ANO 3 Edição 31 - FEVEREIRO 2015 INÍCIO contactos

Cecília Barreira


AS MULHERES OBSERVADAS PELO DIÁRIO DE LISBOA DURANTE O 25 DE ABRIL

Um dos nomes mais representativos do Feminismo, Helena Neves, pertencia ao Comité Central do PCP e tinha sido presa pela PIDE uns dias antes do 25 de Abril: em “A Mulher Portuguesa e o Momento Actual” (DL. 15 de Maio) fala de questões que nunca tinham sido debatidas na sociedade portuguesa: por exemplo, a questão da humilhação, do sofrimento e da violência sobre as mulheres. Assumia-se contra a mulher como objecto erótico ou suporte de maternidade. Não é por acaso que uma jornalista do DL proclama em letras gordas o fim dos concursos de beleza. As mulheres estariam fartas de serem tratadas com uma menoridade mental e reivindicavam, não o erotismo das misses, mas o salário igual para trabalho igual. Nesta demanda por uma moralidade livre, interditam-se os filmes pornográficos por ordem da Junta. (DL. 16 de Maio).

Maria Isabel Barreno (1939-,31), uma das três Marias, refere a opressão da mulher numa sociedade masculina. E num gesto corajoso, completamente inédito em Portugal, diz: “Partindo da produção de crianças, somente se pode compreender certos detalhes tais como: a repressão violenta do onanismo – desperdício, prática sexual sem qualquer utilidade económica ou ideológica; a prostituição, por exemplo, serve à reprodução dos agentes; todas as excitações, físicas ou psicológicas, do clítoris, órgão abominável visto que, não sendo um meio de produção de crianças, permite, ainda por cima, o prazer das mulheres” (DL. 16 de Maio). Maria Isabel Barreno cita ainda Engels, questiona o poder da paternidade e a tomada de poder dos homens com a propriedade privada.

 

Contributos para um imaginário ideológico do DL – 25 de Abril

 

Nem todos os colaboradores do DL tinham a abertura ideológica de Maria Isabel Barreno. Veja-se, por exemplo, o artigo de Calvet de Magalhães (1915-2004) sobre “A civilização da imagem”. O autor, digníssimo antifascista, alerta-nos para os perigos do audiovisual face ao velhinho quadro preto.

 

Por sua vez, a publicidade do DL, conformava-se com a revolução em curso: acerca do recentíssimo automóvel Mini surge uma imagem com dezenas de jovens revolucionários clamando com cartazes “Mini contestação: Mini ateste! Mini arrumo! Mini gasto!”
Entretanto, no Casino do Estoril, a grande “vedeta australiana da canção” Kirri Adams.

 

Os homens estavam cada vez mais interessados na sua imagem: o restaurador Olex agraciava-os com cabelos muito pretos. Além disso, homem que fosse homem devia ir ao snack-bar Flórida, mesmo na Praça Marquês de Pombal.

 

Os casais não tinham dinheiro para pagar casas no centro de Lisboa: de repente, fala-se de andares em Linda-a-Velha, Monte Abraão (Queluz,31), Seixal (margem Sul) e tantos outros locais.

 

Para as mulheres portuguesas nada melhor do que a Singer: o anúncio em questão mostra-nos três jovens muito elegantes e, para nosso descontentamento, a máquina de costura Singer.

 

Mas, há para todos os gostos: num cartaz, médio, anuncia-se que já não haverá mais surdez, porque finalmente A Casa Sonotone já oferece o som a qualquer ser humano: pequeno problema, Sábados e Domingos estão fechados.

 

Ainda as senhoras: “Experimente 2 000 – a tinturaria revolucionária – limpa a seco- tinge – lava”.

 

Para os Escritores nada melhor do que a Parker e avisa-se: “Parker escreve-se Parker em todas as línguas”. Imaginemos que um escritor ou alguém de posses quer fazer um cruzeiro: não há problemas. Abriu a Star “Não somos génios, mas fizemos o impossível”. Os Camaradas já podiam fazer cruzeiros.

 

Mas, nada escapava a esta publicidade devastadora: já havia tetos falsos, “Elektro-metall”, em S. João da Pedreira.

 

Para as senhoras mais prevenidas em relação aos maridos, havia a astróloga Sara. E, ainda para os casais, viagens maravilhosas para conhecer o Leste da Europa. Até havia, vejam lá, pela Abreu, viagens à Escócia e a Londres.

 

Para que o Mini não fosse o único carro à venda surge o extraordinário Citroen GS. “Fizemos a break GS sem molas – para que não fosse mais uma break a sofrer delas”.

 

À noite, para todas as famílias, em Teatro de Revista, a grande Laura Alves (1921-1986) presenteava toda a gente “com espectáculos despidos até de preconceitos”.

 

Os andares para as famílias continuavam a construir-se por todo o país, Porto, Figueira da Foz, Algarve e Costa do Sol. Era a J. Pimenta, SARL.: belíssimo mobiliário, caixilharia de alumínio, óptimos materiais de construção.

 

Nunca esquecendo o público feminino, dado que existiam muito poucas lojas de pronto a vestir, referia-se que na Avenida Almirante Reis se vendia a peso “tecidos suíços de algodão”

 

Lembram-se dos Escritores da Parker? Entretanto veio a Sheaffer, de prata de lei, maciça. E, ainda para os escritores, porque não um automóvel Subaru. Para as senhoras, mulheres dos escritores, havia a Charlot, masculino e feminino. E, ainda, a Filmoda, Salão Internacional de vestuário, calçado e adorno.

 

Para os revolucionários que quisessem, por exemplo, aprender russo ou por maldição, inglês, havia o Centro Audiovisual de línguas, no Chiado. Agraciavam-nos com o título “O Tempo de Revolução e Nós”.

 

O Governo, através do Ministério das Finanças, avisava os cidadãos que até 31 de Julho tinham de fazer a declaração de Imposto Complementar. E a propósito de revolução, o Sindicato Nacional dos Caixeiros e profissões similares, a 25 de Julho de 1974, nos Estádio 1º de Maio, apoiava o MFA (Movimento das Forças Armadas).

 

Até os proletários já podiam comprar um carro: o Austin 1300. Tinha conforto, consumo, segurança e um óptimo preço.

 

Para escritores e proletários a Kaiser referia os belíssimos candeeiros de trabalho e decorativos.

 

Mas, a tecnologia estava cada vez mais sofisticada: para quem gostasse de fotografia profissional vendia-se a Fujika single-8/Z-700: a máquina até filmava.

 

Voltando aos senhores que tinham muito dinheiro: por 2 500$00, pela Agência Abreu, havia fins-de-semana em Londres. Saía-se à quinta ou sexta-feira e voltava-se Domingo à noite. A Agência Havas Exprinter levava de autocarro qualquer camarada para as praias do Mediterrâneo (desde 2 290$00,31); Benidorm (desde 525$00) e Torremolinos (por 1770$00). Mas, os camaradas podiam ir mais longe ainda: Canárias por 3 320$00 e Maiorca por 3 240$00.
O Algarve definhava: os poucos hotéis algarvios eram gravemente afectados, os donos dos hotéis eram considerados capitalistas.

 

Mas, os portugueses tinham de confiar num bom banco: nada melhor do que o BPA (fundado em 1919,31), Banco Português do Atlântico. E com uma ajuda do banco uma ajudinha para o recém estreado Hotel Júpiter, na Praia da Rocha: pensão completa por casal 660$00 com crianças grátis. Havia piscina (novidade,31), bowling (novidade,31), snack-bar e boîte. Quatro em um. Portugal nunca tinha visto nada igual: boîte e piscina.

 

Os camaradas agora debatiam-se com o novo carro Vauxhall GM. Era um carro para todo o ano. Com o carro vinha um conjunto portátil Solcampo, uma mesa com uma bonita toalha, quatro cadeiras e uma geleira.

 

Os portugueses, como se sabe desde há centenas de anos, gostavam muito das touradas: com uma imagem violenta de um touro anunciava-se que na Nazaré, a 25 de Agosto, o grande cavaleiro Manuel Conde e o forcado Nuno Salvação Barreto, iam arrasar Portugal.

 

Mas, para os intelectuais o Maria Matos (teatro) apresentava a peça de Bernardo Santareno “Português, escritor, 45 anos de idade”.
As camaradas, para além de irem ao teatro, preocupavam-se com os saldos da Lanidor que decorriam durante 3 dias em Agosto.
A CP, que não queria ficar atrás deste progresso imenso, anunciava as suas viagens para Madrid, por 980$00.

 

Para revolucionar os mesmo muito mais ricos, propunha-se Rio de Janeiro, Santos, Buenos Aires, Cannes, Génova, Nápoles e até Colombo: quem oferecia era a Italian Line. Para os filhos dos camaradas que não gostassem do ensino oficial começaram a proliferar muitos colégios privados: por exemplo, o Colégio Sá de Miranda à Estefânia.

 

Ainda a imprensa feminina. Gina de Freitas, escandalizada dizia “Limitando-nos, portanto, à imprensa feminina vulgar, tipo magazine ou simplesmente revista de modas, chegamos à conclusão de que ela é muito mais uma imprensa de evasão do que uma imprensa de actualidade”. A autora, citando Harold Portnoy, proclama que estas revistas de moda são conservadoras e defendem a pseudoestabilidade dos lares.

 

Finalmente se fala de uma escritora brasileira radicada em Portugal, assistente da Faculdade de Letras, Maria Lúcia Lepecki (1940-2011). Afirmava-se, com o seu cabelo curto tão peculiar e um fácies lindo, como um nome muito avançado para a época. Veja-se esta reflexão da ensaísta: “Falando sério: porque é que a psicologia infantil, por exemplo, ou os conselhos matrimoniais se acoutaram nas revistas e suplementos femininos? Acaso não serão os pais também educadores? Acaso não estarão também os homens interessados em ter um casamento harmonioso? Porque é que a culinária assentou aí seus arraiais? Não serão os grandes cozinheiros homens? Porque é que as secções de compras, a publicidade mal disfarçada enchem as revistas femininas e neste ponto, as francesas são um desastre? Escuso de perguntar, porque você já sabe a resposta: primo, quem foi feita para o lar é a mulher – e tome de psicologia para criar sozinha os filhos e de culinária para que o marido e filhos não tenham motivos de reclamações, e de gadgets que lhe encham os armários, já que nada lhe preenche a cabeça. Secundo, porque a mulher foi feita para o lar e o perigo dos perigos é que o chefe deste lar se vá porta fora – e tome de conserve o seu marido tendo uma pele macia e fazendo bons cozinhados. Tertio, porque a mulher foi feita para um lar que seja mais bonito e mais recheado do que o lar da vizinha: tome de publicidade disfarçada, e eis aí formados os exércitos de formigas compradeiras…o que nos vale no meio de isto tudo, as revistas femininas parecem ter também um subconsciente rebate de consciência: e eis a quase obrigatória secção de divulgação de psicanálise não corram as leitoras o risco de traumatismos psicológicos de resultados imprevisíveis” (DL, 5 de Junho de 1974. Página 3.).

 

Foi preciso uma mulher brasileira dos quatro costados para dizer de um modo simples a situação da mulher em Portugal em 1974, após a revolução.

 

Referindo ainda nomes de ensaístas brasileiros de grande dimensão intelectual: Maria do Carmo Fernandes, que assinava todas as semanas a rubrica Testemunho de uma Brasileira “Estou a imaginar (e não posso deixar de rir) a cara dos militares brasileiros e chilenos que, tendo já dado o seu muito precipitado reconhecimento à Junta portuguesa, tiveram que engolir em seco, surpresos e perplexos, com a chegada triunfal do líder comunista português Álvaro Cunhal, recebido pelo Exército e pelo povo, com flores, risos, lágrimas e esperanças e sendo, posteriormente, convidado a fazer parte do Governo (…) e, meus amigos A Política é algo bem mais complexo do que se pensa. Convém reflectir, antes de se tomarem certas decisões precipitadas, que podem, posteriormente, mostrarem-se ridículas, no plano internacional. Convém que os militares do Chile e do Brasil aprendam que devem ser mais cautelosos, quando novos “golpes” acontecerem por esse mundo fora”. (DL; 6 de Junho de 1974. Página 3.).

 

Maria do Carmo Fernandes fala sem pejo dos fascismos no Chile e no Brasil e de como Portugal, com o seu 25 de Abril, mostrava um caminho, provavelmente, para toda a América do Sul. Vejam: o Brasil actual pós Lula, já não é esse grande País que oferece alternativas ao paupérrimo Portugal da troika? Como os tempos mudam.

 

O interesse em torno da América do Sul não parava. Na Argentina falava-se de Estela Perón, Presidente até 1977. No entretanto, o socialista Mitterrand visitava Portugal (DL. 3 de Julho de 1974. Página 24). E sabem que mais? Os intelectuais maiores do tempo, em 1975, vinham “beber” Portugal: Sartre e Simone de Beauvoir.
Ferreira de Castro (1898-1974,31), o escritor que mais se interessou pelo Brasil, era justamente idolatrado (DL. 5 de Julho de 1974. Página 3. Urbano Tavares Rodrigues, Obrigado Ferreira de Castro.). Jorge Listopad (1921-,31), de nacionalidade Checa, inebria-se com o autor de A Selva.

 

A mulher de Urbano Tavares Rodrigues, feminista, escritora, articulista, a grande Maria Judite de Carvalho (1921-1998) (infelizmente muito esquecida em Portugal, nos dias de hoje,31), escrevia regularmente no DL. No seu artigo “As locutoras da tv” (DL. 16 de Julho de 74. Página 10) falava que finalmente as mulheres entravam pela televisão como locutoras, não por serem belas ou subservientes, mas porque tinha havido uma libertação das mulheres. A Maria Judite de Carvalho era optimista. Em 2014 não se encontra uma única mulher, locutora ou não, que não preencha os ideais do feminino através do ideário masculino. Provas: quando morreu Urbano Tavares Rodrigues houve um grande silêncio nacional. Quando morreu Maria Judite de Carvalho, porventura em qualidade melhor do que o marido, os media nem referiram a sua ausência. Quando morre um homem intelectual, por exemplo o grande historiador Medeiros Ferreira, os média encheram-se de panegíricos, os quais curiosamente o dito historiador nunca recebeu em vida. Quando uma intelectual mulher morre, a situação é simples: numas letrinhas muito pequeninas que correm algures pelos telejornais nacionais, lá se diz que morreu Fulana de Tal. Houve uma excepção: a primeira mulher que exerceu o cargo de Primeiro-ministro em Portugal. Dedicou-se-lhe um brevíssimo comentário, exaltando a ligação religiosa ao movimento Graal, e o empenho por causas justas. Tudo muito breve, porque as telenovelas estão primeiro.

 

Gina de Freitas, de quem já falámos, reflectia sobre a condição das mulheres, em termos muito práticos (DL. 16 de Julho. Página 10): o caso de uma empregada de drogaria-perfumaria no Camões. Tem 28 anos, é casada e ganha 3 750$00 mensais. Desconta 400$00. Vive em Loures, porque é mais barato. Almoça nos sítios mais económicos. Chega a casa não antes das 20:30 horas. O marido já está à espera que ela faça o jantar e deixe o pequeno-almoço do dia seguinte mais ou menos adiantado. As batas que usa no trabalho são pagas à sua custa. Tem 15 dias anuais de férias. Aprendeu dactilografia aos serões para receber uns dinheirinhos. Luísa dactilógrafa. Está há 30 anos na mesma empresa.

 

Ganha 4 000$00 mensais. Mal tem dinheiro para pagar vestuário, embora viva bem longe de Lisboa.

 

Veja-se o caso da professora primária que ganhava 3 400$00.
Veja-se as enfermeiras-parteiras das Caixas de Previdência. Ganham 4 400$00 e têm de ter pelo menos o 5º ano e mais 4 anos de curso. As mulheres em 74, as mulheres em 2014: muita coisa mudou, mas nos últimos 3 anos recuámos 40 anos.

 

O Professor Afonso de Albuquerque, com a coragem de todos os grandes pensadores, fala da hipocrisia dos médicos em relação ao aborto. Diz o ensaísta e psiquiatra que os estudantes de medicina não sabem absolutamente nada de métodos anticoncepcionais ou mesmo de Ginecologia. (DL. 11 de Julho. Página3). Nos dias de hoje a especialidade de Ginecologia feminizou-se quase totalmente. As meninas, quando alertadas pelos pais ou família, a partir dos 13 anos, tomam contraceptivos. Bem-haja 25 de Abril.

 

Gina de Freitas, a corajosa jornalista, refere a perseguição religiosa e política à professora Maria Almira Medina (1920-,31), porque assediava meninos no Liceu Nacional de Sintra. A jornalista provou serem manobras políticas contra uma mulher corajosa. Já depois do 25 de Abril. (DL. 17 de Julho. Página 8). Ainda nas denúncias da desigualdade entre homens e mulheres: da escritora Maria Judite de Carvalho. Procurava-se um chefe de escritório com idade não superior a 45 anos, um pracista com 40 anos no máximo e uma secretária correspondente de, insidiosamente 27 anos. A escritora chegou então à procura de um guarda-livros e, veja-se a bondade: procurava-se deficiente físico ou senhora. Grande Maria Judite de Carvalho.

 

Cecília Barreira/CHAM/FCSH/Universidade Nova de Lisboa

TOP ∧
2

CONTACTOS


Revista InComunidade

Edição de Fevereiro de 2015


Director:

Henrique Prior

Directora-adjunta:

Júlia Moura Lopes

Email: geral@incomunidade.com


Revisão de textos:

Júlia Moura Lopes


Editor:

515 - Cooperativa Cultural, CR

ISSN 2182-7486


Propriedade:

515 - Cooperativa Cultural, CR

Rua Júlio Dinis número 947, 6 Direito, 4050-327.

Porto - Portugal


Redacção:

Rua Júlio Dinis número 947, 6 Direito, 4050-327.

Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com




Conselho Editorial:

Carla Telésforo, Clara Pimenta do Vale, Floriano Martins,

Henrique Prior, Jorge Vicente, Júlia Moura Lopes e

Maria Estela Guedes.



Colaboradores de Fevereiro de 2015:

Cecília Barreira, Cláudio Parreira, David Cortes Caban, Eduardo Mosches, Estela Guedes,

Floriano Martins, Frankelin Fernandez, Gabriel Jeminez Eman, Henrique Dória, Ilda Crugeira,

João S. Martins, Jorge Ferreira, Luís Cardoso, Manuel Varzim, Maria Toscano, Marinho Lopes,

Matheus Trunk, Norma de Souza Lopes, Otto Apuy, Paulo Cecílio, Paulo César Gomes, Rafael Spaca,

Valdir Rocha, Viviane Santana Paulo.


Foto de capa:

Paulo Burnay


Paginação:

Nuno Baptista

Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR