ANO 5 Edição 52 - JANEIRO 2017 INÍCIO contactos

Alilderson de Jesus


O que Bob Dylan me ensinou sobre o Nobel

De uns tempos para cá, todo ano, como quem cultiva uma tradição, acompanho a entrega do Nobel. Como quem deixa o melhor para o final, fico atento às premiações a químicos, economistas, médicos, físicos,  até o anúncio da distinção mais importante que é a que laureia escritores e poetas.

 

Para minha surpresa no já finado 2016, o vencedor do prêmio, que  em algum momento escapou das mãos  de João Cabral de Melo Neto e de Borges, tendo ainda sido recusado por Jean Paul Sartre,  é  um famoso cantor e compositor pop.  Talvez dedilhar uma guitarra tenha contado a seu favor.

 

Fato é que o estadunidense Bob Dylan pode dormir no mesmo  panteão ocupado por um Eugene Montale  e Pablo Neruda,  entre outros. Isso porque a academia sueca crê que as canções de Dylan constituem uma obra poética.  Cá para nós, que ninguém nos ouça, a conclusão a que chegam esses doutos, vale no mínimo uma discussão.  Acontece que tanto os fãs de Bob Dylan, quanto os do relativismo rechaçam tal exercício. Descubro a duras penas que não só axiomas são monolíticos, ideias fixas e paixões também.  Uma delas (ideia fixa ou paixão?), é de que poesia e letra de música são a mesma  coisa. Sendo eu alguém refratário a axiomas, levei a discussão a esse respeito ao espaço de vale tudo (ou MMA, que é mais moderno) do facebook. Como é comum em searas virtuais, fui incompreendido. Dois respeitáveis admiradores do compositor norte- americano, “perceberam” no meu discurso uma insensibilidade ao talento de Dylan. Ou mesmo uma ignorância sobre o valor de sua obra. Nem uma nem outra coisa estava em questão. Como não estaria em questão a qualidade de ou talento de um pintor, a quem a academia resolvesse premiar levando em consideração os traços poéticos e bom equilíbrio das cores praticado por esse meu hipotético artista. Eu apenas creio que um prêmio literário deve privilegiar escritores e não grandes vendedores de discos, ou pintores ou arquitetos. A concorrência desses com pessoas que se dedicam exclusivamente a escrita parece-me desleal. Digo isso reconhecendo os possíveis méritos do agora bardo estadunidense. Ocorre que ao premiar uma celebridade da música, o Nobel lança luzes sobre si e não sobre a literatura.

 

Alguém poderá me interpelar dizendo: como você se atreve a dizer que as canções de protesto do ilustre recém-nobelizado não são literatura? Essa é uma outra discussão que dá um texto à parte.

 

Mas não é nem essa e nem aquelas outras questões que me trazem aqui e  sim um sincero desejo  de agradecimento a Bob Dylan pela lição que me deu a respeito do prêmio que lhe foi entregue. A lição não é fruto de um mergulho nas composições do letrista em questão, mas sim de uma mirada descompromissada à postura de Dylan ao receber o Nobel. Dois dos  agraciados na história recente da premiação, prosadores de lados opostos do ringue ideológico, a saber Mario Vargas Llosa e José Saramago, imediatamente se pronunciaram e agradeceram a honraria. Mesmo esse último tendo dito que o Nobel não tem importância. Bobby Dylan, pelo contrário, manteve um constrangedor silêncio, que irritou seus fãs da academia sueca. Um deles chegou a chamá-lo de arrogante. Cheguei a pensar que, pegando carona na moda brasileira, a academia destituiria o compositor estadunidense do cargo de literato,  propondo outro nome  do showbusiness.

 

Mas a postura de Dylan não me pareceu arrogante. Pareceu-me consciente. Dylan sabe o que até então eu não sabia. Ele é mais importante que o Nobel. Se não vejamos, quantos sabem a respeito da famosa premiação? E quantos sabem quem é Bob Dylan? Não fiz nenhum censo, todavia se tivesse que apostar, jogaria minhas fichas no norte-americano.

 

No final das contas, Dylan tratou o Nobel como alguém como eu ou outro qualquer deveria tratar: como mais um prêmio destituído de aura como qualquer outro em nosso mundo capitalista. Afinal sendo destituída de aura própria, qualquer coisa no capitalismo pode ter sua aura concedida por ele, capitalismo.

 

Quando deu fim a seu silêncio, o compositor fez os agradecimentos de praxe, mas tratou de salientar que iria receber a distinção caso não tivesse algum compromisso. Provavelmente um show que lhe renderia muito mais que os quase um milhão de dólares que vem junto com o prêmio.

 

Dylan não foi à cerimônia do Nobel. Patti Smith, muito emocionada, substitui-o. Se agiu com simpatia, creio que a próxima cerimônia será para ela. Isso se ela for e não mandar o Bob Dylan em seu lugar.

 

A questão é que, ao meio que esnobar o Nobel, Dylan cumpriu uma função que é imperceptível para seus fãs e para imprensa, surpresa com o prêmio, mas muito feliz com a consideração ao cantor. Dylan colocou o nobel em seu devido lugar: na prateleira de certa insignificância charmosa. É possível, portanto, que algum grammy (ou alguns grammies, lá sei eu) tenha tocado muito mais o coração do artífice.
 
Outra coisa que Dylan pode ter me ensinado é que ser concebido como um poeta por uma instituição acadêmica é menos importante até do que já o ser pelos que compram seus discos e gritam seu nome. O desejo da Academia de colocá-lo no lugar de um literato não o comoveu tanto assim, porque a anuência de quem lhe interessa para ostentar o título de poeta já foi há muito concedida pelos que possibilitaram a ele fama e  fortuna. É como se ele dissesse a seus consagradores da Academia sueca:” Vocês precisam mais de mim do que eu de vocês.” E nisso Dylan está coberto de razão.

Alilderson de Jesus: Doutor em Literatura Portuguesa - UFRJ

TOP ∧

Revista InComunidade, Edição de JANEIRO de 2017


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Prior       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Jorge Vicente, Maria Estela Guedes, Maria Toscano, Myrian Naves


Colaboradores de JANEIRO de 2017:

Henrique Prior, Alice Macedo Campos, Alilderson de Jesus, Caio Junqueira Maciel, Carlos Barbarito, Casé Lontra Marques, Cássio Amaral, Cláudia Cassoma, Danyel Guerra, Fernando Rocha, Helena Barbagelata, Helena Osório, Henrique Dória, Hilton Fortuna Daniel, Inês Monguilhott, João Paulo Esteves da Silva, João Paulo Esteves da Silva / Alice Macedo Campos, Lizziane Negromonte Azevedo, Luís Fernando, Maria Aliete Matias, Maria João Franco / Rocha de Sousa, Maria Olívia Santos, Maria Toscano, Marinho Lopes, Marta Tavares, Moisés Cárdenas, Myrian Naves e Ricardo Farias, Ricardo Aleixo, Rubens da Cunha, Silas Correa Leite


Foto de capa:

Marc Chagall - 'Su Vitebsk' (1914).


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR