A volta de Papai Noel

Os natais cá em casa começavam nos dias primeiros do mês e dançávamos até ao sexto dia do ano subsequente em que celebrávamos os nossos tocaios. Víamo-la a trazer sacos que mal conseguia carregar e a levá-los ao quarto que só era segurado com tranca durante aquele mês.

 

Mamãe era Papai na véspera. Dos furos das nossas portas, assisti, várias vezes, o leve assentar dos presentes à árvore de natal que com ela decorávamos. A única estrela que há anos compramos, isso ao meu primeiro aniversário, era posta no seu cimo e brilhava como se fosse mesmo um dos presentes dos magos. Na noite que antecedia o tal dia, ela andava na ponta dos pés e quase sem respirar, só para que não a víssemos nem a ouvíssemos, e plantava no perímetro do arbusto adornado com vermelho o que supostamente viria de muitos remetentes; até do genitor. Só que não! Em hipótese alguma, dos matos de Portugal, vieram presentes tão bem pensados e cheios de sentimento. Cartas escritas com pena e raiva. Pena da pessoa que o governava, que no fundo era ele mesmo, e o impedia de voltar sem que o tal trabalho terminasse. Oh santo ofício de ébrio! E a raiva era pela distância que ele mesmo traçou e que supostamente o enfraquecia. Até os segredos da minha mente parecia conhecer pela minha soniloquência, mas isso só Mamãe podia saber, pois só a sombra dela via quando, no meio da noite, meus olhos abriam. Esse ser, que supostamente sabia tudo sobre nós e se preocupava, não era ele, nunca foi. E, pelo menos eu sabia.

 

Durante o tempo que a terra levava para completar a sua volta em torno do Sol poderíamos carecer muito, menos o natal. Poderíamos ter experimentado um ano íngreme, mas o natal nunca nos foi penoso. Nunca!

 

Volta-me à memória o primeiro dia em que a desvendamos. Trazia nas curvas africanas calças vermelhas com detalhes brancos, cinto largo de fivela, chapéu a combinar e botas pretas. Ela era mulher de crer profundamente. Falava com olhos brilhosos e corpo jubiloso, era cheia. Lembro-me das suspeitas que o Gaspar levantou contra esse ser que supostamente levava-nos presentes todos os anos e, as vezes, sequer conseguia levar-nos pão. Naquele dia quase gritou. Não sei o que pensou dizer pois cobri-lhe a boca antes que proferisse. Porventura fosse por parecer mais magro que a descrição dos livros dos mindele ou talvez por trazer melanina tal como a abandonada ao terceiro rebento pelo nosso gerador de células reprodutoras. Mas a longa barba branca iludiu-lhe a vigilância. Gaspar nunca o tivera visto, então não foi difícil despistá-lo. Eu já sabia que era a Mamãe, mas ele não; nem ela sabia que eu sabia. Para todos os efeitos Papai Noel nunca se esqueceu de nós. Até que um dia o fez!

 

Éramos apenas os quatro e sempre foi suficiente. O calendário era posto na porta do frigorífico precisamente no último dia do mês precedente. Éramos felizes e sabíamos. Mamãe sempre fez questão de relevar. Vêm-me à lembrança os ornamentos de papel que fazíamos nas segundas semanas das festividades, de acordo com o impresso que só
trazia os dias de um mês e mais seis. A nossa árvore de natal era, em todo tempo, decorada do mesmo jeito e nunca esteve tão cheia também, mas sempre foi efetivamente natalícia. Antes mesmo do nascimento do Gaspar, já sabíamos o exacto lugar de cada enfeite.

 

Nós que só gostávamos de dormir depois da chegada do sol ao nadir, gostávamos de passar as noites a jogar aos jogos eletrônicos; pelo menos tentávamos, mas Mamãe nunca deixou. Isso só acontecia na véspera mesmo. Comíamos o que fosse, quando tivesse e, punhamo-nos de joelhos ao pé dos presentes, ansiosos para os abrir. Mamãe recitava-nos belas palavras e prosseguia com as entregas. Cada ano aprendíamos o nome de um tio diferente; só nome mesmo, porque rosto nunca vimos. Ainda acho que ela se esquecia das mentiras antigas, mas longe mim acusá-de de trapaceira. Recebíamos os presentes, alegres, abríamo-los, com espanto misturado de prazer, os considerávamos, e logo Mamãe nos levava à cama com seu belo narrar da história de natal. Os natais lá em casa eram felizes. Até que um dia deixaram de ser!

 

Papai Noel chegava com braços cansados e mãos endurecidas pelo pesar dos presentes. Mergulhava nos lagos da sua exsudação e vinha assim mesmo. Ele sempre nos amou demais, mas de mim precisou mais. Ignorei o desapertar do seu fato, desde o ano antes do passado, por tal, não teremos o próximo. No último natal eu vi como se apresentou mais magro, como veio mais adinâmico, mas nunca pensei que fosse isso.

 

Papai Noel vinha numa única noite e voltava logo de seguida, mas sua volta nunca foi tão buliçosa, nem sua vinda tão certa de não mais ser.

 

 

Cláudia Cassoma é jovem angolana, nascida em Luanda, mergulhada na arte de escrever desde tenra idade. Música, canto, teatro, dança, foram (são) outros dos seus devaneios; hoje, além de estudante, amante das letras e dos menores, vive crendo que "o voluntário ajuda quem precisa, contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário", e dedica qualquer hora vaga ao trabalho social. Entre as coisas que lhe alegra fazer está a edição do seu blogue; visitar www.claudiacassoma.com é garantia de conhecer melhor esta emergente escritora.

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de JANEIRO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de JANEIRO de 2017:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Alilderson de Jesus, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Casé Lontra Marques, Cássio Amaral, Cláudia Cassoma, Danyel Guerra, Fernando Rocha, Helena Barbagelata, Helena Osório, Henrique Dória, Hilton Fortuna Daniel, Inês Monguilhott, João Paulo Esteves da Silva, João Paulo Esteves da Silva / Alice Macedo Campos, Lizziane Negromonte Azevedo, Luís Fernando, Maria Aliete Matias, Maria João Franco / Rocha de Sousa, Maria Olívia Santos, Maria Toscano, Marinho Lopes, Marta Tavares, Moisés Cárdenas, Myrian Naves e Ricardo Farias, Ricardo Aleixo, Rubens da Cunha, Silas Correa Leite


Foto de capa:

Marc Chagall - 'Su Vitebsk' (1914).


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR